Pular para o conteúdo principal

Orange Poem nas plataformas digitais


Pense que num mesmo disco de rock você pode encontrar as vozes de Glauber Guimarães (ex-Dead Billies), Teago Oliveira (Maglore), Nancy Viégas (Radiola) e Mauro Pithon (ex-Úteros em Fúria), e que apresenta a sensível voz folk de Rodrigo Pinheiro (Mulher Barbada). E que, por mais inacreditável que pareça, tem a ilustre presença da voz de floresta, ancestral, do mestre septuagenário Mateus Aleluia (ex-Os Tincoãs), um dos mais importantes e referenciais artistas da música afrobaiana. Que disco é esse?

Trata-se do autointitulado álbum da banda de rock progressivo & blues psicodélico Orange Poem, de Salvador, Bahia, que será lançado nas plataformas digitais na próxima sexta, 30 de julho. Produzido pelo compositor, escritor e produtor Emmanuel Mirdad, criador e coordenador da festa literária Flica, o álbum foi gravado pelo experiente Tadeu Mascarenhas, do estúdio Casa das Máquinas, responsável por vários discos da nova música baiana, uma referência no mercado.

Clique aqui e faça o seu pré-save.

As 18 canções do álbum “Orange Poem” são quase todas de Emmanuel Mirdad. As letras são poemas em inglês, que tratam da condição humana, indagações, conflitos do íntimo, transcendências, angústias, revelações e relações espirituais, com algumas homenagens a ícones como Pink Floyd,  Raul Seixas, Clarice Lispector e Salvador Dalí.

A banda Orange Poem

ORANGE POEM

Formada em 2001 por Emmanuel Mirdad (voz e violão 12 cordas), Marcus Zanom (guitarra), Hosano Lima Jr. (bateria), Artur Paranhos (baixo) e Saint (guitarra), a Orange Poem apresentou a sua singular sonoridade baseada no psicodélico rock progressivo em inglês, misturado ao blues, folk, groove e hard rock setentista. Pertencente à geração 00 do rock baiano, de bandas cantando em inglês como The Honkers e Plane of Mine, a Orange Poem fez shows no circuito alternativo de Salvador, gravou dois discos em 2005 e 2006 (no Casa das Máquinas por Tadeu Mascarenhas), e terminou as suas atividades em 2007

Sete anos depois, o produtor Emmanuel Mirdad, descontente com os vocais que gravou, selecionou 18 músicas desses discos para serem repaginadas com novas vozes, instrumentos (Tadeu Mascarenhas e as suas teclas foram incorporados à banda) e mixagem, e as lançou virtualmente no formato EP, com três músicas cada, ao longo de 2014, no YouTube e SoundCloud da Orange Poem: “EP Ground”, com Glauber Guimarães, “EP Unquiet”, com Rodrigo Pinheiro, “EP Wide”, com Nancy Viégas, “EP Balance”, com Mauro Pithon, “EP Ancient”, com Mateus Aleluia, e “EP Crowd”, com Teago Oliveira. A banda não voltou para fazer shows, e o material ficou disponível na internet.

YouTube da Orange Poem

SUCESSO NO YOUTUBE

Outros sete anos se passaram, e nesse pandêmico 2021, os números impressionam: mais de 390 mil views no canal da Orange Poem no YouTube (acesse aqui), milhares de downloads e players no SoundCloud (acesse aqui), sem nenhum impulsionamento, shows, videoclipes ou investimento em divulgação e publicidade. Mirdad avalia: “Tudo no boca-boca, uma gratíssima surpresa!”.

Para celebrar o legado dessas canções, o produtor decidiu compilar as 18 músicas no álbum “Orange Poem” e disponibilizá-lo nas plataformas digitais (a capa traz uma foto do turco Meriç Dağlı). “Nesses últimos anos, as pessoas tinham acesso às músicas, muito por conta do EP com meu pai e Mateus Aleluia, e cobravam para ouvi-las no Spotify”, explica Mirdad.

Muito desse sucesso “póstumo” da Orange Poem é graças à única faixa em português, em que o poeta Ildegardo Rosa recita um compilado de poemas, com a base psicodélica da laranja e os vocalizes do gigante Mateus Aleluia. “Illusion’s Wanderer” (ironicamente o título é em inglês) é a campeã dos acessos, com mais de 240 mil views.

Poeta Ildegardo Rosa (1931-2011)

ANCESTRODÉLICO

O convidado mais especial das regravações do poema laranja tem a voz aveludada, forte, de floresta e ancestral. “Um presentão!”, sintetiza Mirdad. Trata-se do septuagenário cantor e compositor Mateus Aleluia (ex-Os Tincoãs), um dos mais importantes e referenciais artistas da música afrobaiana, que encontrou o som progressivo e psicodélico da Orange Poem e inaugurou, de primeira mão, o som “ancestrodélico”.

“Encontrei Seu Mateus gravando umas músicas no estúdio de Tadeu e depois de uma boa conversa, sugeri que gravasse umas canções laranjas, pois a psicodelia é transcendental, assim como a voz do mestre cachoeirano. Para minha surpresa, ele topou, depois de ouvir o som e achar interessante, gostar das letras. Foi inacreditável ele aceitar assim tão de boa, na maior tranquilidade. Fiquei impressionado, é uma honra imensa para mim e para a banda”, ressalta o produtor.

Foi a primeira vez que Mateus Aleluia gravou um blues: o épico “Cuts”, com destaque para os belos solos do guitarrista Marcus Zanom, fã dos Tincoãs. “Um dos motivos que fizeram Seu Mateus topar o desafio de cantar em inglês e num som psicodélico foi a afinidade com o sentimento dos solos de Zanom. Um grande encontro!” (veja aqui um depoimento de Mateus para Zanom).

Zanom trocou a guitarra pela sanfona etérea, com delay, pela primeira e única vez na banda ao gravar na música-poema “Illusion’s Wanderer”, que é uma ode ao despertar do homem, com a voz nordestina do poeta e filósofo Ildegardo Rosa (1931-2011), o Mestre Dedé, recitando em português um compilado de 14 poemas seus elaborado pelo filho Emmanuel Mirdad, compositor da harmonia. Mateus Aleluia, que sempre teve uma ligação muito forte com a poesia, com a elaboração das palavras no melhor do verbo para propagar uma mensagem, se identificou com o trabalho filosófico-poético do Mestre Dedé, apresentou o poeta e fez vários vocalizes na parte épica-progressiva de “Illusion’s Wanderer”.

“A experiência da gravação foi sobrenatural. Seu Mateus é um ancestral, que tem uma multidão de guias que ilumina os caminhos por onde ele trilha. E essa faixa proporcionou o encontro de dois caboclos. Propus para Seu Mateus gravar vocalizes espirituais enquanto meu pai recitava seus bardos metafísicos e a fusão ficou de outra dimensão, dois seres da mata e todos seus guias num encontro além da matéria, perpetuado pelo som”, viaja Mirdad.

Com a potente voz de floresta, grave de chão-terra e agudo de folhas-vento, Mateus Aleluia gravou também “Clouds, Dreams”, sobre um ser que ajoelha o ego e se confunde entre o bem e o mal, guiado por uma fé enigmática. Etérea progressão de tom menor para maior, a canção é construída pela combinação de vários vocais entoados como um cântico espiritualista, violão 12 cordas, riffs e slides psicodélicos.

Os vocalistas nas sessões de gravação do álbum em 2013 e 2014

HOMENAGEM AO ROCK BAIANO

Orange Poem” reúne grandes vozes do rock baiano num mesmo álbum. O cantor e compositor Glauber Guimarães (ex-Dead Billies e atual Teclas Pretas), com a sua voz de facão e timbre peculiar, gravou o blues “Rain”, a estradeira “Farewell Song” e a mãe da Orange Poem, a psicodélica “Last Fly”.

A cantora, compositora, produtora e múltipla artista Nancy Viégas (atual Radiola e ex-Crac! e Nancyta e os Grazzers), considerada uma das divas do rock baiano (ao lado de Pitty e Rebeca Matta), topou o desafio de gravar num tom bem mais grave que o seu e mandou ver na interpretação do blues “Wideness” e da psicodélica “Lost Mails”, e da única música composta até então pela banda, o groove rock progressivo “Shining”. 

Completando a tríade sagrada do rock baiano feito desde os anos 1990, o cantor Mauro Pithon (ex-Úteros em Fúria e Bestiário), dono de uma voz furiosa, potente e rasgada, gravou as músicas da face pesada do poema laranja: o hino de taverna alemã “Child’s Knife”, a metaleira “The Green Bee” e a parceria entre Mirdad e Saint, o hard rock estradeiro “One and Three”.

Da nova geração do rock baiano, o cantor e compositor Teago Oliveira, da banda Maglore (radicada em São Paulo há anos), um dos principais nomes em atividade no país, gravou a piano progressiva “8/8/88”, a psicodélica épica “Melissa” e a experimental progressiva-psicodélica nervosa “Dubious Question”, uma homenagem a músicas do Pink Floyd com vocal de motosserra a la Motörhead. Além de Teago, também gravou no álbum “Orange Poem” o cantor Rodrigo Pinheiro (Mulher Barbada e ex-Besouros do Sertão), que interpretou com a sua voz folk a bela canção psicodélica “The Unquietness”, a estradeira progressiva “Neither Gods, Nor Devils” e “Homage”, que traz uma homenagem ao grande Raul Seixas.

“Para que ter um vocalista fixo? O primeiro, por exemplo, comprometeu as músicas e merecia ter sido demitido”, Mirdad comenta ironicamente, pois foi ele mesmo quem gravou a voz original das músicas. Complementa: “Como produtor, estou satisfeito e realizado em ter gravado com vocalistas que admiro muito! E fico muito feliz que agora temos o disco nas plataformas, a Orange Poem mais uma vez no mundo. Quem sabe a gente não volta para fazer uma live?”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav