Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Lívia Natália no livro Sobejos do mar

Lívia Natália (foto: Priscila Fulô)


XXX
Lívia Natália

Dizem que, debaixo da farda,
tem gente.
E nem precisa escavar profundo.

Dizem que há sangue,
que há entranhas rubras,
e uma pele negra
igual à minha.

Dizem que, debaixo da farda, tem gente.
Ouvi falar que aqueles olhos arregalados
têm medo que a gente saiba que,
debaixo da farda,
tem uma pessoa,
que de manhã é uma pessoa boa,
e sorri, enquanto veste o coturno.

Dizem que a farda é como uma boca, 
cheia de dentes
que os desfaz em pedaços.

--------

Da inutilidade da poesia
Lívia Natália

          Para o Prof. Hélio Santos

63 jovens negros são mortos por dia.
23 mil jovens negros são mortos por ano.

Ao menos um morreu agora,
enquanto você lia este poema.

--------

Aguidavi
Lívia Natália

          “Só acredito num Deus que dance.”
          Friedrich Nietzsche

Se é por ela que se des/faz o invisível
e a terra se preenche de gestos ancestrais.
Se os atabaques se deitam silentes
com seus Oris de couro saciados de Ejé.
E se, quando dançam, as divindades reverenciam
a força da sua presença,
até o descrente se convence de que
a música é uma espécie de Orixá.

--------

Praia da ponte
Lívia Natália

Os meninos saltavam da ponte
e nós assistíamos ao espetáculo temeroso da vida
sob a navalha fina do sol.

Os meninos saltam da vida
e nós assistimos passivos ao espetáculo temoroso da morte
sob o olhar frio do revólver.

--------

Poema de terror
Lívia Natália

Eu
segurei
a minha
bolsa.

Porque ele era negro.

--------

“A bala silencia a voz de mais um menino preto
E há uma legião de fantasmas pretos, calados e sem consolo.
A bala condena à morte o menino preto
E o tribunal é de rua, e anda fardado.

(...)

A bala nunca dorme, cochila
engatilhada.
Ela fareja os meninos pretos
Até os que ainda nem nasceram.”


“Tudo importa à poeta:
o guarda-chuva perdido,
o telefone que não toca,
o destino das pontes mortas,
para onde vão os amores esquecidos?”


“No ventre terroso e úmido de breu,
os frutos estranhos criaram raízes enormes
e cresceram altivos, como árvores brutas
que à noite entoam lamentos e juram voltar
numa revoada de violentos fantasmas”


Presentes no livro “Sobejos do mar” (Caramurê, 2017), de Lívia Natália, páginas 69, 73, 35, 77 e 61, respectivamente, além dos trechos dos poemas “À bala” (p. 75), “Minimalista” (p. 15) e “Frutos estranhos” (p. 65), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav