Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Bombay Groovy

Bombay Groovy (2014) - Bombay Groovy




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site da banda:

"
No verão de 2012, Daniel Costa, músico que fez participações como sitarista para diversos músicos importantes da cena psicodélica nacional, resolveu rumar para o contrabaixo. Nesse ínterim, conheceu Rodrigo Bourganos, jovem multi-instrumentista que havia tomado aulas de sitar indiano, aqui no Brasil, com seu mesmo mestre. Após uma tarde repleta de música na casa de Daniel, nasceu a ideia da banda Bombay Groovy, que começou a se concretizar pouco tempo depois com a chegada do baterista Leo Costa, experiente no rock progressivo e psicodélico. A afinidade do baterista com as percussões étnicas também incrementaram muito o estilo peculiar e visceral do grupo. A presença constante do sitar é um elemento decisivo para o som da banda, e revela a presença resoluta da música oriental. Rodrigo Bourganos, que também teve aulas no Oriente com o Guru Chandranath Battacharya, toca o instrumento em pé, como se fosse uma guitarra elétrica, transgredindo dogmas da cultura indiana ao abandonar a postura de lótus que aprendeu no Oriente com seu guru.

No entanto, ainda sentiam falta de um instrumento harmônico que pudesse tanto propiciar diversos climas e sinestesias quanto soar como um guitarrista enquanto o sitar se encarregava das “vozes”. A resposta era clara – um órgão Hammond. Foi assim que Daniel Costa resolveu convidar Jimmy Pappon, pianista prodígio que havia tocado no consagrado tributo ao Frank Zappa, “Central Scrutinizer”, para assumir o posto do hammond, seu instrumento principal.

A Bombay Groovy desrespeita fronteiras e reelabora, com vigor, rigor e personalidade um novo conceito de rock com base em uma renovada aliança entre Oriente e Ocidente. A formação instrumental inusitada do grupo, com o som metálico do sitar indiano; o timbre encorpado e versátil do órgão Hammond; e a nervosa “cozinha”, revela uma banda repleta de psicodelia, exotismo - e muito groove.

Com o time formado, um EP e um clipe já gravados, a banda se prepara para lançar seu primeiro disco homônimo contendo dez faixas que passam por diversos gêneros musicais, fortemente inspiradas no fusion de Ananda Shankar e bandas como Led Zeppelin. O disco “Bombay Groovy” é uma experimentação sonora que dispensa os elementos vocais e verbais, substituídos por linhas consistentes de baixo, vôos inventivos e virtuosos de órgão, melodias transcendentais de sitar e percussão pesada como uma locomotiva, flertando com diversos gêneros de música étnica e popular, em uma mistura singular.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…