Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad: Anos 1999 a 2003


Comecei a minha carreira de produtor cultural em Salvador, Bahia, em setembro de 1999, produzindo a gravação do álbum “O Primeiro Equilíbrio”, do projeto Pássaros de Libra (em 2014, divulguei apenas cinco músicas desse álbum no formato de um EP — ouça aqui).

Nos anos seguintes, produzi três shows, dois CDs demos e um DVD demo da minha banda de rock psicodélico progressivo The Orange Poem. Todas essas experiências foram empreendidas de forma totalmente punk, “faça você mesmo”, sem nenhuma qualificação prévia.



Gravação do CD
O Primeiro Equilíbrio
Pássaros de Libra

Dediquei boa parte do ano de 1999 tentando montar uma banda para tocar e gravar minhas composições. Foram vários fracassos até surgir a dica de gravar o álbum com um midiman (que gravaria todos os instrumentos, menos a guitarra, sampleando no teclado).

No dia 13 de setembro de 1999, acertei com André Magalhães a gravação do álbum “O Primeiro Equilíbrio”, processo que começou dez dias depois, a minha primeira experiência como produtor. Depois, formei um duo chamado Pássaros de Libra com o guitarrista e compositor Juracy do Amor, que acabou cantando no álbum. Mas bastou a gravação terminar, no primeiro semestre do ano 2000, que o projeto foi minguando até acabar no meio do mesmo ano, com o álbum indo para a gaveta.

Patrocinador – Meu bolso

Funções – Produtor executivo | Produtor musical

-----


Primeira fase da produção da banda
The Orange Poem

A partir de agosto de 2000, dediquei meu trabalho à construção da carreira da banda The Orange Poem. A primeira fase deste trabalho começou na elaboração do repertório e formação de banda em 2000; ensaios e gravação do 1º demo em 2001; ensaios, dois shows, gravação do 2º demo em 2002; ensaios, um show e gravação de um DVD demo em 2003.

Além de cantar na banda, eu era o seu produtor, que a partir de 2004, saquei que era preciso eu mesmo montar os shows, senão iríamos continuar completamente desconhecidos.

Patrocinador – The Orange Poem

Funções – Produtor executivo | Produtor musical

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"