Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: Fantoche — Mirdad


Psicodelia progressiva, faz uma homenagem ao som da Orange Poem (com a presença de dois músicos laranjas, Artur e Hosano, e mais Emmanuel Mirdad) e ao pai filósofo e poeta do compositor, Ildegardo Rosa (1931-2011), o Mestre Dedé, que recita suas teorias sobre a ilusão. Com a cadência circense da bateria, o baixo hipnótico e mântrico e floreios etéreos de guitarra, o poema é irônico e provocador. A composição foi gravada no EP ID, primeiro trabalho solo de Mirdad, lançado em 2008.



Não consegue visualizar o player? Ouça no YouTube aqui



Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui


Fantoche
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-08-00003

Se a vida me fosse conto de fadas,
qual dos meus sapos daria o beijo de plástico?
Se a vida me fosse cinema de Hollywood,
que raciocínio escaparia de tal narrativa e estrutura imbecil?

Se a vida me fosse apocalipse,
a quem apontaria o dedo à besta da peste?
Se a vida me fosse sem Picasso,
quem teria outros traços a refletir
a podridão degenerativa da frágil forma humana?

Se a vida me fosse drogas e farras,
que relevância haveria em mais um suicida?
Se a vida me fosse dinheiro e poder,
que destino teria o meu ego,
ridicularizado pela fragilidade do preço de qualquer um?

Se a vida não fosse tão explicada,
o que seria de mim sem os alvos de minhas críticas inúteis
e necessárias apenas pra gastar a saliva que me sufoca?

Eu não tenho dúvidas de que
se a vida me fosse, eu seria porra nenhuma
e é por isso que canto e faço sexo
é pra fingir que controlo
a força que me domina e me faz de peão
another brick in the wall

Se a vida me fosse, eu seria porra nenhuma
O mundo é uma ilusão


Faixa 05 - Mirdad - EP ID (2008) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Mirdad - voz e violão 12 cordas | Eric Gomes - guitarra | Hosano Lima Jr. - bateria | Artur Paranhos - baixo | Participação Especial: Ildegardo Rosa lendo seus versos | Gravado e Mixado por Tito Menezes e Masterizado por André Magalhães no Submarino Studios em Salvador/BA | Arte encarte: Emmanuel Mirdad


Composta por Emmanuel Mirdad em 29/04/2007.

A harmonia é original da canção “A Song to You, My Home”, de Emmanuel Mirdad, composta em 2000.

A letra é uma versão bastante melhorada de “Metáfora” e “Desejo do Filho”, de Emmanuel Mirdad, compostas em 1999.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                          d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?

--------

Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho

--------

Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também

--------

Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se

--------

A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.

--------

"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como quem fica

Um …

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães)
Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “Hybrid” (2014), da banda baiana The Orange Poem. Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad, exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa, morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli, que corrigiu as imperfeições existentes.




Cortes
Tradução para Cuts
(Emmanuel Mirdad)

Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo.

Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico.

O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino que foi lentamente confundi…