Pular para o conteúdo principal

Bloguijabá: Lançamento do Maçalê - Tiganá


Pra quem está em Salvador, é nesta quarta, no Teatro da Casa do Comércio, 20h, DE GRAÇA, o show de lançamento do CD Maçalê, do grande Tiganá, com direção musical de Luiz Brasil, e as participações especiais de Virgínia Rodrigues, Roberto Mendes e Mou Brasil. Imperdível!!!

Confira abaixo o release da Alê Pinheiro:


O elegante músico afro-brasileiro Tiganá Santana

Apontado por Naná Vasconcelos como um dos novos bastiões da música popular e erudita, além de exaltado por sua sonoridade afro-brasileira de múltiplas formas, Tiganá Santana, cantor e compositor baiano, a cada dia ganha mais reconhecimento de grandes nomes da música brasileira e desperta a atenção da crítica especializada. Dono de um som autêntico, produziu seu primeiro CD comercial, Maçalê, que será lançado dia 18 de agosto em Salvador, às 20h, no Teatro Casa do Comércio, com entrada franca.

Tiganá é parceiro da internacional baiana Virgínia Rodrigues, cantora erudita consagrada nos Estados Unidos e Europa. Na Bahia, uniu-se a Roberto Mendes, respeitado cantor e compositor de sambas do Recôncavo, além de outros artistas e parceiros.

O candomblé, principal fonte de inspiração para suas letras, lhe deu o gosto pelo estudo das línguas africanas. Tiganá compõe e canta em kikongo, kimbundo, inglês, português e francês. É apontado por especialistas em música negra como um aprendiz dos mestres universais Dorival Caymmi, João Gilberto, Cole Porter, Pixinguinha, Ali Farka Touré e Habib Koité.

Para Naná Vanconcelos, "A música de Tiganá é como um perfume de essência rítmica e fragrância apurada, uma oferenda à divindade maior, natural beleza, sofisticação e elegância afro-brasileira.". O elogio do mestre Naná foi tão bem recebido que o baiano o grafou e imprimiu na contracapa do seu CD.

Maçalê – o primeiro CD

Em iorubá, Maçalê quer dizer “você é um com a sua essência”. A intenção é mostrar ao público a valorização das matrizes africanas de uma forma autoral, resultado das suas buscas pelas origens do continente negro e miscigenação brasileira. É a primeira obra na história fonográfica do país que contém canções em línguas africanas (Kikongo e Kimbundo) compostas por um artista brasileiro.

É neste contexto que a a identidade do povo baiano é revelada, misturando sua estética às canções de outras partes do planeta, o que rende seu caráter universal. O trabalho de Tiganá enquanto compositor consolida suas pesquisas sobre o legado cultural dos países africanos, principalmente Angola, Congo, Guiné-Bissau e Moçambique, e redimensiona a marca sociolingüística deixada por estas nações para a história do povo brasileiro.

As melodias transbordam a mistura dos mais diversos sons da África e mesclam instrumentos como atabaque e flauta, sax e agogô, violão e berimbau, feitas por ele e experiente equipe de músicos e artistas convidados. O sambista Roberto Mendes e o jazzista Mou Brasil são parte das suas parcerias de trabalho. As canções de Tiganá emanam do silêncio, como a de seus mestres, e apresentam uma profundidade que remete às mais vindouras tradições do continente africano.

Tanta transpiração ligada à origem afro-brasileira virou alvo das pesquisas do antropólogo e jornalista Marlon Marcos. Ele remete o surgimento do artista como uma novidade musical imersa na ancestralidade das raízes africanas. ”Uma arte dedicada à divindade, sem delongas nem vergonha, tematizando sua espiritualidade, resgatando o deísmo de seus ancestrais”. E ressalta sobre o trabalho de Tiganá: “Não é o de um artista que pode parecer um eclético cultor de neo-africanidades, mera cria do tropicalismo, ou uma repetição estética para ações afirmativas da política militante dos negros no Brasil”. Segundo ele, Tiganá vai além da agilidade conceitual que a mídia geralmente busca ao apresentar uma novidade e fazer com que a música seja inteligível aos seus próprios olhos e ouvidos do grande público.

Quanto à recepção musical das demandas mercadológicas na Bahia, onde predomina o rápido, descartável e reciclável da Axé Music, Tiganá trabalha em outro cenário. O fenômeno proporcionado por sua música na Europa (França, Bélgica, Holanda e Suécia) tem potencial para se estender pelo Brasil, seja pela valorização de suas raízes ou pela inovação sonora apresentada. Com o primeiro CD finalmente pronto, a entrada da sua música tende a se ampliar neste cenário.

O álbum Maçalê foi produzido com o apoio institucional do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, pela Putzgrillo!, e direção musical de Luiz Brasil. O lançamento acontece às 20h do dia 18 de agosto, próxima quarta-feira, em Salvador, no Sesc Casa do Comércio, com produção da Putzgrillo! e EMA Produções. Estão confirmadas as participações especiais de Virgínia Rodrigues, Roberto Mendes e Mou Brasil. A entrada é franca, sujeita à lotação do teatro.

Serviço

Evento: Show de lançamento do CD Maçalê
Artista: Tiganá Santana
Local: Teatro SESC Casa do Comércio (av Tancredo Neves, 1109, Ed Casa do Comércio, Pituba, Salvador/BA. Tel de contato: (71) 3273-9852)
Data: 18/08/10 – quarta-feira
Horário: 20h
Entrada franca

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…