Pular para o conteúdo principal

15 anos do primeiro ensaio com banda em estúdio

Emmanuel Mirdad em cima de um prédio no Parque Júlio César em 1999 com a guitarra Lílian


Ontem, quinze anos atrás, entrei em um estúdio para ensaiar com banda completa pela primeira vez. Era um sábado, 7 de agosto de 1999. Acordei bem cedo, comi meu cuscuz e desci rumo ao Nel Center, que ficava na pracinha do obelisco duvidoso, no coração do Parque Júlio César. Fiquei esperando Ednei chegar para abrir o estúdio. Sete e quarenta da matina, chegou o primeiro músico, que estacionou o Gol e se apresentou como Beef (o apelido da época do guitarrista e compositor Juracy do Amor). Tinha sido indicado como um bom músico pelo amigo Erivaldo Dantas.

Nunca tínhamos se visto antes. A identificação veio pelo horário e local marcado. Ele estranhou aquele rapaz alto com cara de guri, de sandália, bermuda e um óculos de nerd extreme. Ficou apreensivo se o pessoal iria ensaiar mesmo naquele horário surreal, das 8h às 10h de um sábado. Poser e marrento, Beef deu uma olhada no caderno com minhas músicas e comentou que as letras eram diferentes do padrão do mercado e que por isso eram legais - dito num comentário seco, sem nenhuma finalidade de aproximação.


Juracy do Amor em 2011 - Foto: Maira Lins/Comunika Press


O baterista Rafael Fraga chegou num Uno. Também não conhecia ninguém e se apresentou capotando de sono - foi indicado por Luís Buba, um brother da malhação. Silêncio estranho, de gente esquisita. Eu, fã de Legião Urbana, batizei a guiga com o horrível nome de Pássaros Urbanos. E não era propriamente uma guiga: pra mim, era uma banda, como todo mundo investindo pra tocar minhas músicas. Ingênuo.

O baixista Itã Teodoro foi o último a chegar, num esforço de acordar muito cedo e ter de pegar dois ônibus. Era o único que eu já conhecia pessoalmente e que aguardava a montagem da banda após diversas tentativas frustradas. Será que agora ia rolar?

Só que Ednei, o dono do estúdio, demorou pra aparecer. Longos minutos de um silêncio horroroso. Ninguém se conhecia, tirando eu e o baixista, mas como ele estava caladão, o clima ficou angustiante. Ninguém conversava nada sobre nenhum assunto. Que diabos de afinidade poderia surgir dali? E que diabos fez aqueles três caras embarcarem nesse esquema bizarro de ensaiar músicas desconhecidas, com músicos que nunca tinham visto ou ouvido falar, em pleno sábado de manhã bem cedo? Fiquei com medo de alguém desistir. Ednei chegou com aquela conversinha de sempre.


Rafael Fraga em 2012 - Foto: Lorena Vinturini


Dentro do estúdio, todos a postos, apresentei as músicas. Beef tomou iniciativa, assumiu a direção musical e coordenou a criação dos arranjos, optando por ensaiar apenas duas músicas (o que foi uma frustração grande para a minha agonia de querer ensaiar tudo e deixar o repertório tinindo pra gravar e fazer show).

Investimos em "A Prova Enferma" uma hora e meia com a criação, concepção e execução final do que seria a sua primeira versão, e "A Seta" ficou pronta na meia hora restante. Eu? Eufórico na veia, lóki de felicidade, cantando, finalmente, numa banda completa, em estúdio - devo ter desafinado pra caralho, dublê de cantor como sempre fui. Era um sonho de três anos se concretizando, caralho!

Terminado o ensaio, nos reunirmos para acertos. Beef tomou a palavra, esclarecendo que não podia perder tempo com qualquer coisinha; tinha que entrar dinheiro logo. Propus então para sermos mais comerciais, focar no mercado, ensaiar pra gravar um disco e fazer shows. Itã e Rafael concordaram e nos despedimos com o planejamento de ensaios de cordas antes de voltarem ao estúdio.


Itã Teodoro em 2011 - Foto: Internet


Foi a primeira e única vez do Pássaros Urbanos. Rafael e Itã desistiram logo depois, coloquei Beef na geladeira por um tempo até ressurgir com uma nova proposta de duo, o Pássaros de Libra, que ele topou e acabou gravando a voz e guitarras num demo, "O Primeiro Equilíbrio", com André Magalhães nos arranjos MIDI - finalizado em 2000. Nesse demo, "A Prova Enferma" e "A Seta" foram gravadas (a última pode ser ouvida aqui). O duo acabou logo depois e em agosto de 2000 comecei um novo projeto, o poema laranja.

Desse sábado, 07 de agosto de 1999, restou-me a sensação espetacular que é materializar um desejo. E o final de semana deste sábado há 15 anos continuou leve, bobo, feliz. Agora que tinha provado, queria mais, muito mais. E, nos anos a seguir, foram mais de cem ensaios com a minha banda definitiva The Orange Poem, entre 2001 e 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…