Pular para o conteúdo principal

Revisando 2015

Emmanuel Mirdad - Foto: Sarah Fernandes

2015 foi o ano da literatura para mim. Lancei o livro “O grito do mar na noite” (Via Litterarum, 2015), de contos, e escrevi o livro “Olhos abertos no escuro”, também de contos, a ser lançado em janeiro de 2016, pela mesma editora baiana. Descobri alguns livros valiosos dos mestres Anton Tchekhov, Dino Buzzati e Guy de Maupassant, indicados pelo mestre que me restou, Mayrant Gallo (já que perdi o incrível Hélio Pólvora em março – a minha homenagem ao melhor autor baiano aqui, que foi publicada na revista Muito aqui). Li mais livros do que no ano passado, bem como selecionei mais passagens e publiquei no blog. Gravei 10 vídeos com trechos dos contos de “O grito do mar na noite”, livro que recebeu críticas positivas do poeta e crítico Silvério Duque (leia aqui) e da revista Trupe (leia aqui). Com a minha empresa Cali, junto à iContent, produtora da Rede Bahia, realizamos o evento de lançamento da Flica 2015 em setembro na Caixa Cultural, em Salvador, e a 5ª edição em Cachoeira em outubro, com grande êxito.

Na música, produzi, junto ao músico Átila Santtana, da IFÁ Afrobeat, o EP “Fluid” (com cinco composições minhas, em inglês), do Orange Roots, novo projeto que montei e que em 2016 irá ferver por aí o seu psicodélico reggae progressivo. No vocal, o cantor sensacional Jagun-Labi, baiano radicado nos EUA (que tem o trabalho solo Jahgun, que você pode conferir aqui). Com gravações no estúdio de Átila e no Casa das Máquinas, “Fluid” tem a honra de registrar, pela 1ª vez, a excelente cozinha gruvada dos músicos Iuri Carvalho (bateria) e Fabrício Mota (baixo). Completando a guiga, as teclas de Tadeu Mascarenhas, as cordas (guitarras e violão) de Átila Santtana (também gravei violão e guitarra reverso) e o trombone de Matias Traut.

Mirdad, Jagun-Labi, Átila Santtana e Tadeu Mascarenhas na gravação do EP Fluid, Orange Roots, em setembro, estúdio Casa das Máquinas, Salvador/BA. Foto: Nancy Viégas

Este ano, tentei materializar o sonho do cinema, após três anos de tentativas fracassadas. Escrevi o meu primeiro roteiro de longa-metragem e a produtora Lorena Hertzriken aceitou ser sócia na Aláfia Filmes. Porém, os livros me ensinaram que a literatura é, para mim, maior que o cinema e eu me desiludi com a sétima arte. Desisti de ser roteirista e produtor de cinema, encerrando a parceria com a competente Lorena e os contatos com a Mandacaru Filmes, via o diretor Márcio Cavalcante, que se interessaram em filmar a minha história do goleiro que nunca tomou gol.

2015 me deu de presente a bela companheira Sarah Fernandes, fotógrafa de sensibilidade apurada. Um amor doce, suave, presente e apaixonante. Uma parceiraça: ela registrou os vídeos do livro “O grito do mar na noite”, fez a foto para a capa do livro “Olhos abertos no escuro (e as fotos de divulgação para o lançamento), e temos planos de um livro em conjunto, com fotos e reflexões, chamado “A libélula e o urso”. 2016 promete!

Principal feito de 2015


Lançamento do livro de contos
O grito do mar na noite” pela Via Litterarum

-----

Livro que mais gostei em 2015


O beijo e outras histórias
(Editora 34, 2014)
Anton Tchekhov
[trechos aqui]

-----

Livros prediletos em 2015


1) “O beijo e outras histórias” (Editora 34, 2014), de Anton Tchekhov

2) “O deserto dos tártaros” (Nova Fronteira, 2011), de Dino Buzzati

3) “Os cem melhores contos brasileiros do século” (Objetiva, 2000), Org. Ítalo Moriconi

4) “A dama do cachorrinho e outros contos” (Editora 34, 2014), de Anton Tchekhov

5) “O voo da madrugada” (Companhia das Letras, 2003), de Sérgio Sant'Anna

6) “As noites difíceis” (Nova Fronteira, 2004), de Dino Buzzati

7) “As grandes paixões” (Record, 2005), de Guy de Maupassant

8) “Melhores contos” (Global, 2000), de J. J. Veiga

9) “Aprender a rezar na era da técnica” (Companhia das Letras, 2008), de Gonçalo M. Tavares

10) “Melhores contos” (Global, 2003), de Orígenes Lessa

11) “Correntezas e outros estudos marinhos” (Ogum's Toques Negros, 2015), de Lívia Natália

-----

Todos os 56 livros lidos em 2015


-----

Reli 07 livros em 2015: “Laços de família”, de Clarice Lispector; “Feliz ano novo”, de Rubem Fonseca; “Brancos reflexos ao longe”, “Três infâncias”, “Cidade singular”, “O gol esquecido” e “As aventuras de Nicolau & Ricardo: detetives”, todos de Mayrant Gallo.

-----

Filme que mais gostei em 2015


Leviatã
(Левиафан - 2014)
Andrey Zvyagintsev

-----

Filmes prediletos vistos em 2015


1) “Leviatã” (Левиафан - 2014), de Andrey Zvyagintsev

2) “Boyhood - Da Infância à Juventude” (Boyhood - 2014), de Richard Linklater

3) “O Sal da Terra” (The Salt of the Earth - 2014), de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado

4) “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (Birdman or [The Unexpected Virtue of Ignorance] - 2014), de Alejandro González Iñárritu

5) “Livre” (Wild - 2014), de Jean-Marc Vallée

6) “No Limite do Amanhã” (Edge of Tomorrow - 2014), de Doug Liman

7) “Selma: Uma Luta pela Igualdade” (Selma - 2014), de Ava DuVernay

8) “Ida” (Ida - 2013), de Paweł Pawlikowski

9) “O Abutre” (Nightcrawler - 2014), de Dan Gilroy

10) “Que Mal Eu Fiz a Deus?” (Qu'est-ce qu'on a fait au Bon Dieu? - 2014), de Philippe de Chauveron

11) “Blind” (Blind - 2014), de Eskil Vogt

-----

Todos os 71 filmes vistos em 2015


-----

Revi 18 filmes em 2015: “Coração Valente”, “O Poderoso Chefão II”, “300”, “Pink Floyd – The Wall”, “Marley”, “Leviatã”, “No Limite do Amanhã”, “O Gângster”, “O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final”, “Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro”, “Os Fantasmas se Divertem”, “O Exterminador do Futuro”, “Honeydripper – Do Blues ao Rock”, “Livre”, “Selma: Uma Luta Pela Igualdade”, “O Poderoso Chefão III”, “Noé” e “RoboCop” (2014).

-----

Todas as 10 temporadas de séries vistas em 2015


-----

Revi 01 temporada de série em 2015: “Game of Thrones – 3ª temporada”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav