terça-feira, 19 de agosto de 2014

Composições de Mirdad: Illusion's Wanderer - The Orange Poem


Uma ode ao despertar do homem, com a voz do poeta e filósofo Ildegardo Rosa (1931-2011), o Mestre Dedé, recitando em português uma compilação de catorze poemas seus elaborada pelo filho Emmanuel Mirdad, compositor da harmonia. Pela primeira vez na Orange Poem, além da língua pátria ao invés do inglês, a faixa apresenta Zanom na sanfona psicodélica ao invés da guitarra. O cantor e compositor Mateus Aleluia apresenta o poeta Mestre Dedé e faz vários vocalizes na parte épica-progressiva da música. Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poem aqui.




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Illusion's Wanderer
(Ildegardo Rosa / Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00016

Para que direção corre o curso da vida? Para cima, para baixo, para um lado, para o outro, para frente ou para trás? Ou corre para lugar nenhum? Então, observe apenas, não interrompa e nem interfira. Deixe-o simplesmente correr, não importa para onde. O que importa é estar nele, é ser ele mesmo, pois esse é o nosso destino, a nossa eterna condição. Não te arremesses no amanhã, no que desejas vir a ser, nem te agarres no passado, no que já foi e não voltará; são meras fugas e ilusões. O que tu tens de concreto e não importa o que te aconteças é este instante; não tentes escapar dele, viva-o com plenitude e coragem. Esgote-o! Ele é a tua única realidade, mesmo que nada seja real.

Por que se agarrar à vida? Agarrar-se à vida é perdê-la. A vida é um processo. É um fluxo eterno. É um estar indo, não importa para onde, mesmo se for para lugar nenhum. Vá com a vida. Deixa de olhar para o teu umbigo como se fosse o centro do mundo. O teu destino pessoal não tens a mínima importância, pois tu és apenas um fenômeno passageiro e ilusório, uma emanação do que és, sempre foste, e sempre serás: a eterna existência. Desperta, homem! Aí então saberás que esta eternidade és tu mesmo e tudo mais que existe. Não penses que o mundo gira em torno de ti! Quão pequenina e fugaz é a tua megalomania dentro da Natureza. Enquanto estiveres cheio das tuas coisas, tesouros, paixões, posses, desejos, sofrimentos, deuses e ilusões, enfim, do teu próprio ego que carregas em vão, tu estarás no NADA, no sem sentido, na ilusão.

Corri como um louco em busca da felicidade e trouxe apenas as mãos vazias pendentes de ilusões. Caminhei então, devagar, em busca do meu próprio destino e hoje trago as mãos cheias carregadas de vida. Me aconteci, me manifestei, me existi. Sou um ser que está fora. Para fora estão os meus olhos que percebem as ilusões do mundo. De fora entra o ar que respiro e mantém o meu alento. Lá fora é que estão o céu e o inferno, os santos e os demônios, os que me envolvem de amor e os que me sufocam de tanto ódio. Como então posso retornar para dentro? Desde o princípio que nunca principiou, pois sempre foi, é e será, eu sou. Não há caminho a se percorrer, algum Deus a se buscar ou iluminação a se alcançar. Tudo já está pronto como sempre esteve. Apenas abra os olhos porque então o desmistério acontece, se revela o que era irrevelado, face à minha ignorância, minhas perdições, meus pecados, minhas ilusões! Desde o princípio eu sou.

Porque não existe nem o dentro, nem o fora, apenas o ser aqui e agora. De que estão se busca sentido? Eu venho de lugar nenhum e vou para nenhum lugar.

Agora deixarei o mistério acontecer por si mesmo e se auto desvelar a cada instante por toda a eternidade. Agora relaxarei profundamente e cessarei essa tentativa ansiosa, desesperada e sofrida de querer desvelar o mistério e tudo ser em vão. Agora viverei a vida que está presente e que a cada instante acontece e desacontece, não importando seu destino e sua razão de ser.

Não olhes para o alto em busca de soluções porque o alto é apenas uma distância vazia e inexpressiva. Não olhes para a esquerda ou para a direita porque são apenas posições relativas. Não olhes para trás, pois apenas entortarás a cabeça em busca de um passado que não retorna jamais. Não olhes para frente, pois seguirás em vão tua estrada sem rumo e sem destino que te conduzirás à morte. Olhe então para dentro de ti, pois ai estará a solução. De que? Só tu saberás!

Eu sei (ou quase sei) que estou lá ou aqui – pouco importa. O mundo é uma ilusão.


Faixa 03 - EP Ancient (2014) | Composta por Ildegardo Rosa e Emmanuel Mirdad | Produzida por Emmanuel Mirdad | Participação especial: Ildegardo Rosa (in memoriam) - voz | Mateus Aleluia - backing vocal | Zanom - sanfona | Mirdad - violão 12 cordas e backing vocal | Fábio Vilas-Boas - guitarra | Hosano Lima Jr. - bateria | Artur Paranhos - baixo | "Illusion's Wanderer" contém fragmentos de catorze poemas de Ildegardo Rosa, montados por Emmanuel Mirdad | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas, Salvador-BA | Encarte: Glauber Guimarães


Cifra digitalizada da primeira página da canção "Illusion's Wanderer"


Cifra digitalizada da segunda página da canção "Illusion's Wanderer"


Letra formada por trechos de 14 poemas de Ildegardo Rosa, produzidos em 1957, 1958, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997 e 1998.

Melodia composta por Emmanuel Mirdad em 17/07/2002.

Poemas que formam a letra de "Illusion's Wanderer":

"O Curso da Vida" (02/04/1994) / "O Escapista" (03/12/1998) / "A Vida" (28/06/1994) / "O Egoísta" (08/10/1995) / "Do Existencial" (28/08/1957) / "O Tudo e o Nada" (14/09/1996) / "Solução" (13/12/1958) / "O Retorno ao Reino de Deus" (02/12/1998) / "Desde o Princípio Eu Sou" (18/09/1996) / "O Enigma" (02/02/1993) / "O Sentido" (28/10/1997) / "Onipresente" (14/08/1993) / "A Não Solução" (14/10/1997) / "Eu Sei... e Não Sei" (05/09/1993).

Nenhum comentário: