Pular para o conteúdo principal

Mirdad e a pedradura nas plataformas digitais


Depois do som psicodélico-progressivo da Orange Poem, agora é a vez do bolo doido de Mirdad e a pedradura ser lançado nas plataformas digitais nesta sexta, 03 de setembro.

Rock, groove, MPB, jazz, bossa, reggae, blues, pop, psicodelia e experimentalismo, com o molho dos solos do naipe de sopro, e os versos com polêmica, sarcasmo e acidez. O álbum “la sangre” é o único registro disponível com Emmanuel Mirdad no vocal, depois que largou a voz da Orange Poem, e as canções são em português.

Clique aqui e faça o seu pré-save.

Formada em Salvador da Bahia em 2007, justamente na virada da geração 00, que ainda tinha o rock e os seus subgêneros como unidade musical, para a geração 10, que trouxe a diversidade para o foco da música alternativa, a Pedradura apresentou uma fusão de rock com um escambau de ritmos. Mirdad (voz e violão) montou a banda com músicos que não se conheciam: Edu Marquéz (bateria), Artur Paranhos (baixo) e Eric Gomes (guitarra), acrescidos pelo naipe Medina (trompete), Gilmar Chaves (trombone) e Eric Almeida (saxofone).

Em pé: Eric Gomes, Mirdad e o percussionista Marquinhos Black. Embaixo: Artur Paranhos e Edu Marquéz na gravação em 09-09-2007

O projeto era registrar um álbum, antes de fazer shows. Assim, dos ensaios direto à gravação, nasceu o álbum “Universo Telecoteco” (2008), produzido por Emmanuel Mirdad, que não chegou nem a ser lançado; assim que ficou pronto, foi para a gaveta, porque a banda acabou. Depois, o produtor disponibilizou as músicas no YouTube e Soundcloud.

Enquanto gravava a Pedradura no Submarino Studios em Salvador-BA, com Tito Menezes e André Magalhães, Mirdad produziu o seu primeiro trabalho solo, o EP “ID” (a energia dos instintos em busca da realização do princípio do prazer), com cinco composições suas, reunindo a cozinha da Orange Poem (o baterista Hosano Lima Jr. e o baixista Artur Paranhos) e o guitarrista Eric Gomes, da Pedradura. Assim como o outro disco, o EP só foi lançado virtualmente.

Mais de dez anos se passaram, e agora esses dois trabalhos são reunidos no álbum “la sangre”, assinado como Mirdad e a pedradura. São 12 músicas, quase todas de Emmanuel Mirdad (exceto “Canção da Despedida”, de Rodrigo Damati, com participação no piano de André Magalhães), com destaque para o duelo entre o crente e o ateu em “Armadilha”, as relações lascivas entre os jornalistas e os artistas moderninhos em “Danilo na Ceia das Hienas”, o blues nordestino “O Milagre” (composto para Zé Ramalho cantar) e o groove blues etéreo “El’eu”, com pitada de faroeste surf music (ficou entre as 50 selecionadas do V Festival de Música Educadora FM, com participação de Tadeu Mascarenhas, Marcus Zanom e Ildegardo Rosa).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav