Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Edra Moraes no livro Para ler enquanto escolhe feijão

Edra Moraes - Foto: Anderson Coelho

Não sou musa, sou poeta
Edra Moraes

Musas são diáfanas, acariciam como a seda,
Leves como uma pena ao vento

Eu carrego em mim o peso de um bloco de mármore,
e rasgo a carne como o ferro

Musas caminham nas pontas dos dedos,
Admiram Sade, Foucault e Loyola

Eu caminho coxa arrastando este fantasma,
Todos eles me estudaram e nunca me entenderam

Musas têm bundas, seios e sorrisos fáceis
Eu não tenho corpo, sou bela como um vulcão

Musas caminham de mãos dadas ao teu lado
E despertam a inveja dos teus amigos

Eu caminho sozinha, mesmo na multidão
Eu uso minhas mãos para tirar as pedras do caminho

Musas estudam arte, cinema, música e poema
Eu vomito palavras, erro os acentos e troco pronomes

Musas nasceram para serem amadas
e eu, poeta que sou, nasci para amar
Amar a ti, aos pássaros e o cão morto na esquina

--------

12
Edra Moraes

não falem do meu amor
à boca pequena
ele é um grito, de tão alto

nunca foi ouvido

--------

Que idade eu tenho?
Edra Moraes

Que número é este que não me define?
Eu tenho a idade do meu pensamento

Criança, brilho de espanto e encantamento

Sou moça bonita, em labareda sem fim

Madura, cuido de um jardim que nunca vi

Velha, maga e bruxa, conto os fios brancos
Espero o descanso que deveria ser meu fim
Mas é só o começo do que está por vir

--------

Incomparável
Edra Moraes

compare-me a com a flor
serei forte e rude
compare-me com a pedra
serei leve e frágil
compare-me com a lua
serei quente e próxima
compare-me com a rua
serei aconchego e regaço
para chegar até mim
compare-me com o nada

--------

Desiderium ultimum
Edra Moraes

quero cremação e cinzas espalhadas
se os familiares não tiverem para tanto
que me fechem em um caixão, sem vidro
não quero o algodão das narinas
exposta assim para visitação
não gastem flores,
me forrem com poemas
que terei tempo na eternidade
para revisões críticas
ascendam uma vela para mim
e uma para os meus feitores
evitem cortejos longos
e desnecessários adeuses
pois é agora que permaneço

--------

"Deus me livre das pessoas leves
Que nada levam a sério
Que nada são além de guarnição
Para a cerveja e o churrasco
(...)
Deus me livre das pessoas frágeis
Que a culpa de suas dores são sempre do outro
(...)
Deus me livre das pessoas inocentes
Que servirão de escudo para os meus inimigos"


"Algumas pessoas perdem as chaves e se desesperam.
Eu perdi a mim e, por anos, me procurei em silêncio."


"tenho dó da palavra amar e seus derivados
usadas aqui e acolá por adolescentes a procura de sexo
ou velhos maduros em tédio.
tenho dó das palavras que como eu
estão fora do contexto"



Presentes no livro de poemas Para ler enquanto escolhe feijão (Atrito Arte, 2016), páginas 13, 70, 26, 17 e 48, respectivamente, além dos trechos dos poemas Poema oração (p. 27), Achados e perdidos (p. 60) e (p. 46), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor