Pular para o conteúdo principal

Ao mestre André Setaro, com carinho

André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Ao mestre André Setaro, com carinho
Por Emmanuel Mirdad, o espinheira, seu discípulo


Não sei se é possível continuar a chamar a Faculdade de Comunicação da Ufba de Facom sem o professor André Setaro. Tenho plena certeza que hoje enterramos a Facom junto ao mestre da contemplação. Que a partir de agora seja chamada de Faculdade de Jornalismo ou qualquer outro similar torto e imperfeito, mas que não seja utilizada mais a lendária nomenclatura Facom. Sinto muito, novos calouros, com a partida de Setaro, é impossível se formar novos faconianos. Acabou. A tragédia é essa. Não houve, nem nunca haverá, um professor como André Setaro. Mais que professor, mestre. Que tava se lixando pra isso.


Vítima de enfarto, faleceu ontem, 10 de julho, aos 63 anos em Salvador, Bahia. Com ele, perdemos uma biblioteca, vasta de prateleiras, assuntos diversos, com o bom humor pregado no teto rindo de imediato, debochado, cheio de sarcasmo, quando alguém puxava um livro e vibrava com o umbigo: "Veja bem... ". Se algum dia você visitou a biblioteca Setaro, aprendeu que é na descrição, na independência, no desprendimento que é possível o gênio.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


"Sonhei (e não sei por que cargas d'água) com Bell Marques. Acordei surdo" – André Setaro. O mestre da ironia escreveu assim em março deste ano: "Que será de mim, meu Deus!, d'agora em diante, sem os acordes melodiosos do Chiclete com banana? Resistirei à dolorosa perda?". Uma risada farta, no timbre rouco, e as baforadas a sair como de uma boca de dragão.


Em janeiro deste ano, citou Machado de Assis no seu Facebook: "Matamos o tempo, mas é ele que nos enterra". Para Setaro, o bruxo era "O MAIOR DE TODOS", pois "de longe, é o maior escritor brasileiro. Estilo admirável (qual escritor 'made in Brasil' tem um estilo tão absorvente?), ler Machado é compreender a extrema beleza da criação literária, Tenho a sua obra completa editada em três volumes pela Aguillar. Sempre que acabo de ler o terceiro, volto ao primeiro e, assim, 'ad infinitum'. Machado é a minha terapia". Quando alguém demonstrar, com propriedade evidente, que é fã de Machado, ou seja, que é um Machadiano, confie, pois costuma ser uma linhagem de mestres – como Hélio Pólvora, Nelson Rodrigues e tantos outros.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


André Setaro era um esteta, um admirador confesso da beleza feminina, especialmente sua musa Brigitte Bardot. Era um bon vivant, um dos poucos que sabiam beber e o álcool produzia mais sentidos ainda, ao invés de confundi-los. Um amante dos prazeres que não lhe eram vícios, e sim um estilo de vida, uma parte importante e indissociável de seu caráter revolucionário, contestador, anarquista. Uma figuraça, um sátiro da celebração, do bom papo, das risadas, do deboche. E, quando era preciso ser duro, era. Quando teve de se expor para pedir ajuda, fez da maneira honrada, sem vexame, sem exposição de fraqueza. Fez como um homem. Fez como um honrado cavalheiro que sempre foi.


André Setaro era um gentleman, um lapidador da palavra. Você podia vir com a excitação que fosse na pergunta, voz alta, nervoso, doido pra perguntar algo cabuloso pra esperar uma resposta polêmica ao extremo, e ele nunca alterava seu timbre de voz. Setaro era discreto, calmo, deixava o tempo respirar, transpassar seus pensamentos; promovia ausências entre as ânsias nossas por suas respostas. Seguia em suas baforadas, dava uma só palavra: "e...." e as milhões de reticências que diziam tudo antes que dissesse tudo.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Era o homem da precisão, do êxito da síntese, um Antonioni da existência. Seu raciocínio fluía devagar, nunca vinha de lá no sobressalto, na urgência, no fascínio babaca de aparecer. Nosso mestre era um cavalheiro, da boa-educação, e atirava-lhe na sua cara que não precisa ser um babaca correto pra ser um homem honrado. Pra mim, André Setaro era um tipo raro, esses sábios que inutilmente tentamos definir como "Buda Nagô". Muitos têm esse apreço por Dorival Caymmi, como Gilberto Gil cantou. Sim. Mas eu tenho mais por André Setaro.


O sarcástico ícone do deboche comentou assim em fevereiro: "Ainda continuo com o firme propósito de ir, quarta que vem, participar do quadro "Desaparecidos" do 'Ba/Tv' - Meio-Dia' da Tv Bahia, considerando que ainda não me encontrei. Estou em crise de identidade. Quem sou? Para onde vou? O que estou fazendo neste vale de lágrimas? Tenho fé na Polinter e na ajuda da apresentadora para que alguma alma caridosa possa finalmente me encontrar e me mostrar quem sou".


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


O grande jornalista, observador implacável da imprensa baiana, escreveu em janeiro deste ano: "Na reportagem de capa da Muito de domingo passado, no texto está citado 'Grande sertão: veredas', de Guimarães Rosa como um livro de Graciliano Ramos. A cultura literária dos jornalistas baianos parece ir de vento em popa".


Um mortal e sua paixão pela cerveja. Um cabra macho, íntegro, símbolo convicto guerreiro de suas convicções. Sem concessão. Sem passada de mão. Se é pra fumar e beber, que se danem os avisos, os pedidos, os alertas do perigo. Era a sua vida, era o seu estilo, era Setaro e fim. Bebeu e fumou até o fim. E morreu por isso. Mas quem não morre? André Setaro era homem de fato e mérito!


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Caso tenha visto a CBF em campo nessa horrenda exibição de 2014, deve ter-se enfurecido pela presença maciça dos filhinhos da mamãe que se dizem os homens de hoje em dia. Homem, pra mim, era André Setaro. Que gostava de beber e dizia foda-se ao sistema. Que sabia apreciar, respeitar e valorizar a beleza e os mistérios da mulher.


"Amada cerveja, que ajuda a mitigar as dores infinitas de minha existência; amada cerveja, que traz paz e tranquilidade ao interior agitado de meu ser distímico; amada cerveja, que me ajuda a ficar um pouco distante da onda 'on line' que assola os corações e mentes. No Porto da Barra, ao descer da noite, absorto em meus pensamentos, e buscando, nos arcanos de minha memória, uma razão para viver" – André Setaro, 23 de novembro de 2013.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Além do cinema, da crítica, do jornalismo, da ética, da coerência, da boemia, do sarcasmo, do humor, da literatura, da cultura, André Setaro era um mestre em dissolver as dissimulações dos homens e mulheres. Logo após o Natal do ano passado, escreveu em seu Facebook: "Infelizmente, a maioria das pessoas é oblíqua e dissimulada e, mesmo, hipócrita. Vê-se nitidamente que o Natal, hoje, é um festival de hipocrisias e de aparências, pois vivemos numa sociedade do TER e não do SER. O que importa o que você é para a maior parte das pessoas? Importa, sim, o que você TENHA. Vou m'embora para Passsargada. Lá, sou amigo do rei"


Em 2004, André Setaro condenou: "Lula é um traidor, porque ele traiu os princípios de sua campanha". Ferrenho crítico do PT, que votou em Lula em 2002 (assim como vários intelectuais, pensadores, professores, etc., que depois se sentiram traídos e passaram a criticar o governo petista – embora que este, na Bahia, na gestão cultural de Márcio Meirelles, financiou a publicação de sua trilogia em livro), ironicamente o seu último post no seu Facebook foi sobre política: "A julgar pela aparência, embora as aparências enganem, Rui Costa, candidato "in pectori" de Jaques Wagner, é uma mala sem alça".


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


O imperador da razão, a precisão do verbo, a eficiência da análise, o implacável humor, a enciclopédia da linguagem cinematográfica, o jornalista valioso, o crítico estilista, o cachaceiro figuraça, o boêmio ateu, o esganiçador das misérias humanas. Nosso mestre André Setaro, de tantas e tantas gerações faconianas, ETERNO!!!!


André Setaro foi o mestre que desanuviou minha ignorância e me apresentou o mestre maior do cinema: Federico Fellini. Até os confins do universo serei-lhe grato por isso! Bravo! Considero a primeira vez que o vi em sala de aula um divisor de águas em minha postura enquanto homem nesta vida Mirdad. Calouro, entro na sala com os colegas e todos se silenciam ao ver um senhor barbudo, de pernas cruzadas, em silêncio, tragando o seu cigarro até abarrotar os pulmões em plena sala de aula. Silêncio geral, atônitos todos. Eis que o senhor abre a boca, deixa escapar a fumaça e entre as baforadas de um caboclo, começa, pausadamente, com sua voz rouca: "Ahhh.... linguageemmmmm.... cinema----toGRÁficaaa..... ". Mudou o mundo, mudou tudo.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Em dezembro de 2011, perdi meu mestre maior, o melhor amigo, a multidão dos mais especiais de minha vida, que foi meu pai, o poeta e filósofo Ildegardo Rosa. Essa dor imensa de uma ausência irreparável está de volta, agora com o falecimento do mestre André Setaro, que foi meu amigo e que cultivávamos uma admiração recíproca. Perdi o mais importante professor que tive, que me ensinou tanto, mas tanto, que ficaria quase esnobe expor por aqui – o que ele nunca faria, discreto e humilde como sempre foi.


Chamava-me de "espinheira" (porque eu assinava as resenhas da aula como "humilde espinho") e me caçoava porque eu fui o único que não gostou de "O homem que matou o facínora". Cobrava-me para que assistisse de novo. Ficamos de marcar de assistir juntos este ano. Não deu. Gentilmente escreveu o prefácio de meu livro de poemas, "Nostalgia da Lama" (leia aqui). Por causa da saúde, lamentou que não pode ir ao lançamento. No sábado seguinte a este, fiz questão de levar seu livro autografado. Mais uma tristeza: não pode me receber; fiquei no playground mesmo. Sua esposa entregou o livro pra ele. No dia seguinte, oito de junho, por mensagem inbox, respondeu: "Recebi seu livro com a bela dedicatória ... Na minha estrada da vida, os espinhos atormentam-me. De seu admirador - André Setaro". Não pude mais encontrá-lo.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)


Um pouco antes das 13h de uma quinta-feira, 10 de julho de 2014, perco o meu maior professor, um grande mestre. Eu não faria o que fiz e nem o que farei ainda sem os seus ensinamentos. Comparando por importância em minha vida, mesmo sem a presença constante do dia a dia e nem a afetividade da proximidade na rotina, digo, com clareza, que perdi um pai pra mim. Meu segundo pai, pois mestre de tanto como foi pra mim, é como se. Como se uma porra, foi, com toda certeza. Um pai. Outro que se vai. Este, diferente do outro, afirmava-se jocosamente de ateu. Mas digo com convicção: está na luz. Tem mérito. Fez muito bem a sua parte. E é muita luz que te desejo. Muito obrigado, André Setaro! Do seu legado não me esquecerei jamais. Descanse em paz.

|||||

André Setaro (reprodução do seu Facebook)


A DESPEDIDA

Encontrei os amigos faconianos Mara, Daniel, Roberto e Lucas no velório do mestre André Setaro. Além deles, um faconiano da nova geração, humildemente em reverência plena ao professor de todos nós. Surpreendeu-me a presença da nova diretora da Faculdade de Comunicação da Ufba, a jornalista e professora Suzana Barbosa, que ficou conosco noite adentro, em que celebramos diversas lembranças engraçadas e antológicas do carioca que nos fascinou. Meia-noite chegou e eu, Roberto e Lucas deixamos nosso mestre na solidão de uma porta trancada.

Quinze para as nove desta sexta, 11 de julho, voltei à sala 8 do Cemitério Campo Santo, no bairro da Federação, em Salvador-BA. Surpresa: porta fechada, como ontem deixamos. Reabri e fui atrás de uma coroa de flores ao menos. Pois havia uma, encomendada pela Faculdade de Comunicação - que viria a ser a mais bela da cerimônia. Assinei e enfeitei o lugar do mestre. E esperei as pessoas.

Muita gente veio se despedir de André Setaro. O cinema baiano presente, o jornalismo, diversos professores, funcionários e alunos de várias gerações da Facom, o grande companheiro de boemia Romenil Silva. Amigos de longa data, vizinhos, imprensa. Descobri o irmão de Setaro, João, e sua esposa e filhos. Como discípulo do mestre, coloquei-me à disposição. Acompanhei-o pra autorizar a abertura da campa da família.

E chegou gente. O corredor ficou cheio. Um enterro de um grande homem, admirado, reverenciado. No relógio, onze horas e nada do cemitério vir buscar o caixão. André Setaro, coberto de flores, tinha uma feição tranquila, serena, e até mesmo irônica, lembrando um sorriso, algo do Quincas Berro D'Água. Pois não poderia deixar passar do além; aprontou.

O horário do sepultamento chegou, mas a guia não foi entregue. O professor Fernando Conceição a catar o responsável, que informou o inesperado: o sistema do cartório tinha caído. Atraso. Pessoas foram embora. E foram ficando os setarianos deste acaso. A diretora Suzana sempre atenciosa, presente, honrando o mérito do mestre diante da Faculdade que, nesta cerimônia, não falhou com ele, valorizando sua partida. Reunimos os queridos do professor. Palavras de carinho, como da professora Vera Martins e do cineasta Roque Araújo. Carregamos o caixão pesado de Setaro. Caminhamos em silêncio, não muito, pois a tumba era próxima. E ele aprontou de novo.

O caixão era maior que a cova. Os coveiros tentaram uma, duas, três vezes. Começamos a ironizar. A voz de Setaro passeava com o vento: "Vocês não vão me enterrar, hahaha". Arrumei um jeito e pedi aos fumantes presentes que acendessem seus cigarros em homenagem ao mestre. Fizeram, vários faconianos e alguns amigos. E o caixão finalmente foi colocado, mas não na horizontal, e sim em contra-plongée. Aplausos e gritos de Bravo! Bravo! Setaro!

The End.


André Setaro (reprodução do seu Facebook)



Penúltimo diálogo que tive com Setaro


Último diálogo com Setaro
















Comentários

André Setaro disse…
Obrigada pela homenagem, Mirdad. O dia que você esteve aqui, o rapaz da portaria me disse seu nome, eu não entendi, e transmiti a André que estava deitado, triste e cabisbaixo. Não conheço ninguém chamado Lilá, ele disse. Eu desci, ao voltar entreguei o livro. Ele ficou muito alterado porque queria muito falar com você. Eu desci de novo, mas você já tinha ido embora. Teria esse encontro mudado tudo? Ele estaria ainda conosco, ainda que por poucos meses, porque ele nunca abandonaria o cigarro, a cerveja, e já definhava de forma visível. Via o fim próximo. A última coisa que me disse antes de partir foi: "Não posso ficar aqui (no hospital). Amanhã tenho aula..." e fechou os olhos, como que a dormir. Não sentiu mais nada. Obrigada pela sua homenagem, estamos muito sentidas e comovidas, eu e filha Francesca - um abraço - Irene

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…