Pular para o conteúdo principal

Dedicatórias para o leitor Emmanuel Mirdad (2010-2015)


O leitor Emmanuel Mirdad é um colecionador de dedicatórias. Para ele, é como se a assinatura do autor fosse uma autorização para imergir na obra, como se ela se tornasse mais legítima, o consumo consentido, receitado, referendado. Além disso, é uma dose de carinho, recado afetivo que se imortaliza como um retrato, digitalizado e compartilhado, uma selfie literária entre amigos e/ou colegas, comparsas, mestres e discípulos.

2015

Livros de João Filho, Tom Correia,
Bruno Liberal e Marielson Carvalho
Clique aqui

Livros de Victor Mascarenhas,
Márcio Matos, Bruno Liberal
e Ferreira Gullar
Clique aqui

Livros de Ronaldo Correia de Brito,
Cristovão Tezza, Antônio Torres
e Cristiano Ramos
Clique aqui

Livros de Mayrant Gallo em 2015
Clique aqui

Coletânea Outro livro na estante
Clique aqui

Livros de Carlos Barbosa,
Tarcísio Buenas, Joana Rizério,
Georgio Rios, Marcus Vinícius Rodrigues
e Catarina Guedes
Clique aqui


2014

Livros de Gonçalo M. Tavares
Clique aqui

Livros de Matéi Visniec
Clique aqui

Livros de Ondjaki, Leonidas Donskis,
Roberval Pereyr e Carlos Henrique Schroeder
Clique aqui

Livros de Ruy Espinheira Filho,
João Filho, Kátia Borges,
Marcio Matos, Nalini Vasconcelos
e Odara Rufino
Clique aqui

Livros de Herculano Neto,
Henrique Wagner, João Mendonça,
Mayrant Gallo e Dênisson Padilha Filho
Clique aqui

Livros de João Filho, Mariana Paiva,
Marcus Vinícius Rodrigues,
Márcia Moreira e Gustavo Felicíssimo
Clique aqui

Livros de Affonso Manta, Lima Trindade,
Rodrigo Melo, Tarcísio Borges,
Cau Gomez e Victor Mascarenhas
Clique aqui

Livros de Ricardo Thadeu,
Cleberton Santos e Cyro de Mattos
Clique aqui


2010-2013

Livros de Pepetela
Clique aqui

Livros de Reinaldo Moraes
Clique aqui

Livros de Cristovão Tezza
Clique aqui

Livros de Hélio Pólvora e
Ruy Espinheira Filho
Clique aqui

Livros de Mayrant Gallo
Clique aqui

Livros de José Inácio Vieira de Melo
Clique aqui

Livros de Sérgio Rodrigues,
Mário Magalhães, Luiz Felipe
Pondé e Állex Leilla
Clique aqui

Livros de Tabajara Ruas,
Ronaldo Correia de Brito,
José Eduardo Agualusa e
Ana Paula Maia
Clique aqui

Livros de André Setaro,
Victor Mascarenhas, Gláucia Lemos
e Joca Reiners Terron
Clique aqui

Livros de Jessica Smetak,
Carpinejar, Eduardo Bueno
e Mariana Paiva
Clique aqui

Livros de Adelice Souza, Carlos Barbosa,
Gláucia Lemos, As Baianas
e Aurélio Schommer
Clique aqui

Livros de Leandro Narloch,
Victor Mascarenhas, Aurélio Schommer,
Katherine Funke, Wladimir Cazé
e Karina Rabinovitz
Clique aqui

Livros de Fernando Conceição,
Davi Boaventura, Saulo Ribeiro,
Georgio Rios e Eliakin Rufino
Clique aqui

Livros de presente: Clarice Lispector,
Rilke, Arnaldo Branco e Saulo Ribeiro
Clique aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d