Pular para o conteúdo principal

Merci, de Alpha Blondy - 10 anos

 

Merci” é o 16º álbum da carreira do cantor Alpha Blondy, e foi lançado em 2002, 20 anos depois do seu álbum de estreia, “Jah Glory” (1982). Assim como o hoje cultuado Tiken Jah Fakoly, Alpha é natural do país africano Costa do Marfim, e é um dos principais ícones do reggae mundial em atividade, como o jamaicano Burning Spear.

Habitué dos festivais de reggae em Salvador (tanto que compôs uma música chamada “Bahia” para homenagear os fãs baianos, lançada no ótimo álbum “Jah Victory” de 2007), Alpha Blondy, segundo o site Surforeggae, é “saudado como verdadeiro sucessor de Bob Marley tanto quanto pela sua música e suas mensagens de paz e unidade”. Com uma pegada rocker peculiar, Alpha canta em francês, inglês, hebreu, árabe e dioula, seu idioma nativo. Suas músicas são sempre mensagens políticas e de paz, saudando os preceitos do rastafarianismo.

Em “Merci”, que relembro aqui 10 anos após seu lançamento, Alpha Blondy acerta a mão após dois álbuns muito fracos (“Elohim” de 1999 e “Yitzhak Rabim” de 1998) e um ao vivo (“Blondy Paris Bercy” de 2001) que não chegou, nem de longe, aos pés do clássico “Live au Zenith” de 1993. Alpha tornou-se ícone do reggae com os referenciais álbuns “Masada” (1992) e “Jerusalem” (1986) - este, gravado com a maior banda de reggae de todos os tempos, The Wailers, do rei Bob Marley, além do incrível “Apartheid is Nazism” (1985) e o roqueiro “Grand Bassam Zion Rock” (1996).

De “Merci”, destaco as músicas “Souroukou Logo”, “Ato Afri Loué”, “Si On M'avait Dit”, “Quitte Dans Ça” e “Zoukéfiez-Moi Ça”, e principalmente “God Bless Africa” que, pra mim, entra fácil no top 10 do grande Alpha Blondy. Abaixo, seguem as canções citadas, para apreciação do bom reggae.

No primeiro dia de janeiro de 2013, Alpha Blondy fará 60 anos. Eu, que considero o reggae o estilo musical que mais apreço, tenho o cantor marfinense no meu panteão sagrado, ao lado de Bob Marley & The Wailers, Peter Tosh, Burning Spear e Gregory Isaacs. Além disso, para torná-lo mais caro ainda, era o cantor de reggae preferido de meu saudoso pai (da minha mãe também), e sempre quando colocava suas músicas pra tocar em casa, os velhinhos paravam tudo pra dançar em alta, celebrando a positividade da vibração rasta. Jah!

God Bless Africa



Souroukou Logo 




Ato Afri Loué





Si on M'avait Dit





Quitte Dans Ça





Zoukéfiez-Moi Ça





Politruc


.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…