Pular para o conteúdo principal

Dez passagens de Chris Fuscaldo no livro Discobiografia Legionária


          “Renato Russo era democrático: na banda, todos tinham que opinar e qualquer decisão devia ser tomada em conjunto. O vocalista era a cabeça pensante da Legião Urbana, mas os demais integrantes carregavam o mesmo grau de importância, dentro ou fora do estúdio, lembra José Emílio [Rondeau]: ‘Ele sabia quando o Bonfá não ia gostar, sugeria que falasse com o Dado, dizia que seria o Negrete quem responderia tal coisa. O Renato delegava’.
          Dado era sério e responsável, e Bonfá não tinha medo de dizer ‘não’ quando algo não lhe agradava ou ia contra os interesses da banda. ‘Eu era mais velho e estava na defensiva, querendo fazer valer minha autoridade de produtor. Fiz muita besteira por causa disso. E acabei brigando muito com o Bonfá. Mas depois nos desculpamos um com o outro’, conta Rondeau.”


          “O processo de composição da Legião Urbana era ‘inusitado’, como define Mayrton Bahia: ‘Era comum eles chegarem com a linha de baixo e a bateria prontas, mas sem melodia alguma. Às vezes, vinham com esboços e trabalhavam lentamente em cima daquilo. E às vezes iam rápido demais. Tive que esquecer muito do que sabia para trabalhar com a banda.’ As ideias, na maioria das vezes, chegavam soltas ao estúdio. Fragmentos que podiam ser a primeira, a segunda ou qualquer outra parte da música viravam um drama, porque o importante era montar uma melodia inteira.
          ‘Renato [Russo] escrevia uma letra livremente, tentando manter o ritmo e a métrica. Aí, ele pegava aquilo e cantava por cima da base instrumental já feita. A melodia ia surgindo num processo totalmente diferente do que eu estava acostumado’, comenta Mayrton.
          Dessa forma, apareceram, pouco a pouco, ‘Fábrica’, ‘Quase sem Querer’... Esta última ganhou de presente sobras de músicas. Parece proposital, mas o bandolim e alguns trechos finais foram colados ao que já tinha sido gravado.”


          “Renato Russo não sabia beber. Saía do estúdio para ir ao bar da esquina, porque muitas vezes não segurava a onda sóbrio. ‘Havia dias em que ele saía para comprar conhaque e alguém tinha que ir lá resgatá-lo’, lembra Jorge Davidson, que também se mantinha sempre preocupado com ‘seus’ meninos. Na época das gravações do primeiro álbum da Legião Urbana, Renato chegou a ser encontrado por funcionários da EMI-Odeon deitado com os mendigos na frente do prédio da gravadora: empolgado e/ou amedrontado com a iminência de ficar famoso, o vocalista comprou comida e bebida e ofereceu àqueles homens que moravam na rua. Inspirado no polêmico disco Beggars Banquet, dos Rolling Stones, que teve a capa (um banheiro público todo pichado) censurada, o solidário Russo promoveu um verdadeiro ‘banquete para os mendigos’.”


          “‘Índios’ foi a última a acontecer. Com uma letra muito maior do que a ‘levada’, que já estava pronta, Renato Russo não conseguia encaixar as palavras na melodia. Tentou cantar, primeiro. Na segunda tentativa, começou a recitar: ‘Quem me dera ao menos uma vez...’ Mas ainda assim as palavras não couberam. Mayrton Bahia e Amaro Moço tentaram mais de dez vezes, e tudo ia sendo gravado. O vocalista se desesperou: ‘Isso não dá! Essa letra não deu e não vai dar.’ Produtor e técnico voltaram aos recortes e às colagens, trabalho que aprenderam a fazer na época do primeiro disco e que, com a Legião Urbana, se tornou recurso constante.
          Em ‘Índios’, o mantra é feito através do teclado. Então, a gente usa o padrão da repetição e, em cima disso, trabalha o arranjo, a harmonia das linhas vocais e o diálogo entre os instrumentos’, comentou Renato. ‘Por causa da estrada, a gente aprendeu a tocar um pouco melhor. Duas notas era legal, mas a gente já sabe tocar oito notas agora.’
          A guitarra de Dado não teve vez em ‘Índios’: ‘Caberia a guitarra, mas a música já estava muito preenchida com os teclados’. A segunda versão, na qual Renato Russo recitou, foi a que ficou. Para terminar, Dado colocou o violão e um sintetizador foi usado para fazer o barulho de vento.”


          “Há imperfeições na gravação de ‘Faroeste Caboclo’, admite o produtor. O quarteto demorou a conseguir tocar a base inteira de uma vez só, sem errar. Com Renato no violão, uma hora saiu. Mas Bonfá deixou escapar um toque na caixa que não deveria entrar na melodia. ‘Foi um erro na única base que eles conseguiram fazer do início ao fim. Como já estavam muito cansados, sugeri aproveitarmos a caixa. Eu botaria um efeito de eco e iria parecer que era uma coisa de cenário, como um filme. A música tem uma história, então, olhar com esse conceito de filme foi o que nos fez conseguir preservar o som bruto da banda e ter o acabamento fonográfico’, conta o produtor.
          Ao perceber o sucesso que ‘Faroeste Caboclo’ vinha fazendo, as rádios não arriscaram perder a chance de emplacar mais um hit em sua programação e editaram a saga de João do Santo Cristo, camuflando os trechos que a Censura havia considerado mais apimentados. ‘Foi uma surpresa muito grande tocar ‘Faroeste’ no rádio. A permanência, o público é que explica’, disse Dado, já em maio de 1988, ao jornal O Globo.”


          “Um dia, ‘Pais e Filhos’ nasceu. Mas com detalhes demais. ‘Eram várias camadas de guitarra e muitos sons que sobravam. Pareciam várias músicas dentro de uma só. Voltei ao esquema de cortar e colar pedaços e peguei o que tinha de melhor em cada canal’, conta Mayrton. O mesmo aconteceu com ‘Monte Castelo’, que foi pivô de um atrito entre o produtor e Renato Russo.
          O vocalista da Legião Urbana misturou trechos da Bíblia com pedaços de poesias de Luís de Camões enquanto escrevia a letra. Durante as gravações, vários violões e um teclado com som de acordeom serviram como base para que ele tentasse cantar. ‘Rolou uma dificuldade de achar a linha melódica e ele foi gravando em vários canais. A letra estava caótica, e a base, um pandemônio’, lembra o produtor. Dado e sua esposa, Fernanda, saíram do estúdio apavorados depois de lerem o texto, manuscrito num papel em cima da mesa.
          O problema foi resolvido na mixagem, mas não antes de uma discussão. Mayrton tentava mixar de uma maneira, e Renato dizia: ‘Não é nada disso.’ O produtor testava outro jeito, e o vocalista não aprovava. Horas e horas de trabalho depois, Renato meteu a mão na mesa e desligou o som. Chateado, Mayrton subiu na cadeira e ameaçou: ‘Vou terminar este disco, queira você ou não, com você ou sozinho. Se quiser ficar aqui, fica quieto.’ O cantor não deu mais um pio até o fim daquele trabalho e, depois, declarou ter gostado do resultado final. ‘Quando coloquei a música pronta para o Dado ouvir, ele começou a chorar’, entrega Mayrton.”


          “‘O que a gente quis passar para o V era um tédio e um marasmo. Aquele disco foi feito lento de propósito’, disse Renato Russo em entrevista a Zeca Camargo para a MTV, em 1993. Antes, o músico desabafou com o repórter: ‘Eles estão fazendo com que o Brasil seja um país de assassinos. É garoto de 15 anos sendo morto pelas costas, pela polícia. É menininha de 15 anos sendo estuprada. É essa porrada na cabeça o tempo todo... Se eu falo de coisas boas, parece uma coisa irreal. Eu acho que hoje em dia os jovens estão sendo massacrados, a situação está péssima e a gente não sabe mais para onde ir. As pessoas não têm mais senso de civilidade e respeito. Para sobreviver, você tem que ter uma rede de amigos. Eu, graças a Deus, tenho isso no trabalho. Não vejo muito o Dado e o Bonfá, mas a gente faz cachorro-quente. Domingo, teve churrasco e todo mundo levou as crianças. Amigo é para se divertir.’”


