segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Catorze passagens do mestre Guy de Maupassant no livro As grandes paixões

Guy de Maupassant (foto daqui - interferida por Mirdad)


"Ordens gritadas por uma voz desconhecida e gutural subiam ao longo das casas que pareciam mortas e desertas, enquanto por trás das venezianas cerradas olhos espreitavam estes homens vitoriosos, donos, por 'direito de guerra', da cidade, das fortunas e das vidas. Em seus quartos escurecidos, os habitantes sentiam o desespero dos grandes cataclismos, as grandes convulsões terrestres, contra os quais eram inúteis a sabedoria e a força. Sensação idêntica reaparece cada vez que se subverte a ordem estabelecida das coisas, a segurança deixa de existir e tudo que era protegido pelas leis dos homens ou da natureza se encontra à mercê de uma brutalidade inconsciente e feroz. O terremoto que esmaga populações inteiras sob os escombros das casas; o rio que transborda e carrega camponeses afogados juntamente com cadáveres de bois e traves arrancadas dos tetos; ou o exército glorioso dizimando aqueles que se defendem, aprisionando os restantes, pilhando em nome da espada e agradecendo a Deus ao som dos canhões – são os flagelos terríveis que abalam a crença na justiça eterna e a confiança incutida na proteção do céu e a razão humana."
Presente aqui | Foto daqui


Contos As irmãs Rondoli, Horla (versão definitiva), A vingança
Horla (primeira versão), A patroa e História de uma rapariga de granja
Foto daqui


"(...) diante da cerveja espumosa, trazida pelo garçom apressado, sentimo-nos tão abominavelmente solitários que uma espécie de loucura se apodera de nós, uma ânsia de partir, de ir para outro lugar, não importa onde, para sair dali, diante daquela mesa de mármore sob o lustre brilhante. Percebemos de súbito que estamos de verdade e sempre e por toda a parte sozinhos no mundo, mas que nos lugares conhecidos o convívio familiar proporciona apenas a ilusão da fraternidade humana. Nestas horas de abandono, de isolamento nas cidades longínquas é que pensamos com largueza, clareza e profundidade. É então que abarcamos a vida num só olhar, fora da ótica da esperança eterna, fora da enganação dos hábitos adquiridos e da expectativa da felicidade sempre sonhada."


"O povo é um rebanho imbecil, ora estupidamente paciente, ora ferozmente revoltado. Dizem-lhe: 'Divirta-se' e ele vai se divertir. Dizem-lhe: 'Brigue com o vizinho' e ele vai brigar. Dizem-lhe: 'Vote no imperador' e ele vota no imperador. Depois lhe dizem: 'Vote pela república' e ele vota pela república (...) Aqueles que dirigem o povo também são uns tolos. Mas, em vez de obedecer a homens, obedecem a princípios que só podem ser ingênuos, estéreis e falsos, pelo simples motivo de que são princípios, isto é, ideias reputadas certas e imutáveis, neste mundo em que não se está seguro de nada, pois a luz é ilusão e o ruído outra ilusão."


"De onde vêm estas influências misteriosas que transformam nossa felicidade em desânimo e nossa confiança em angústia? Parece que o ar, o ar invisível, está cheio de Forças desconhecidas de que sentimos a vizinhança misteriosa (...) Tudo o que nos cerca, tudo o que vemos sem olhar, tudo o que tocamos sem apalpar, tudo o que encontramos sem distinguir, tem sobre nós, sobre nossos órgãos e, por intermédio deles, sobre nossas ideias, sobre nosso próprio coração, efeitos súbitos, surpreendentes e inexplicáveis (...) Como é profundo o mistério do Invisível. Não podemos sondá-lo com nossos míseros sentidos, com nossos olhos que nem sabem perceber nem o muito pequeno nem o muito grande, nem o muito perto nem o muito afastado, nem os habitantes de uma estrela nem os habitantes de uma gota d'água..."


"(...) Quando um homem é bastante louco para propor a uma mulher casar-se com ele em primeiro lugar e se tornar sua amante depois, isto prova que ele a ama (...) ELA - Ah! Não vamos confundir. Casar-se com uma mulher prova amor ou desejo, mas tomá-la como amante só prova... desprezo. No casamento, aceitam-se todos os encargos, todas as dificuldades e todas as responsabilidades do amor. No segundo caso, deixa-se todo o ônus ao legítimo proprietário e fica-se apenas com o prazer, com a faculdade de desaparecer no dia em que a pessoa deixar de agradar (...) ELE - Minha cara amiga, você raciocina mal. Quando se ama uma mulher, não se deveria casar com ela, porque ao se casar fica-se seguro de que ela o enganará como você fez comigo. A prova está aí. Enquanto isto, é indispensável que uma amante permaneça fiel ao amante com todo o encarniçamento com que ela se põe a enganar o marido (...) Se um homem deseja que se crie uma ligação indissolúvel com uma mulher, faça-a casar-se com outro. O casamento é um fio que se pode cortar à vontade. Torne-se amante daquela mulher: o amor livre é uma corrente que não se rompe."


"(...) nosso olho, senhores, é um órgão tão elementar que mal pode distinguir o que é indispensável à nossa existência. Aquilo que é pequenino ou grande lhe escapa. Ele ignora bilhões de animaizinhos que vivem numa gota d'água. Ignora os habitantes, as plantas e o solo das estrelas vizinhas. Não vê mesmo o transparente (...) O homem não vê os corpos sólidos e transparentes que existem em todos os lugares. Não vê o ar de que nos alimentamos, não vê o vento que é a maior força da natureza, que derruba os homens, abate edifícios, desenraíza as árvores, levanta o mar em montanhas d'água que abatem falésias de granito (...) Não é nada espantoso que o homem não possa perceber um corpo novo, a quem falta sem dúvida a única propriedade de deter os raios luminosos."


"(...) Trata-se de uma das coisas encantadoras da vida - aquela simpatia física instantânea nascida de um encontro, leve e delicada sedução que se sente ao roçar uma pessoa nascida para nos agradar ou para ser amada pela gente. Amada pouco ou muito, o que importa? Está em nossa natureza corresponder ao secreto desejo de amor. Desde a primeira vez que se percebe aquele rosto, a boca, os cabelos o sorriso, sente-se que a sedução nos penetra com uma alegria doce e deliciosa, uma espécie de bem-estar, e o despertar repentino de uma ternura ainda confusa impele na direção daquela mulher desconhecida. Parece que ela possui um apelo a que se corresponde, uma atração que solicita, como se a conhecesse há muito e se soubesse o que ela pensa."


"Ela continuava imóvel, o olhar espantado, nem procurando entender, tanto suas ideias rodopiavam, como se pressentisse a aproximação de um grande perigo. Ele esperou um segundo e depois continuou:
- Uma granja sem patroa não pode continuar, mesmo com uma criada como você.
Calou-se, sem saber mais o que dizer. Rose o olhava com o ar espantado de uma pessoa que se acredita diante de um assassino e se prepara para fugir ao menor movimento dele.
Enfim, ao cabo de cinco minutos, ele perguntou:
- E então, não agrada você?
Ela respondeu com a fisionomia triste:
- O quê, patrão?
- Mas se casar comigo, por Deus!"
Presentes aqui


Contos Mosca, Bola de sebo, Dois amigos e A pensão Tellier
Foto daqui


"Eu era um empregado sem vintém. Agora sou um homem bem-sucedido que pode jogar fora enormes quantias pelo capricho de um segundo. Tinha no coração mil desejos modestos e irrealizáveis que douravam minha existência com todas as expectativas imaginárias. Hoje não sei, na verdade, que tipo de fantasia poderia me fazer levantar da poltrona onde dormito (...) Minha grande, única, absorvente paixão, durante dez anos, foi o Sena. Ah! O belo, calmo, variado e malcheiroso rio cheio de miragem e de imundícies (...) Como outros têm recordações de noites de amor, eu tenho lembranças do nascer do Sol nas brumas matinais, flutuantes, vapores errantes, brancos como mortos antes da aurora (...) Tenho recordações da Lua que prateava a água trêmula e corrente, com um luar que fazia florescer todos os sonhos. Tudo aquilo, símbolo da eterna ilusão, nascia para mim da água infecta que carreava para o mar todas as sujeiras de Paris."


"O ódio ao estrangeiro sempre arma alguns valentes dispostos a morrer por uma ideia."


"Num certo sábado, eis que Um-Olho-Só trouxe uma criaturinha esguia, viva, saltitante, cheia de gabolice e muito engraçada - daquela graça que alimenta os gaiatos de ambos os sexos nas ruas de Paris. Era gentil, não bonita, um esboço de mulher em que havia de tudo, uma daquelas silhuetas que os desenhistas esboçam em três traços num guardanapo de café após o jantar, entre um copo de aguardente e um cigarro. A natureza faz destas coisas às vezes."


"- É preciso ser idiota para se matar desta maneira!
O senhor Sauvage acrescentou:
- São piores do que animais.
Morissot, que acabara de pegar uma mugem, declarou:
- E dizer que será sempre assim enquanto houver governos.
O senhor Sauvage o deteve:
- A república não teria declarado a guerra...
Morissot o interrompeu:
- Com os reis, temos a guerra fora de casa. Com a república, temos a guerra dentro."


"As senhoras sobretudo encontravam rodeios delicados, sutilezas encantadoras de expressão, para dizer as coisas mais escabrosas. Um estranho nada teria compreendido, tanto eram as precauções usadas na linguagem. Mas a leve camada de pudor de que toda mulher de sociedade é dotada só cobria a superfície, e assim elas se expandiam nesta aventura licenciosa, divertindo-se, no fundo, loucamente, sentindo-se em seu elemento, especulando sobre o amor com a sensualidade de um cozinheiro glutão que prepara o jantar para outro."


"Rosa la Rosse, uma bolinha de carne, toda barriga, com pernas minúsculas, cantava da manhã à noite, com uma voz rouca, canções ora licenciosas, ora sentimentais. Contava histórias intermináveis e insignificantes, só parava de falar para comer e só parava de comer para falar, mexia-se sem descanso, viva como um esquilo apesar da gordura e exiguidade das pernas. Seu riso, uma cascata de gritos agudos, eclodia sem cessar, aqui, ali, num quarto, no sótão, no café, por toda a parte, a propósito de nada."

Presentes aqui

Nenhum comentário: