Pular para o conteúdo principal

15 anos do primeiro ensaio com banda em estúdio

Emmanuel Mirdad em cima do prédio onde
morava no Parque Júlio César em 1999,
com a guitarra Lílian

Ontem, quinze anos atrás, entrei em um estúdio para ensaiar com banda completa pela primeira vez. Era um sábado, 7 de agosto de 1999. Acordei bem cedo, comi o meu cuscuz e desci rumo ao Nel Center, que ficava na pracinha do obelisco duvidoso, no coração do Parque Júlio César. Fiquei esperando Ednei aparecer para abrir o estúdio. Sete e quarenta da matina, chegou o primeiro músico, que estacionou o Gol e se apresentou como Beef (o apelido da época do guitarrista e compositor Juracy do Amor). Tinha sido indicado como um bom músico pelo amigo Erivaldo Dantas.

Nunca nos vimos antes. A identificação surgiu pelo horário e local marcado. Ele estranhou aquele rapaz alto, com cara de guri, de sandália, bermuda e um óculos de nerd extreme. Ficou apreensivo se o pessoal iria ensaiar mesmo naquele horário surreal, das 8h às 10h de um sábado. Poser e marrento, Beef deu uma olhada no caderno com as minhas músicas e comentou que as letras eram diferentes do padrão do mercado e que por isso eram legais – dito num comentário seco, sem nenhuma finalidade de aproximação.

Juracy do Amor em 2011
Foto: Maira Lins/Comunika Press

O baterista Rafael Fraga chegou num Uno. Também não conhecia ninguém e se apresentou capotando de sono – foi indicado por Luís Buba, um brother da malhação. Silêncio estranho, de gente esquisita. Eu, fã de Legião Urbana, batizei a guiga com o horrível nome de Pássaros Urbanos. E não era propriamente uma guiga: para mim, era uma banda, com todo mundo investindo para tocar as minhas músicas. Ingênuo.

O baixista Itã Teodoro foi o último a chegar, num esforço de acordar muito cedo e ter de pegar dois ônibus. Era o único que eu já conhecia pessoalmente e que aguardava a montagem da banda após diversas tentativas frustradas. Será que agora ia rolar?

Só que Ednei, o dono do estúdio, demorou para aparecer. Longos minutos de um silêncio horroroso. Ninguém se conhecia, tirando eu e o baixista, mas como ele estava caladão, o clima ficou angustiante. Ninguém conversava nada sobre nenhum assunto. Que diabos de afinidade poderia surgir dali? Como é que aqueles três caras embarcaram num esquema bizarro de ensaiar músicas desconhecidas, com músicos que nunca haviam visto ou ouvido falar, em pleno sábado de manhã bem cedo? Fiquei com medo de alguém desistir. Ednei chegou, com aquela conversinha de sempre.

Rafael Fraga em 2012
Foto: Lorena Vinturini

Dentro do estúdio, todos a postos, apresentei as músicas. Beef tomou iniciativa, assumiu a direção musical e coordenou a criação dos arranjos, optando por ensaiar apenas duas músicas (o que foi uma frustração grande para a minha agonia de querer ensaiar tudo e deixar o repertório tinindo para gravar e fazer show).

Investimos em "A Prova Enferma" uma hora e meia com a criação, concepção e execução final do que seria a sua primeira versão, e "A Seta" ficou pronta na meia hora restante. Eu? Eufórico na veia, lóki de felicidade, cantando, finalmente, numa banda completa, em estúdio – devo ter desafinado um absurdo, dublê de cantor como sempre fui. Era um sonho de três anos se concretizando, caralho!

Terminado o ensaio, nos reunirmos para acertos. Beef tomou a palavra, esclarecendo que não podia perder tempo com qualquer coisinha; tinha que entrar dinheiro logo. Propus, então, para sermos mais comerciais, focar no mercado, ensaiar para gravar um disco e fazer shows. Itã e Rafael concordaram e nos despedimos com o planejamento de ensaios de cordas antes de voltarmos ao estúdio.

Itã Teodoro em 2011
Foto: Internet

Foi a primeira e única vez do Pássaros Urbanos. Rafael e Itã desistiram logo depois, coloquei Beef na geladeira por um tempo até ressurgir com uma nova proposta de duo, o Pássaros de Libra, que ele topou e acabou gravando a voz e guitarras num demo, "O Primeiro Equilíbrio", com André Magalhães nos arranjos MIDI – finalizado em 2000. Nesse demo, "A Prova Enferma" e "A Seta" foram gravadas (a última pode ser ouvida aqui). O duo acabou logo depois, e em agosto de 2000, comecei um novo projeto, o poema laranja.

Desse sábado, 07 de agosto de 1999, restou-me a sensação espetacular que é materializar um desejo. E o final de semana deste sábado há 15 anos continuou leve, bobo, feliz. Agora que havia provado, queria mais, muito mais. E, nos anos a seguir, foram mais de cem ensaios com a minha banda definitiva The Orange Poem, entre 2001 e 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d