          “A capa do disco passa a leveza do momento, com Dado de caçador empunhando um bandolim, Bonfá de camponês e Renato de cavaleiro medieval segurando um ramalhete de flores. Os três posaram num campo florido montado especialmente para a foto de Flávio Colker. Houve apenas um contratempo: no dia da sessão, Dado foi assaltado em frente ao estúdio. Levaram o carro e o bandolim, que teve que ser substituído por outro. A mesma inspiração rendeu o florido clipe de ‘Perfeição’, o único com superprodução e o último da banda. ‘Era para ser um lugar meio idílico, meio fantasia, um lugar lindo. E assim... Era o redescobrimento do que éramos’, conta Dado.”


          “Reginaldo Ferreira, o fã que virou roadie da Legião Urbana, exerceu um papel importante durante as sessões de mixagem de A Tempestade: o de pombo-correio. Reginaldo levava ao apartamento de Renato as fitas entregues por Dado. O vocalista as escutava e mandava de volta pelo roadie. Só que, assim como muita gente, o fã não sabia que Renato era portador do vírus HIV. ‘Ele falava que estava em depressão. Ele usava a expressão ‘depressão química’. Um dia, cheguei na casa do Renato e vi ele todo entubado, com enfermeiros em volta. Achei estranho, mas ele disse que estava bem. A partir daquele dia, fiquei grilado’, diz Reginaldo.
          Jorge Davidson, o homem que levou a Legião Urbana para a EMI-Odeon, foi convidado por Renato a fazer uma visita ao apartamento da rua Nascimento Silva, em Ipanema, assim que A Tempestade ficou pronto. O cantor queria saber a opinião do ex-diretor artístico da sua gravadora, que já trabalhava na Sony Music. Jorge sugeriu que o amigo regravasse as vozes, mas Renato foi enfático. ‘Ele disse que era problema do Dado e que tinha Pro Tools. Eu disse que ele não era cantor de Pro Tools, que era o maior do Brasil, e ele desconversou. Minha ficha foi caindo... Saí de lá, liguei para o Rafael para saber se estava tudo bem. Ele pediu para que eu não falasse nada a ninguém sobre o que tinha acontecido na casa do Renato’, conta Jorge.”


          “Falecido em 2004, Tom Capone — na verdade Luís Antônio Ferreira Gonçalves — nasceu em Brasília, em 1966. Foi guitarrista da Peter Perfeito, banda contratada da RockIt!, selo de Dado. No Rio de Janeiro, iniciou sua carreira de produtor, tornando-se um dos mais bem-sucedidos nomes do mercado fonográfico brasileiro. Trabalhou em discos de Gilberto Gil, Lenine, Raimundos e Maria Rita, e fez parte da produção de Uma Outra Estação. Apesar de seu nome não constar nos créditos de A Tempestade, ele ajudou Dado durante o processo de gravação do disco. Então, comandou a ‘arrumação’ do álbum seguinte, lançado após a morte de Renato Russo, e assinou a coprodução ao lado do guitarrista. Na época, Capone era diretor do AR Estúdios.
          ‘Entrei nesses projetos para dar uma força para o Dado. Tanto que no Tempestade não tem os meus créditos, pois eu só produzi as guitarras, apesar de estar ligado em tudo que eles estavam fazendo. Aí, quando o Renato morreu, o Dado me chamou para fazermos o outro disco’, contou Capone ao site tantofaz.net em 2000.
          A guitarra, o violão e até a percussão de Capone estão em Uma Outra Estação (...)”


Chris Fuscaldo (foto: Tatynne Lauria)

Presentes no livro “Discobiografia Legionária” (Leya, 2016), de Chris Fuscaldo, páginas 25, 37, 38, 39, 50-51, 62, 73, 84-85, 93-94, 102-103, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav