Pular para o conteúdo principal

2 mil posts no blog


Hoje, o meu blog atinge o recorde de 2 mil posts. Yeba!

Eu blogo a vida desde 2009. É um acervo de literatura, música e outras artes & assuntos, o lampião e a peneira desse mestiço fascinado pela cultura. O blog é muito importante para mim, o canal onde exerço a profissão que me formei [jornalista], divulgando o trabalho de muitos artistas, além de servir como memória e divulgação do meu trabalho como escritor, compositor e produtor cultural.

O meu canal já foi chamado de “Ël Mirdad — Farpas e Psicodelia” e “Blog do Ël Mirdad”. Anunciei por duas vezes o seu fim, apaguei diversas postagens [quase todas foram poemas e textos reaproveitados nos meus livros] e remodelei o layout por três vezes.

Divulguei o trabalho literário de mais de uma centena de autores, mais de seiscentas bandas e artistas, e também audiovisual, artes visuais e fotografia, além de um podcast e listas dos melhores textos publicados na revista piauí entre 2006 e 2016, prestar homenagens e expor a minha vida profissional [produções e obra literária e musical] e íntima [influências, preferências e família].

As principais seções são:

Leituras
Leia aqui
O leitor Emmanuel Mirdad seleciona os melhores trechos das leituras que faz e publica os trechos no seu blog, tanto para promover o interesse pelo autor, obra e pelo hábito da leitura, quanto para divulgar autores não tão conhecidos e promover a venda de exemplares das obras divulgadas. O principal intento é espalhar doses homeopáticas de literatura por aí.


Livros de Emmanuel Mirdad
Leia aqui
O romance “oroboro baobá” (2020), o livro de contos “O limbo dos clichês imperdoáveis” (2018) e os livros de poemas “Quem se habilita a colorir o vazio?” (2017), “Ontem nada, amanhã silêncio” (2017), “Yesterday, Nothing; Tomorrow, Silence” (2018) e “Wuthering Sky” (2022) todos disponíveis para leitura no blog e download gratuito do PDF.


Seleta
Ouça aqui
O jornalista, compositor e colecionador Emmanuel Mirdad seleciona e elabora playlists com as bandas e artistas que mais gosta de escutar, divulgando as músicas nos seus perfis no YouTube e no Spotify. Além de colocar no streaming o seu acervo musical físico e compartilhar com a internet as suas escolhas, há o interesse de divulgar trabalhos não tão conhecidos e promover a arte nas redes sociais. O principal intento é celebrar o produto mais incrível criado & realizado pelo ser humano: a música.


Discografia de Emmanuel Mirdad
Ouça aqui
O compositor e produtor musical, fonográfico, executivo e artístico Emmanuel Mirdad começou a registrar suas composições em álbuns a partir de 1999. Atualmente, são 05 álbuns, com as bandas Orange Poem, Orange Roots e Mirdad e a pedradura; 10 EPs, com as bandas Orange Poem (com as vozes de Mateus Aleluia Filho, Teago Oliveira, Mateus Aleluia, Mauro Pithon, Nancy Viégas, Rodrigo Pinheiro e Glauber Guimarães) e Pedradura, o duo Pássaros de Libra e a carreira solo Mirdad; 02 singles, com o cantor Jahgun e a banda Quarteto de Cinco.


Música para Escrever (2017-2021)
Ouça aqui
70 posts da série Música para Escrever, divulgando o trabalho de 600 bandas e 1.200 discos (entre álbuns, EPs e singles), o melhor do post-rock (e ambient) para escrever, o som que faz ir além, a mergulhar no universo de dentro e ao redor, a alumiar a mente e transcender em palavras.


Composições de Emmanuel Mirdad
Ouça aqui
O compositor baiano Emmanuel Mirdad começou a compor em 18 de julho de 1997, quase sempre baseado no violão de nylon, de forma autodidata, inicialmente inspirado por Renato Russo até desenvolver seu estilo próprio, sempre muito variado, de rock e reggae psicodélico e progressivo, blues, groove, música brasileira e em inglês, instrumental, pop e experimental, trilhando uma parte de sua produção poética, mais simples que a dedicada à literatura. Essencialmente as melodias são compostas em cima de poemas seus, mas há algumas parcerias na sua obra. Em março de 2022, são 54 composições de Emmanuel Mirdad gravadas e disponibilizadas na internet.


Produções de Emmanuel Mirdad
Info aqui
O produtor cultural Emmanuel Mirdad começou a sua carreira em setembro de 1999. Produziu discos e a banda Orange Poem, foi agente de shows e produtor executivo, e partiu para o empreendedorismo, sendo sócio e diretor de três empresas: Putzgrillo Cultura (2008-2012), Mirdad — Gestão em Cultura (2013-2014) e Cali (2013-2021). A sua principal função nos projetos é a de Coordenador Geral. É o responsável pela criação de conteúdo e de propostas inovadoras, análise do mercado e gestão de crise.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d