Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Elieser Cesar no livro Os cadernos de Fernando Infante

Elieser Cesar

Considerações sobre a rua K e sua gente
Elieser Cesar

Acordar é andar sempre sobre os mesmos passos
e não conhecer parte alguma.
A rua é escura como os homens.
Acaso sabem, os homens, por onde andam
a estrela que se dividiu
e o grito que se projetou em cada peito?

--------

Tempo das pedras
Elieser Cesar

Preparemos a resposta para o tempo que virá.
A dureza atual é iniciação; ensaio.
O mundo sangra
como uma veia aberta para a eternidade.
Já exibe, o tempo dos rudes,
seus contornos de pedra.
Pouco sobrará da nossa pureza.
Preparemos, já, nossa resposta,
pois o tempo dos brutos,
mesmo rude, admite revolta:
semente de semente
para outra semente;
adubo, trato para a terra.
Seco e desolado,
o tempo dos rudes se aproxima.

--------

Morte do pai
Elieser Cesar

Nesse momento a vida
                   (contrariada)
à morte se entrelaça.
Milhares morrem, outros
                           (cansados),
refazem a jornada.
O sol se põe e de manhã
                              renasce,
cinza das cinzas
de sua escura face.

--------

O último trem para o lago azul já partiu
Elieser Cesar

Não construí o amor. Trilhei equívocos.
Como uma sombra no escuro, ignorei-me perdido
e me perdi.
Vivi certezas, vaguei esperas: o amor, não construí.
Não construí o amor: persisto a busca
(um sinal débil, talvez)
na geometria das estrelas distantes.

--------

Canção de abril
Elieser Cesar

Pertenço à casa dos sérios
dos que não tiveram infâncias
dos que não choraram, nem riram;
casa dos sérios.
Pertenço à casa dos febris, dos pusilânimes
dos pálidos que não tiveram pernas
para correr do medo de não terem pernas
para correr do medo.
Pertenço à casa das sombras
onde só moraram aqueles
que não possuíram espelhos
e não se viram homens,
mas hienas e onças,
duplamente fera.
Pertenço à casa
(oh, porque logo a esta fui pertencer?)
dos que estavam ausentes
quando as ninfas chegaram
e pintaram o arco-íris,
distribuíram as flores
e romperam o silêncio e a solidão
                                          com flautas.
(E tampouco se fizeram presentes
quando as ninfas partiram
pintando o arco-íris,
distribuindo as flores
e rompendo o silêncio e a solidão
                                          com flautas).
Pertenço à casa dos que retrocederam
após os primeiros passos da partida.
Pertenço à casa partida.

--------

“O amor é mais um modo de enganar os dias
e adiar o confronto com nós mesmos.
(...)
Tive certezas e morri com todas elas.
Mas a vida, cavalguei com incertezas.
Vou além de mim e não encontro nada.”


“Não sei viver sozinho.
Nem comigo mesmo estou sozinho.
Sou tão estranho a mim mesmo,
como o homem que sou
é estranho ao homem que planejei ser.”


“Fico parado como as árvores
e como as árvores estou em todo canto.
Em toda árvore está a mesma árvore
e na maçã mordida,
o fruto que não será plantado.
Também a vida em que morri na vida
está na morte em que vivi na morte.

Os homens seguem seus caminhos
e o caminho é único.
Os passos não fazem o caminho
e o caminho não desenha os passos.
Os passos definem-se nos caminhos
e o caminho justifica-se nos passos.”


Presentes no livro de poemas “Os cadernos de Fernando Infante” (EGBA, 1997), de Elieser Cesar, páginas 33, 56, 44, 28 e 15-16, respectivamente, além dos trechos dos poemas “Vida do morto” (p. 58-59), “Antes da queda” (p. 64) e “A canção do irmão de Nínive” (p. 54-55), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav