Pular para o conteúdo principal

Emmanuel Mirdad na mediação da Flica e da Fliu


É com muito prazer que farei a mediação da mesa de abertura da 10ª edição da Flica nesta quinta 03/11 às 10h em Cachoeira, “Os Brasis cabem na Literatura e Liberdade?”, com Auritha Tabajara, Cidinha da Silva e MV Bill. O amigo Jomar Lima, atual dono e coordenador geral da Flica, me convidou e eu fiquei bem feliz e honrado pela lembrança. Viva a Flica! De volta após o longo inverno da pandemia, euforia total pelo ano novo, cheio de esperança & amor!

[ Auritha Tabajara ]
Natural do interior do Ceará, cresceu ouvindo as lindas histórias de tradição contadas por sua avó. Apaixonada pela rima, escreve desde pequena. Auritha Tabajara é cordelista, terapeuta holística em ervas medicinais, contadora de histórias indígenas, palestrante e oficineira. Radicada em São Paulo, é co-diretora do documentário “A mulher sem chão”, autora dos livros “Magistério indígena em versos e poesias” e “Coração na aldeia, pés no mundo”, e 1ª mulher indígena a publicar livros em literatura de cordel no Brasil.

[ Cidinha da Silva ]
Mineira, tem 20 livros publicados, como os premiados “Um Exu em Nova York” (Biblioteca Nacional, 2019) e “O mar de Manu” (APCA 2021, melhor livro infantil). É editora da Kuanza Produções. Os livros de Cidinha da Silva passeiam pelos gêneros: crônica, conto, ensaio, dramaturgia e infantil/juvenil. A sua pesquisa estética bebe da fonte das africanidades, orixalidades, ancestralidades e da tensão e diálogo entre tradições e contemporaneidade. Outros temas estão presentes na sua obra: racismo, desigualdades raciais e de gênero, direitos humanos, amor, futebol e política. Está lançando o livro de crônicas “A menina linda”.

[ MV Bill ]
O carioca mensageiro da verdade é rapper, escritor, ator, cineasta e ativista brasileiro. De álbuns referenciais do rap nacional, como “Traficando Informação” e “Declaração de Guerra”, co-fundador da CUFA, Central Única das Favelas, MV Bill é escritor, autor do livro de memórias "A vida me ensinou a caminhar”, entre outros. Com 12 discos lançados, MV Bill segue sua vida erguendo pontes e quebrando paradigmas, construindo suas aeronaves em pleno voo.



Ô, sorte! Tô de volta à Fliu! Tô de volta à cidade mágica que é a sertaneja Uauá! Neste sábado 05/11 às 10h, vou mediar a mesa 05, “Sociedade, religião e política: Espaços da vivência, do diálogo, da empatia e alteridade”, com o padre escritor José Erimatéia de Oliveira e o poeta & professor Wesley Correia, a convite da coordenadora Mércia e do curador Maviael. E vai ter transmissão ao vivo pelo YouTube aqui. E a programação tá linda, confira nas redes da festa aqui. Viva a Fliu! De volta após o longo inverno da pandemia, euforia total pelo ano novo, cheio de esperança & amor!

[ Padre José Erimatéia de Oliveira ]

Especialista em Liturgia e em ensino de Filosofia, bacharel em Teologia, com licenciatura plena em Filosofia e segunda licenciatura em Ciências Sociais, com ênfase em Sociologia, é autor dos livros “Espiritualidade Vicentina: reflexo do amor divino”; “A vida entre o essencial e o supérfluo”; “A força do rito na fé e na vida do povo” e “Igreja Matriz de Uauá, sua história e seus espaços”, entre outros. Ministra palestras em escolas públicas e particulares sobre diversas temáticas, entre elas, valores, família, disciplina, filosofia e espiritualidade.

[ Wesley Correia ]

Wesley Correia é poeta, ficcionista e ensaísta. Dentre suas obras, destaca-se a antologia “laboratório de incertezas”, publicada pela Editora Malê, em 2020, que reúne a produção poética do autor nas últimas duas décadas. Tem obras traduzidas para o inglês, espanhol e romeno. É doutor em Estudos Étnicos e Africanos pela UFBA/Universidade de Lisboa, professor de Literatura e Identidades do IFBA, Campus Salvador. Tem integrado diversas atividades que pautam os temas da arte, da cultura, da literatura e da sociedade, e é membro da Academia Cruzalmense de Letras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav