Pular para o conteúdo principal

Orange Poem - Primeiras resenhas em jornal e internet

Jornal A Tarde - Caderno Dez - 22/09/2005


Som Laranja

A banda baiana Orange Poem lança amanhã seu primeiro CD, "Shining Life, Confuse World", apostando em rock com cara antiga

Pedro Fernandes

É como se todos estivessem numa festa que se alongou por anos e todos já tivessem feito de tudo. Nada mais choca ninguém. Logo a festa ficou chata, alguns voltam para casa, outros seguem numa dança que já perdeu o sentido. O fazem por puro hábito.

Entre os que voltaram para casa está a banda baiana Orange Poem. Formada por Emmanuel Mirdad [vocais e guitarra], Fábio Vilas-Bôas [guitarra], Marcus "Jesus" Vinícius [guitarra], Fabrício Mota [baixo] e Hosano Júnior [bateria], lança seu primeiro CD, "Shining Life, Confuse World", amanhã, na festa Laranja Rock [ver serviço]

A analogia acima pode parecer estranha, mas será explicada. Hoje, para algo ser bom, hype, cult, [pós] moderno tem que basicamente ser diferente. Pretensamente originais, algumas bandas novas tendem a optar pelo recurso da mistura de sonoridades. Misturar é o verbo que os arautos da pós-modernidade mais conjugam. Tanto que acabou perdendo a graça.

Novo e velho, regional e global, erudito e popular têm sido as misturas mais frequentes que a falta de criatividade de algumas mentes julgam ser a única saída para a arte no começo deste século. Mas há quem não ligue para as tendências, como os caras da Orange Poem. Mistura até que tem, mas nada de vestir o antigo com roupa nova. O som da banda é velho. Só que no bom sentido. Uma espécie de volta para casa.

Início

Em 2000, Emmanuel começou a procurar entre amigos e conhecidos pessoas para formar a banda. "Fábio foi o primeiro. Mostrei para ele o som, se identificou e entrou no projeto." Em março do ano seguinte, a banda estava formada. Gravaram então num espaço de três anos dois CDs demos e um DVD, fizeram shows por Salvador e em novembro de 2004 entraram em estúdio para gravar "Shining Life, Confuse World", sem vínculo com gravadora ou selo. Na época, o baixista era Artur Paranhos, que saiu da banda há pouco mais de um mês.

A produção foi toda bancada pelo vocalista, que também é o produtor executivo do projeto. "As dificuldades enfrentadas foram mais relacionadas à grana do que a problemas técnicos. A gravação foi tranquila, pois Tadeu Mascarenhas [do estúdio Casa das Máquinas] é muito competente". Das 12 músicas do álbum [compostas em inglês], apenas duas foram escritas em parceria. Todas as outras são composições de Emmanuel.

O CD vem acompanhado de outras pretensões. A banda quer viajar para a Europa a partir da metade do ano que vem e tentar uma carreira por lá. Mas contatos para seguir primeiro para São Paulo já apareceram. "Se rolar uma boa proposta, a gente vai."

Distorcido, acústico e doce
[comentário]

"Shining Life, Confuse World" é, como dá para perceber pela formação da banda, guitarreiro até a alma. Acústico, distorcido, ácido, às vezes doce. As referências são escancaradas e, guardando proporções, lembrar do Pink Floyd logo de cara não é tão difícil. E é assim que começa o disco, com "Last Fly". Psicodelia pura, abuso de distorções e delays e a voz grave de Emmanuel quase recitando a letra num clima meio lisérgico.

Há espaço também para referências metaleiras, com "The Green Bee" e "New Help", com mais peso nas guitarras e na bateria. Os vocais ficam à vontade para gritar o quanto a música pedir. Em "Wideness", entra um blues meio deslocado, cantado com sotaque da Transilvânia. Mas é no rock progressivo que o álbum melhor se realiza. Então quando "Rain" chega, a certeza de que a alma da banda está em um som mais viajante se confirma.

Com dois pés no passado e assumindo isso sem esquizofrenias temporais, Orange Poem acaba sendo original por não ceder à tentação de trazer junto com as referências canônicas disfarces modernosos para tornar o som da banda mais palatável, mais dentro de uma tendência que já era. O engraçado é que se você fechar os olhos o som é mesmo laranja.


A primeira resenha na internet feita por Valdir Antonelli 
do site DropMusic em junho de 2006

The Orange Poem
Valdir Antonelli

Formado em 2001, o quarteto lançou duas demos e um DVD-Demo antes de 'arriscar' um álbum cheio e mais bem produzido. Cantam em inglês, visando o mercado externo, mais precisamente o Reino Unido, e planejam embarcar para a Europa em breve, algo que muitas bandas querem, mas poucas realmente conseguem. Finalmente, em novembro de 2004, começam a trabalhar no primeiro disco, produção que só acabou em fevereiro de 2005 e lançam Shining Life, Confuse World em setembro do mesmo ano.

Com 12 canções, Shining Life... só não é uma viagem psicodélica total devido aos vocais guturais de Emmanuel Mirdad - lembrando, quando canta normalmente, vagamente o vocalista Fish ex-Marillion. Vocais que dão um ar teatral que se unem perfeitamente aos arranjos criados pelo grupo. As semelhanças com Pink Floyd, em Last Fly, são bem fortes, mas existem ecos de Jimmy Hendrix, jazz (finalzinho de The Green Bee), rock clássico, blues (principalmente as guitarras em Diet of Dust) e até mesmo do brit pop, este em doses bem pequenas. Em outros momentos chega a soar como uma banda de metal (lembrando Metallica em Wideness).

Em um mercado musical recheado de clones do brit pop, o som feito pelos baianos do Orange Poem causa uma certa estranheza nos primeiros momentos. Ao flertarem com o rock psicodélico, e até mesmo progressivo, dos fim dos anos 60, a banda prova que é possível fazer um trabalho um pouco mais experimental sem soar chato e cansativo e apenas reafirma que a cena independente de Salvador é, hoje em dia, uma das mais criativas do rock nacional.

Álbum: The Orange Poem - Shining Life, Confuse World
Selo: Independente
Ano: 2005
O The Orange Poem é:

Emmanuel Mirdad - Voz
Fábio Vilas-Bôas - Guitarra
Marcus ´Jesus´ Vinícius (Zanomia) - Guitarra
Hosano Júnior - Bateria
"

Link atual aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…