Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: El'eu — Mirdad


Mistura braba de groove blues, com pitada de faroeste surf music e um refrão pop. A sequela é grata aos teclados de Tadeu Mascarenhas e à voz "espírito" de Ildegardo Rosa (1931-2011), pai do compositor, e às risadas macabras do cantor. É uma versão da melodia da canção "Madness", do repertório da Orange Poem (presente na gravação com os músicos laranjas Hosano, Zanom e Artur), que ficou tão boa que fez Emmanuel Mirdad descartar a original. O poema trata da dualidade do ser humano e a importância da pertença do mal, desde que seja dosado na medida em que se precisa, pois "é o que arrebata, arregaça e anoitece, o alimento que impulsiona o equilíbrio entre o caos e a abonança". A canção foi selecionada entre as 50 melhores do Festival de Música Educadora FM de 2007.



Não consegue visualizar o player? Ouça no YouTube aqui



Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui


El’eu
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-07-00012

O mal que há em mim
Não me deixa, não me trai
Não me fascina, mas se faz necessário

É o vigor, o que sustenta a cobiça
O que raciocina, interage e negocia
O que violenta e não desperdiça

(Refrão)
Há em mim um ele-eu
Além de mim, o mal e Deus
Há em mim a luz e o breu
Além de mim, só eu...

O mal que há em mim
É o disfarce volátil
Razão e método que mascaram o engano

É o que arrebata, arregaça e anoitece
O alimento que impulsiona o equilíbrio
Entre o caos e a abonança!

(Refrão)

O mal que há em mim
Tenta me convencer a ser o que for
Pra ter sempre o controle

Mas não consegue; o seu lugar é o subterrâneo
Subalterno, escondido e camuflado
Dosado na medida em que preciso

(Refrão)


Faixa 03 - Mirdad - EP ID (2008) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Mirdad - voz e violão 12 cordas | Hosano Lima Jr. - bateria | Artur Paranhos - baixo | Marcus Zanom - guitarra | Tadeu Mascarenhas - rhodes e arbon | Fabrício Mota - pandeiro | Participação Especial: Ildegardo Rosa recitando o poema de Mirdad | Gravado e Mixado por Tadeu Mascarenhas no estúdio Casa das Máquinas em Salvador/BA | Arte encarte: Emmanuel Mirdad


Composta por Emmanuel Mirdad em 06/06/2007.
A melodia é original da canção "Madness", de E. Mirdad, composta em 2001.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                          d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?

--------

Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho

--------

Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também

--------

Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se

--------

A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.

--------

"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como quem fica

Um …

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães)
Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “Hybrid” (2014), da banda baiana The Orange Poem. Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad, exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa, morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli, que corrigiu as imperfeições existentes.




Cortes
Tradução para Cuts
(Emmanuel Mirdad)

Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo.

Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico.

O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino que foi lentamente confundi…