Pular para o conteúdo principal

Mirdad: Requiem aos anos 20

foto: Bruno Senna


Comecei os anos 20 vivendo o auge de um grande amor que durou pouco, mas foi a 1ª ‘casa’ das três que morei na década inte. Reta final do cursinho PhD (onde conheci o amigo-irmão Rodrigo Minêu, testemunha mais presente dos meus anos 20, e o amigo libriano-musical Marcus Zanomia), pós-abandono do curso de Psicologia na UFBA, recomeçava a me empolgar com a música via uma nova safra de composições (em inglês, desta vez), e já começava a gestar o embrião do que viria a ser a banda The Orange Poem.

A relação com a 1ª ‘casa’ acabou, fiquei por três para entrar no curso de Jornalismo na UFBA (assim como em 1998, só concorri num único vestibular), não consegui emprego nem em loja de shopping, e a minha odisseia em 2001 só não foi pro espaço porque meu pai herói segurou a barra financeira e a The Orange Poem funcionou muito bem como muleta e válvula de escape master.

2002 começou com duas estreias logo de cara: Jornalismo na FACOM-UFBA (os 3 desistiram, mas só fui ter essa confirmação uma semana antes de prestar outro vestibular) e The Orange Poem nos palcos (algo raríssimo). Ano bon vivant, solteiro com carro, aproveitei para resolver todos os meus traumas da infância esquizóide e estudante nerd extremo criando um personagem ‘Bundalêlê’ na academia: fui o cara mais popular, esculhambado, chato e idiota da minha geração faconiana, fundando o famigerado Lado Negro e sendo um dos pilares da algazarra e xibiatagem, criador e produtor da Tradicional Festa da Entregação, do trote com tinta e baderna e do concurso Gatacaloura, entre outras diversões ‘selvagens’.

A minha 2ª ‘casa’ foi a mulher que mais me amou, incondicionalmente e com uma dedicação extrema, e ela surgiu em 2003, abrigando o ano mais parasita de todos, que só serviu pra me aproximar do rádio, através da Rádio Facom, em que fui um dos fundadores da fase 89,3 FM. Trabalhei como motorista pra meu pai, e passei diversas horas não remuneradas ao comando de uma programação tapa-buraco na tal rádio que ninguém ouvia, além do próprio operador/locutor. Livrei-me dos óculos fundo de garrafa (representação-mor da nerdice, usei por 19 anos) via operação, e pulei de bungee jump em Paulo Afonso na companhia de Marquinhos Vaquinha, o Marcus Ferreira, que viria a ser meu sócio anos depois.

Continuei escrevendo poemas e canções. Inspirado no faça-você-mesmo punk, criei o projeto Agente Laranja Gueto Cultural; uma série de shows aos domingos da The Orange Poem e convidados no bar Tangolomango, Pituba, com espaço para exposições de pinturas, vídeos e quem aparecesse com algo artístico. Assim, pari a minha carreira na produção cultural, no ano de 2004. A partir deste evento, passei a ser agente de shows, produzindo as sextas-feiras do Tangolomango com bandas independentes (as que tiveram mais sucesso foram Besouros do Sertão e Paladinos). Paralelo a isso, deixei de ser vagabundo e fui intimado (através do Q.I. da cantora e amiga faconiana Eva Cavalcante) para um estágio na Rádio Educadora FM, iniciando uma querida e familiar relação que rendeu 1 ano de estágio e posteriormente 1 ano e meio como REDA, sempre na produção musical (ou seja, até no único emprego que tive, não atuei como jornalista).

O auge dos anos 20 foi em 2005, o melhor ano, a solene despedida da juventude inconsequente, despreocupada. Começou quente, no verão, ao ficar solteiro novamente e em plena gravação do 1º CD da The Orange Poem. Ampliei meu raio de ação como agente de shows para o saudoso World Bar, na Barra, em que produzi diversos shows e onde a curtição com o quarteto da bagunça (Mirdad, Minêu, Afonso e Enzo) rendeu até a formação de um grupo de forró tosco, o cômico Forró di K (eu era o zabumbeiro), que chegou até tocar no trem do forró de Campina Grande, na Paraíba, pra onde os três cabras (Enzo foi e voltou de avião) foram de Celta 1.0 estrada acima, com muitas histórias pra contar aos netos (se tivermos). O tal disco da Orange ficou pronto, prensado e custeado totalmente por mim, lançado no projeto Laranjada Rock, que viria a realizar os últimos shows da banda, com convidados e moscas. E pra fechar o espetacular ano que mais curti, conheci a minha 3ª ‘casa’, que foi a mulher-menina que mais amei.

Voltei a ser vagabundo em 2006, que só serviu como ano de transição. No 2º semestre, concluí o curso de Jornalismo na UFBA com um produto experimental, de ambientação sonora para poemas em formato CD. Ou seja, com um projeto de comunicação, formei-me jornalista, a muito custo, por conta de uma orientação medíocre de um professor desprezível. Mas a obra (Ilusionador) ficou bacana, e tenho muito orgulho dela, pois o recorte escolhido foram os filopoemas de Ildegardo Rosa, meu pai. Além desta, gravei também, com meus recursos, o 2º CD da Orange Poem, que não foi prensado ou lançado, e é muito melhor que o 1º. Isso não aconteceu porque a banda foi se desfazendo, com a ida do baterista Hosano Jr. a São Paulo, e a minha desistência do sonho ‘since 2000’ de ir morar em Londres, que tanto estruturei. Desisti por amor, pra poder viver uma relação concreta e com objetivos reais e tangíveis como um casamento e família.

Decretei o fim simbólico da The Orange Poem em março de 2007, o que representou também a minha saída definitiva de artista para produtor na cena musical. Mas eu cheguei ainda a gravar mais um CD, Universo Telecoteco, com meus recursos e composições em português, de uma banda fugidia chamada Pedradura, que acabou encalhada. Ainda no verão deste ano, comecei a trabalhar informalmente na produtora Plataforma de Lançamento, onde aprendi a escrever projetos para as leis de incentivo, entre outros traquejos da profissão de produtor cultural, com o grande mentor Uzêda. Em poucos meses, alternados pelo ano, aprendi muito mais com ele que em todos os anos na Facom, seja escrevendo projetos ou em execução prática de eventos.

E o ‘diploma’ de produtor prático em cultura veio no verão de 2008, quando o resultado do edital nacional do Oi Futuro anunciou o patrocínio para o meu projeto de premiação para o rock baiano, criado no réveillon de 2006-2007. Foi o único projeto pessoal, até então, que tinha inscrito tanto para o Governo quanto para um edital privado. E a ironia foi que nenhum dos projetos de Uzêda foi aprovado pela Oi naquela edição, e o meu sim. Como um bom discípulo, convidei o mestre para fazer o projeto, já que tive receio por não ter experiência. Uzêda, produtor escolado de longa data, poderia muito bem ter se aproveitado da situação e ter “tomado” o projeto pra si, de certa forma. Mas ele não o fez. Negou sua participação e me atirou no mercado, por julgar-me apto para tanto. E o Prêmio Bahia de Todos os Rocks foi o meu emprego em 2008 e a estreia no mercado profissional como produtor cultural independente. Neste mesmo ano, conheci o grande amigo e abençoado Tiganá Santana, que me inspirou a zelar pelos guardiões da boa música.

Marcus Ferreira, produtor cultural formado na Facom, trabalhou comigo na produção do Prêmio BTR. Foi um trabalho tão harmônico e produtivo que o caminho mais natural para dois empreendedores natos seria montar uma empresa. Assim, em 2009, firmamos sociedade na Putzgrillo - Assessoria em Cultura, que tinha sido aberta por Marcus ainda em 2008. Como havia muita incerteza ainda, aceitei de muito bom grado o convite da Educadora FM para retomar meus trabalhos na produção musical da rádio. E foi por causa do foco no trabalho e de muito empreendê-lo em 2009 que pude aguentar a terrível porrada do final de relação com minha 3ª ‘casa’, que me deixou vagando por aí, sem teto, até hoje.

O trabalho continuou intenso em 2010, e por conta da necessidade de uma maior dedicação à Putzgrillo, para firmá-la no mercado e até mesmo expandi-la, saí da Educadora FM com um saldo positivo de 240 programas produzidos. Com projetos em execução, outros em pré, e muitos em tramitação, 2011 já aparece no horizonte como norteador do salto Putz que virá. E se o compositor/cantor tinha saído de cena, o meu lado autor ganhou força ao ter o meu 1º livro, Abrupta Sede, lançado pela Via Litterarum, de forma ainda tímida e incipiente. Mas ao menos o livro ficou muito bem feito, com ilustrações perfeitas do amigo Marceleza de Castilho.

E hoje, 07 de outubro de 2010, faço 30 anos e me despeço dos anos 20. Sonhei, estruturei o sonho e o desfiz. Experimentei amar, fui amado e amei. Identifiquei os traumas e os resolvi. Viajei, curti, celebrei e chorei de alegria e de dor. Escrevi, engavetei, bloguei e fui publicado. Abençoado rádio e querida produção cultural, muito obrigado!

.

Comentários

Joyeux anniversaire, então !
Tomara que eu faça tantas coisas quanto você antes de chegar aos meus 30 !
Kátia Moema disse…
Você é tudo de bom!
Te amo!
Mirdad disse…
Seja bem vinda, minha irmã!
Te amo muito tb!
Verdejah disse…
Não fosse você pra me contar e eu não entenderia tanto... Parábens que venha os anos "inta"!
J M. ♥ disse…
Belo memorial. Como faço para comprar seu livro?

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…