Pular para o conteúdo principal

Seis passagens de Victor Mascarenhas no livro Um certo mal-estar

Victor Mascarenhas (foto: Vinícius Xavier)


"(...) Naquele momento, Geraldo percebeu que nem ele, nem sua ex-namorada ou qualquer um dos seus amigos de juventude, mesmo os mais brilhantes, bonitos ou talentosos, escaparam da vida real e da sua mediocridade opressiva. Geraldo viu os melhores da sua geração destruídos pela loucura, morrendo de fome, histéricos e arrastando-se pelas ruas como um exército de contadores, advogados, funcionários públicos, bancários, donas de casa e outras ocupações opacas e bem diferentes do futuro luminoso que todos haviam sonhado. (...) Seus pensamentos foram interrompidos por um leve cutucão nas suas costas. Era um senhor mais interessado no arroz à grega do bandejão do que em devaneios sobre as ilusões perdidas da juventude de quem quer que seja. (...)"


"(...) Ninguém no grupo que ele e Bia integravam tinha lido o livro, mas alguém falou que conhecia uma pessoa que parece que tinha lido e dito que era racista, que o autor era um reacionário, de direita, conservador, coxinha, capitalista e fascista, como, aliás, eram todos os que pensavam diferente deles. O protesto consistia em invadir o local do debate, jogar uma cabeça de porco morto no sociólogo, impedir que ele falasse e expulsá-lo do evento, sem direito a dizer nada ou se defender daquilo que os que não o leram o acusavam (...) a maioria venceu e queria mesmo era cassar a palavra do sujeito, numa atitude que não era lá muito democrática e se assemelhava mais ao que fazia a juventude nazista de Hitler, o Comando de Caça aos Comunistas na ditadura militar ou os integralistas de Plínio Salgado no Estado Novo, do que com a ação de um grupo democrático e libertário que lutava pelo bem da sociedade, como eles afirmavam que eram (...) A verdade é que ali quase ninguém sabia nada sobre o tal escritor e sua obra, assim como não sabia quase nada sobre muitas das coisas sobre as quais protestavam veementemente, embora acreditassem veementemente que sabiam (...)"


"Na verdade, o supermercado era um recanto onde podia obter conforto para a sua eterna procura por um lugar onde o mundo fizesse algum sentido. Afinal, desde que se incutiu na cabeça das pessoas que o sentido da vida é consumir desesperadamente e sem maiores questionamentos, supermercados, shoppings e congêneres passaram a ser um dos poucos lugares onde a humanidade não tem dúvida sobre o seu papel no mundo, excetuando-se apenas o dilema que nos aflige quando, tal qual Hamlet segurando uma caveira e encarando seu momento 'Ser ou não ser?', temos que decidir, empunhando a máquina do cartão: 'Crédito ou débito?' Eis a questão."


"(...) Henrique não tinha cruzado a fronteira imaginária entre a vida adolescente e a vida adulta, aquele momento em que deixamos de ser jovens idealistas e começamos a nos transformar em velhos pragmáticos. Todos passam, ou deveriam passar, por esse momento. Até a geração de 68, que produziu uma revolução poética e política na França, lutou pela liberdade no Brasil e revolucionou a cultura e o comportamento no mundo todo, virou uma gente cínica, vazia e pragmática que assumiu o poder para repetir e aprofundar tudo o que eles mesmos combatiam no passado. (...)"


"O preparado era uma poderosa mistura de veneno de rato, arsênico e estricnina, guardado para ocasiões especiais como aquela. Tenório, braço direito e parceiro de longa data, já tinha ajudado seu chefe a dar cabo de alguns inconvenientes nesses anos que o Blue Moon está em funcionamento. Num rápido esforço de memória, enquanto localiza o bem guardado recipiente com o preparado, Tenório se lembra de um garçom ladrão, de um agiota que veio cobrar uma dívida impagável, de um cafetão que ameaçou quebrar o bar inteiro e de uma prostituta que chantageava seu chefe. Todos sorveram a mistura mortífera, uns na bebida e outros na comida. Atualmente alguns estão acondicionados, devidamente esquartejados e embalados, na pequena câmara frigorífica que fica nos fundos do estabelecimento, outros já foram consumidos em empadas e croquetes diversos."


"Não era a primeira vez que Mazinho cruzava com situações desse tipo. Viu muitos jogadores serem selecionados por olheiros, ganharem a posição no time titular, elogios de repórteres e comentaristas, subirem para o profissional ou renovarem contratos, mesmo sem apresentar um bom desempenho, apenas por aceitarem, alguns de bom grado e outros nem tanto, prestar serviços sexuais a treinadores, profissionais da imprensa esportiva, preparadores físicos e dirigentes pelo país afora. (...) Depois de algumas semanas resistindo às investidas de Machado, o empresário abriu o jogo e mostrou as travas da chuteira para o então jovem atleta: - Seguinte, meu filho. O mundo do futebol é assim. (...)"





Presentes no livro de contos Um certo mal-estar (Solisluna/2015), páginas 11, 32, 85-86, 94, 50 e 22, respectivamente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…