Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: Repertório Pássaros de Libra


No segundo semestre de 1999, o produtor Emmanuel Mirdad começou a gravação do álbum "O Primeiro Equilíbrio", do duo Pássaros de Libra, formado por ele e o guitarrista e compositor Juracy do Amor, que foi improvisado como cantor no álbum. Nos arranjos e programações de samplers, o pianista André Magalhães, dono do estúdio Submarino e responsável pela gravação. A seguir, as cinco melhores composições do repertório dessa época:



Jungle-balada que reflete sobre o erro de lamentar a morte por muito tempo. No vocal, Juracy do Amor, e nos arranjos e programações, André Magalhães. A melodia foi baseada na canção "The Moon and The Julius", o título roubado do xaxado "Antes Tocava Gonzaga" (ambas de Emmanuel Mirdad), e a reinserção no repertório do álbum demo do Pássaros de Libra por sugestão de André (a gravação ocorreu entre 1999 e 2000 e foi a primeira experiência de Mirdad como produtor). Em 2014, ao divulgar as melhores músicas do disco engavetado, Mirdad eleva "Canção Adeus" ao posto de faixa 01, por considerá-la a melhor realizada, ironicamente o contrário para que a música foi composta.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Canção Adeus
(Emmanuel Mirdad)

Olhe para os lados
Todos estão chorando
Todos estão se despedindo
Todos estão dizendo adeus aos seus pais,
Amigos e queridos

A terra ou o fogo querem a lembrança do corpo,
E se você chora, e abandona à rotina,
É porque não respeita a vontade dos mortos,
Em querer que viva os segundos como anos,
Já que tudo que pulsa é tesouro e com o descanso
Os mortos já estão cheios de adeus

Seu pai lhe quer erguido e sábio
Sua mãe lhe pede amor aos que ficaram
Seus amigos sorriem nos retratos felizes
Das lembranças que não passam e sim se transformam
Numa nova chance nesta vida


Faixa 01 - Pássaros de Libra - EP O Primeiro Equilíbrio (2000) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Juracy do Amor - voz | André Magalhães - arranjos MIDI e programação de samplers | Faixa demo gravada por André Magalhães em 1999/2000 no Submarino Studios em Salvador/BA


Cifra original digitalizada da canção "Canção Adeus"


Composta por Emmanuel Mirdad em 07/12/1999.

--------


Considerada pelo compositor a sua melhor canção pop em português, foi gravada pelo Pássaros de Libra (duo com o músico Juracy do Amor, cantor e guitarrista) no ano 2000, a primeira experiência de Emmanuel Mirdad como produtor de álbuns. Oito anos depois, ganhou uma nova versão, mais lenta e com algumas pequenas modificações na letra, gravada no EP ID - embora a letra tenha ficado definitiva, o beat (criado por André Magalhães) da versão do Pássaros de Libra é muito melhor, por isso é preciso registrar uma terceira e definitiva versão, que una os arranjos e andamento da primeira, e a letra da segunda. Quem sabe algum dia? "Então, quando você volta?"




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Ouça a outra versão e conheça a história da canção aqui


Antiga Poesia (envelopes perdidos)
(Emmanuel Mirdad)

Eu tenho que trabalhar todos os dias
Eu tenho que agradecer com sinais
Eu tenho que fazer muitas coisas que não estão certas como são
Eu tenho que perguntar por você
Então, quando você volta?

E quando eu quero a justiça no meu caso,
percebo que todos vão embora
E quando eu quero a justiça no meu caso,
percebo que conheço essa velha história

Eu tenho que trabalhar todos os dias
Eu tenho que esquecer a chave no cinzeiro
Eu tenho que perder toda a manhã escrevendo poesias pra você?
Então, quando você volta?
Então, será que você volta?
Será que perderei os envelopes?

E quando eu quero a justiça no meu caso,
percebo que todos vão embora
E quando eu quero a justiça no meu caso,
percebo que conheço essa velha história


Faixa 02 - Pássaros de Libra - EP O Primeiro Equilíbrio (2000) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Juracy do Amor - voz, guitarras e arranjos de cordas | André Magalhães - arranjos MIDI e programação de samplers | Faixa demo gravada por André Magalhães em 1999/2000 no Submarino Studios em Salvador/BA


Cifra original digitalizada da canção "Antiga Poesia (envelopes perdidos)"


Composta por Emmanuel Mirdad em 03/12/1999.

--------


Segunda parceria do duo Pássaros de Libra, tem a melodia guitarreira influenciada pelo Barão Vermelho composta pelo guitarrista Juracy do Amor (que também cantou no álbum da dupla), e a letra escrita por Emmanuel Mirdad como uma homenagem aos colegas de ginásio do hoje extinto Colégio PhD e às amigas e irmãs Sara e Malu. É uma canção que trata das amizades perdidas pelo caminho. "Lá se foram meus amigos, uns não voltam, outros morrem, todos maltratam o meu amor, minha comunhão, entrega".




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Sem Toda Amizade, Sem Asas
(Emmanuel Mirdad / Juracy do Amor)

Lá se foram meus amigos
Uns não voltam, outros morrem
Todos maltratam o meu amor
Minha comunhão, entrega

Amei-os como mulheres da vida
Amei-os como virgens
De gozação com seus defeitos
De elogio com seus prazeres

Uns não esquecem, outros enlouquecem
Todos a mim padecem, escravo da saudade
O meu amor, meus beijos e apertos

Amigas e amigos que se vão e não ficam

Amei-os como lixo
Amei-os como fatos
De desprezo com seus cuidados
De recordações como retratos
Meus próprios retratos, nossos pavios de glória

Bomba, foram-se fragmentos um dia nossos
Hoje perdidos em passos inimigos, distantes...

Lá se foram “Eus” que nunca voltam, nunca mais...

O tempo machuca tanto!!!


Faixa 03 - Pássaros de Libra - EP O Primeiro Equilíbrio (2000) | Produzida por Emmanuel Mirdad | Melodia de Juracy do Amor e letra de Emmanuel Mirdad | Juracy do Amor - voz, guitarras e arranjos de cordas | André Magalhães - arranjos MIDI e programação de samplers | Faixa demo gravada por André Magalhães em 1999/2000 no Submarino Studios em Salvador/BA


Cifra original digitalizada da canção "Sem Toda Amizade, Sem Asas"


Letra escrita por Emmanuel Mirdad em 1998.
Melodia composta por Juracy do Amor em 30/11/1999.

--------


Primeira parceria composicional do duo Pássaros de Libra, tem a melodia poprock composta pelo guitarrista Juracy do Amor (que também cantou no álbum da dupla) e a letra de dor de cotovelo escrita por Emmanuel Mirdad, que trata da horrível angústia de esperar pelo telefonema de um ex-amor. Destaque para os eficientes arranjos criados por André Magalhães, um especialista em música pop.




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Um Sábado dia 13
(Emmanuel Mirdad / Juracy do Amor)

As minhas mãos percorrem o telefone
À espera de uma ligação, que já não ocorre mais
Pois o fio que ligava nossas vidas se partiu
Com uma tempestade de ciúme e desatenção

As minhas mãos percorrem nossas fotos
À espera de uma recordação, que já não importa mais
Pois o laço que unia nossos corpos se desfez
Com uma falsidade real de ilustração

Um Sábado dia 13
À espera de uma definição
Pois o ato que nos fazia “solo uno” se refez
Numa passagem do seu corpo contra o meu

A música percorre pela alma à busca de uma retratação
Que já não se disfarça mais, pois a canção que ouvia
Retornou seu âmago ao meu perdão

A saudade edifica o sofrimento
À busca de uma outra ficção
Que já possa ilusionar uma solução
Pois o ego que nos massacrava
Esvaiu-se com o tempo


Faixa 04 - Pássaros de Libra - EP O Primeiro Equilíbrio (2000) | Produzida por Emmanuel Mirdad | Melodia de Juracy do Amor e letra de Emmanuel Mirdad | Juracy do Amor - voz, guitarras e arranjos de cordas | André Magalhães - arranjos MIDI e programação de samplers | Faixa demo gravada por André Magalhães em 1999/2000 no Submarino Studios em Salvador/BA


Cifra original digitalizada da canção "Um Sábado dia 13"


Letra escrita por Emmanuel Mirdad em 13/06/1998.
Melodia composta por Juracy do Amor em 30/11/1999.

--------


A canção mais popularesca das composições de Emmanuel Mirdad, nasceu com a função de ser hit, com uma letra pobre, mas romântica, e melodia fácil e pegajosa. Nunca saiu do repertório do compositor desde que foi criada, sempre cotada como música de trabalho, até ser registrada no álbum do Pássaros de Libra com um princípio de progressão musical que margeia toda a criação da Orange Poem, o trabalho musical de Mirdad posterior ao Pássaros de Libra. Destaque para o dueto no final entre o guitarrista Juracy do Amor (que também canta na faixa) e o tecladista André Magalhães (que também fez os arranjos da faixa).




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


A Seta
(Emmanuel Mirdad)

Como é que eu faço para acabar
Com o seu embaraço ao encontrar
O meu olhar namorando o seu

Como é que eu posso atingir seu poço
Que guarda todo o rancor do passado
Que precisa ser descartado

Com a seta, a seta que levará
O meu amor ao seu coração tímido e punido
Com a seta, a seta que atingirá
O seu medo e aliviará sua sede por nós

Como é que eu acho alguém como nós
E perco por algo que faz,
Tanto faz para te esconder

Como é que eu descubro
O caminho de volta para o seu mundo
Que já foi nosso, e agora é só seu

Com a seta, a seta que acordará
O nosso velho amor que estava vagando
Com a seta, a seta que selará
O nosso enlace final de paixão e ódio
De paixão e ódio


Faixa 05 - Pássaros de Libra - EP O Primeiro Equilíbrio (2000) | Composta e produzida por Emmanuel Mirdad | Juracy do Amor - voz, guitarras e arranjos de cordas | André Magalhães - arranjos MIDI e programação de samplers | Faixa demo gravada por André Magalhães em 1999/2000 no Submarino Studios em Salvador/BA


Cifra original digitalizada da canção "A Seta"


Composta por Emmanuel Mirdad em 23/03/1998.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…