Pular para o conteúdo principal

Os 50 melhores contos do livro Os cem melhores contos brasileiros do século

Seleção feita por Mirdad em outubro e novembro de 2015, 
da seleção de Ítalo Moriconi publicada no ano 2000


01) A nova Califórnia (1910) — Lima Barreto

Transformar ossos em ouro. O que pode acontecer numa cidadezinha do interior diante tamanha descoberta tentadora? "A religião da morte precede todas e certamente será a última a morrer nas consciências."


02) Feliz aniversário (1960) — Clarice Lispector

A numerosa família se reúne para celebrar o aniversário de 89 anos da matriarca, que resume bem a sua felicidade pelo encontro: "Que o diabo vos carregue, corja de maricas, cornos e vagabundas! Me dá um copo de vinho, Doroty!"


03) Linda, uma história horrível (1988) — Caio Fernando Abreu

O filho, à beira dos quarenta, retorna à casa da velha mãe. Carrega o peso de uma terrível revelação, mortal. Será capaz de compartilhá-la? "— Mãe — ele começou. A voz tremia. — Mãe, é tão difícil — repetiu."


04) Entre irmãos (1959) — José J. Veiga

O irmão mais velho retorna à casa e encontra o irmão que não conhecia, que tem exatamente a mesma idade do tempo que ficou fora do lar. Os dois estão frente a frente, na antessala de uma perda que se anuncia. "Ele me olha, e vejo que está me examinando, procurando decidir se devo ser tratado como irmão ou como estranho, e imagino que as suas dificuldades não devem ser menores do que as minhas."


05) Conto (não conto) (1982) — Sérgio Sant'Anna

Suposições em série, um conto filosófico: a cobra, os zumbidos, o homem, o cavalo, as máquinas, os fios, os vermes, o menino perdido, o macaquinho, o território vazio. "(...) se não há ninguém, como pode alguém contar esta história?"


06) Viagem aos seios de Duília (1944) — Aníbal Machado

Um funcionário público aposentado está entediado com a nova rotina sem trabalho, e encara uma longa viagem ao coração montanhoso do Brasil, ansioso pelo reencontro com a musa das suas visões, a mais apaixonante da sua vida medíocre: Duília, que lhe mostrou os seios brancos quando ele era um jovem inocente e donzelo. "Durou alguns segundos, está durando uma eternidade."


07) A maior ponte do mundo (1977) — Domingos Pellegrini

Dois eletricistas são convocados para um trabalho exaustivo, quase escravo, sem descanso: a conclusão da obra magnânima da ponte Rio-Niterói a tempo do cronograma anunciado pelo Governo. O indivíduo destroçado pelo Estado. "(...) vai continuar no batente porque aqui dessa ponte você só sai morto."


08) O vampiro da Alameda Casabranca (1986) — Márcia Denser

Uma noitada de Diana, a caçadora, na companhia de um poeta xibungo, desejando um fascista bonitão, de virote na rua após fugir do apê do brocha que lhe restou. "O pequeno deus Caracol, o deus dos covardes, deve habitar em mim, pois foi ele que me fez encolher, puxando consigo todas as terminais nervosas, todas as sensações de prazer e dor, toda alegria, todo pranto, e me transformar num penhasco árido, num terreno baldio entregue às varejeiras, aos cacos de vidro, lixo, mato ralo, aos cães vira-latas, e aos teus beijos, Poeta."


09) Feliz ano novo (1975) — Rubem Fonseca

A festa de Réveillon de três marginais, que invadem uma casa de bacana e tocam o terror. Estupro, assassinato, roubo e escatologia. Um conto magistral de violência urbana. "Voltei para o quarto, empurrei a gordinha para o chão, arrumei a colcha de cetim da cama com cuidado, ela ficou lisinha, brilhando. Tirei as calças e caguei em cima da colcha. Foi um alívio, muito legal. Depois, limpei o cu na colcha, botei as calças e desci."


10) Pai contra mãe (1906) — Machado de Assis

Cândido Neves, o Candinho, vê o seu ofício de pegar escravos fugidios declinar, aos poucos. Sem condições de sustentar a mulher, à beira de entregar o filho recém-nascido à Roda dos enjeitados, consegue a oportunidade de entregar uma escrava fugidia e grávida ao seu senhor malvado. A salvação da sua família será a derrota da família da outra? "Tinha um defeito grave esse homem, não aguentava emprego nem ofício, carecia de estabilidade; é o que ele chamava caiporismo."


Lima Barreto, Clarice Lispector, Caio Fernando Abreu, José J. Veiga, Sérgio Sant'Anna,
Aníbal Machado, Domingos Pellegrini, Márcia Denser, Rubem Fonseca e Machado de Assis
Fotos: Internet


11) Aqueles dois (1982) — Caio Fernando Abreu

A descoberta do afeto e do amor entre dois colegas de uma mesma repartição, com muita sensibilidade e delicadeza. "Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra — talvez por isso, quem sabe? Mas nenhum se perguntou."


12) Passeio noturno - Parte I e II (1975) — Rubem Fonseca

Um homem de família, casado e pai, após o dia de trabalho, tem o hobby de passear com o seu carro e praticar uma violência cruel e bárbara. "Ainda deu para ver que o corpo todo desengonçado da mulher havia ido parar, colorido de sangue, em cima de um muro, desses baixinhos de casa de subúrbio."


13) O elo partido (1975) — Otto Lara Resende

Um homem vai progressivamente se esquecendo das coisas, das pequenas até de si mesmo, e não há o que ser feito, é irremediável. "Brancas paredes despojadas, largo silêncio sem ecos. Desprendera-se de tudo. A longa viagem ia começar, sem rumo, sem susto, para levar a lugar nenhum."


14) Uma galinha (1960) — Clarice Lispector

À beira da degola, a galinha põe um ovo e é salva pela compaixão de uma criança. "— Mamãe, mamãe, não mate mais a galinha, ela pôs um ovo! Ela quer nosso bem! (...) Todos correram de novo à cozinha e rodearam mudos a jovem parturiente. Esquentando seu filho, esta não era nem suave nem arisca, nem alegre nem triste, não era nada, era uma galinha. O que não sugeria nenhum sentimento especial."


15) Um discurso sobre o método (1989) — Sérgio Sant'Anna

Um limpador de janelas é confundido com um suicida e se impressiona com a atenção das outras pessoas finalmente desperta para sua existência até então invisível. "Se pulasse, transformar-se-ia numa personagem de jornal, um mártir da crise econômica, merecendo mais do que um simples registro, porque teria conseguido transformar a avenida Rio Branco lá embaixo, assim batizada por causa de um barão (que ele desconhecia), num pandemônio, com o soar das sirenes e um carro do corpo de bombeiros que ocupara um bom trecho do asfalto, o Estado usufruindo da oportunidade de retribuir o dinheiro arrecadado dos contribuintes."


16) Uma vela para Dario (1964) — Dalton Trevisan

Dario começa a morrer na rua, e os curiosos transeuntes pioram a situação, até transformá-lo em um indigente. "Um menino de cor e descalço vem com uma vela, que acende ao lado do cadáver. Parece morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva."


17) Hell's Angels (1986) — Márcia Denser

O encontro de Diana, a caçadora, com Robi, o motoqueiro de 19 anos, na época do Natal. "O que me chateia é esse distanciamento crítico, parece estar consertando a moto — essa máquina de prazer — está olhando a coisa funcionar, como seu próprio coração a bater fora do corpo, as engrenagens da máquina molhadas de suor e gosma orgânica, mais lento, mais acelerado, mais lento, agora rápido, acelere, mais rápido, mais rápido. Pronto. Terminou. Ouvi Robi ofegar. Continuei de costas. Estendi o braço e peguei um cigarro."


18) Dois corpos que caem (1997) — João Silvério Trevisan

Dois suicidas se encontram no ar, a caminho da morte. Enquanto não se espatifam no chão, refletem sobre as motivações para acabar a vida. "O que na verdade me seduz é que o amor destrói certezas com a mesma incomparável transparência com que o caos significante enfrenta a insignificância da ordem. Não, o amor não é solução para a vida. Mas é culminância. Morrer por ele me trouxe paz."


19) Olho (1998) — Myriam Campello

Há alguém que observa e ameaça denunciar um caso de incesto. O irmão pensa em escancarar a relação proibida. A irmã, diverte-se. "Desenho incessantemente durante algum tempo em busca de um alívio que não chega. Então paro, ofegante. Meus olhos caem sobre a correspondência na mesa, o envelope de cima com a letra embuçada que nos persegue. Desta vez, no entanto, algo familiar se destaca dele e investe contra meus olhos, rápido inseto esvoaçante. Numa revelação, reconheço sua função secreta. Rasgo o envelope em alvoroço."


20) Felicidade clandestina (1971) — Clarice Lispector

A menina deseja que a amiga empreste um livro, que passa a torturá-la com a promessa que irá emprestá-lo. "O plano secreto da filha do dono de livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do 'dia seguinte' com ela ia se repetir com meu coração batendo."


Otto Lara Resende, Dalton Trevisan, João Silvério Trevisan e Myriam Campello
Fotos: Internet


21) Negrinha — Monteiro Lombato

22) Estranhos — Sérgio Sant'Anna

23) O arquivo — Victor Giudice

24) A nova dimensão do escritor Jeffrey Curtain — Marina Colasanti

25) Alguma coisa urgentemente — João Gilberto Noll

26) Galinha cega — João Alphonsus

27) A máquina extraviada — José J. Veiga

28) O santo que não acreditava em Deus — João Ubaldo Ribeiro

29) Bar — Ivan Ângelo

30) O bebê de tarlatana rosa — João do Rio


Monteiro Lombato, Victor Giudice, Marina Colasanti, João Gilberto Noll, 
João Alphonsus, João Ubaldo Ribeiro, Ivan Ângelo e João do Rio
Fotos: Internet


31) Um cinturão — Graciliano Ramos

32) O afogado — Rubem Braga

33) Tangerine-Girl — Rachel de Queiroz

34) Um braço de mulher — Rubem Braga

35) Baleia — Graciliano Ramos

36) Gato gato gato — Otto Lara Resende

37) O homem nu — Fernando Sabino

38) Dentro da noite — João do Rio

39) A força humana — Rubem Fonseca

40) A caolha — Júlia Lopes de Almeida


Graciliano Ramos, Rubem Braga, Rachel de Queiroz, Fernando Sabino e Júlia Lopes de Almeida
Fotos: Internet


41) Amor — Clarice Lispector

42) As cores — Orígenes Lessa

43) Conto de verão nº2: Bandeira Branca — Luis Fernando Veríssimo

44) Nhola dos Anjos e a cheia do Corumbá — Bernardo Élis

45) A moralista — Dinah Silveira de Queiroz

46) O homem que sabia javanês — Lima Barreto

47) A balada do falso Messias — Moacyr Scliar

48) Pílades e Orestes — Machado de Assis

49) 15 Cenas de descobrimento de Brasis — Fernando Bonassi

50) Guardador — João Antônio


Orígenes Lessa, Luis Fernando Veríssimo, Bernardo Élis, 
Dinah Silveira de Queiroz, Moacyr Scliar, Fernando Bonassi e João Antônio
Fotos: Internet

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…