Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: Mafuá – Pedradura


Composta no dia de São João em 2007, é uma canção farpa de apresentação do trabalho crítico da Pedradura e que tem uma das mensagens prediletas de Emmanuel Mirdad. Influenciado pela sonoridade da fase moderna de Caetano Veloso, o poeta laranja escreve uma pancada contra o racismo, auto-afirmando a raça humana em seu diagnóstico, pois "a cor de pele é só um mero detalhe genético", a identidade "é um bagunçaço estrambólico" e "no fim, qualquer um escorre num fio vermelho de sangue". Os arranjos de metais foram feitos por Mirdad e seu amigo Gabriel Franco, músico formado na Ufba. Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo.


Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui


Mafuá
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-08-00008

Eu sou negro, eu sou branco, eu não sou preto
Eu sou pardo, amarelo, multicor
Nordestino, litorâneo, de São Salvador
Glocalizado, sertãopolita, provocador

Auto-afirmo a raça humana em meu diagnóstico
A cor de pele é só um mero detalhe genético
A minha identidade é um bagunçaço estrambólico
Ajaiô, anarriê, bundalelê

No fim, qualquer um escorre num fio vermelho de sangue

Eu toco samba-rock, faço groove e danço xote
Psicodelia em carnaval, miscigenado caos
Incorporo tendências, transito em simbiose
Multifacetado delírio tropical

O que me incomoda é o padronizar da casca
Branco, negro, pardo, e você, é o quê?
Tem certeza de que é isso mesmo?
É preciso suprir as reais carências...

No fim, qualquer um escorre num fio vermelho de sangue


Faixa 04 - Pedradura - Universo Telecoteco (2008) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Mirdad - voz e violão | Eric Gomes - guitarra | Artur Paranhos - baixo | Edu Marquéz - bateria | Marcelo Medina - trompete | Gilmar Chaves - trombone | Eric Almeida - saxofone | Arranjo sopro: Emmanuel Mirdad e Gabriel Franco | Improvisação sopro: Marcelo Medina, Gilmar Chaves e Eric Almeida | Gravado e mixado por Tito Menezes, e masterizado por André Magalhães no Submarino Studios em Salvador/BA em 2007 e 2008 | Arte encarte: Emmanuel Mirdad sobre traço de Minêu


Composta por Emmanuel Mirdad em 24/06/2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…