Pular para o conteúdo principal

Livro Mestre Dedé – O andarilho da ilusão (2017), de Ildegardo Rosa

Mestre Dedé – O andarilho da ilusão
(Mondrongo, 2017)
Ildegardo Rosa

Sessenta anos atrás, o poeta sagra: “Eu queria ser vento e me fizeram pedra”. É o emblema da sua trajetória, a busca por ser um vento “liberto, alegre, que a todos conhece”, que “não tem preconceito” e “bisbilhota, canta, geme, chora e ri com os povos do mundo”, pois “traduz liberdade”, a escapar pelas frestas dos enquadramentos da matéria, que o forjam a ser “pedra grande, pesada, sem ânimo”, a virar concreto e monumento, “sendo escalada, mas sempre parada”. Um libertário a contestar os limites, um contestador a projetar soluções para superar o óbvio, um solucionador inspirado pela plena liberdade, para além da tirania das formas. Ildegardo Rosa, o Mestre Dedé.

Materializado em 22 de outubro de 1931, último dia de Libra, na cidade de Campos (atual Tobias Barreto), em Sergipe, fronteira com o nordeste da Bahia, quinto filho da forte Josepha com o inventor Joaquim, neto do coronel José Rosa — que dizem que inventou o sobrenome Rosa por gosto, e tragicamente morreu no naufrágio do Iate Itacaré (1939), em Ilhéus, junto com as economias da família (iria comprar fazendas de cacau) —, formou-se em Direito e Filosofia, teve diversos trabalhos, de açougueiro a ilustrado mestre cooperativista, Petrobras, Furnas e Uneb, foi menino que amava andar nu como índio, pai de duas filhas e um filho, avô de dois casais de netos, galante sedutor dançarino, honrado marido da musicista baiana Martha Anísia, 50 anos de amor e cumplicidade. Bem que tentaram, mas a pedra “chutada, pisada, cuspida, rolando... rolando... no sem fim das estradas” não foi capaz de conter o vento “forte, doido, tufão violento, revolucionário”, a soprar e gargalhar.

Mestre Dedé — O andarilho da ilusão é uma antologia com 130 poemas de Ildegardo Rosa, abrangendo diversas fases da sua lavra: versos de amor, sociais, memorialistas e de expurgo das dores, com destaque para os seus poemas filosóficos e espirituais — as lições do Mestre Dedé, que morreu em 2011, aos 80 anos, no dia de Santa Luzia. “Eu sei (ou quase sei) que estou lá ou aqui — pouco importa”. Afinal, o mundo é uma ilusão.

Emmanuel Rosa*
Escritor e filho

*Mirdad assinou o texto da orelha com o sobrenome Rosa para homenagear o pai


Texto de Ildegardo Rosa na abertura do livro. Ele o escreveu quando era vivo, mas o livro acabou só sendo publicado quase dez anos depois.

--------

Amostra com 25 poemas





















Comparação é o mais antigo do livro. Ildegardo o escreveu com apenas 20 anos.





A ironia deste poema é que, depois de cremado, as cinzas de Ildegardo foram jogadas na Baía de Todos os Santos, ou seja, foi morar no palácio encantado, lá no fundo do mar, junto a Janaína.




Presentes no livro Mestre Dedé – O andarilho da ilusão (Mondrongo, 2017), de Ildegardo Rosa, páginas 13, 14, 15, 17, 19, 38-39, 21, 29, 72, 20, 18, 22, 23, 40, 56, 52, 62, 86, 122, 140, 26, 92, 45, 91 e 69, respectivamente.



--------

Posfácio do livro por Martha Anísia, esposa de Ildegardo



O lançamento do livro póstumo aconteceu no dia 18 de maio de 2017, na Confraria do França, Rio Vermelho, Salvador-BA. Fotos do evento aqui

O livro custa R$ 30,00 (+frete). Pedidos: marthanisia@hotmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…