Pular para o conteúdo principal

Discografia Mirdad: Orange Roots — Fluid


Quando a fluidez e o experimentalismo da psicodelia se encontram com o groove e a transcendência do reggae, e as diversas sensações e ambiências da poética canção progressiva se fundem à ancestralidade e cores do som do coração, eis que surge o som psychedelic roots progressive reggae do Orange Roots.

Fluid (2019) é o álbum de estreia do Orange Roots, lançado em todas as plataformas pelo selo Surforeggae Sound System Brazil, que distribui álbuns de artistas de renome internacional como Groundation e Israel Vibration, entre outros.

Com nove faixas, produzido por Emmanuel Mirdad (que também compôs as músicas) e Átila Santtana, foi gravado em Salvador, Bahia, e apresenta a voz melodiosa e harmônica do cantor Jahgun, baiano radicado em Los Angeles, unido à concepção estética do artista visual Max Fonseca. Vibrando o reggae psicodélico & progressivo, uma formação valiosa: Iuri Carvalho na bateria, Fabrício Mota no baixo, Tadeu Mascarenhas nas teclas e Átila Santtana nas guitarras.

Release (por/eng) e fotos aqui

Sobre Orange Roots e a gravação aqui

Site oficial aqui



Não consegue visualizar a playlist? Ouça no YouTube aqui



Não consegue visualizar o player?
Ouça no Spotify aqui


Todas as plataformas aqui

Orange Roots
Fluid
(Surforeggae Sound System Brazil, 2019)

Jahgun – voice & backing vocal
Átila Santtana – guitar, acoustic guitar, reverse guitar & hammond
Iuri Carvalho – drums
Fabrício Mota – bass
Tadeu Mascarenhas – piano, oberheim, accordion, rhodes, clavinet, synth, melodica & arbon

Feat.:
Emmanuel Mirdad – acoustic guitar (tr.04-09) & reverse guitar (tr.03-09)
Matias Traut – trombone (tr.03)
Nancy Viégas – backing vocal (tr.06)

Produced by Emmanuel Mirdad & Átila Santtana

Composed by Emmanuel Mirdad

Tracks:

01. My Heart is an Actor
(BR-N1I-15-00001)

02. My Impossible Wife
(BR-N1I-16-00001)

03. Warmth of an Iceberg
(BR-N1I-15-00002)

04. A Reflex, A Nightmare
(BR-N1I-16-00002)

05. Small & Dangerous
(BR-N1I-16-00003)

06. Deep
(BR-N1I-16-00004)

07. Flowers to the Sun
(BR-N1I-15-00003)

08. Doll Kid
(BR-N1I-15-00005)

09. Someday I’ll Escape
(BR-N1I-15-00004)

Recording:
Tadeu Mascarenhas at Casa das Máquinas & Átila Santtana at your home studio, Salvador, Bahia, Brazil.

Mixing and mastering:
Tadeu Mascarenhas at Casa das Máquinas.

Artwork:
Max Fonseca

Photo:
Karim Saafir

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…