Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir o novo CD de André Mendes





Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


André Mendes solta Enfim Terra Firme para download gratuito

Por Chico Castro Jr. - Matéria publicada aqui

Em 2011, André Mendes, roqueiro local que se lançou nacionalmente nos anos 1990 à frente da banda  Maria Bacana, soltou um álbum em que deixava as guitarras pesadas de lado e abordava o pop praieiro relax de Jack Johnson.

Bem-Vindo à Navegação serviu para colocá-lo de novo em evidência no meio rocker independente, merecendo elogios em sites daqui e de fora também.

Confirmando a boa fase criativa, André solta, hoje mesmo, em seu site, mais um disco completo para download (ou streaming) gratuito.

Intitulado Enfim Terra Firme, o disco traz um André mais maduro como compositor e instrumentista. Com Jorge Solovera na produção (e instrumentos diversos), a dupla cometeu um álbum muito bonito, pop e acessível a qualquer pessoa que disponha de duas orelhas – com massa cinzenta entre elas.

De quebra, André compôs uma canção que meio que resume o clássico conflito de ser roqueiro (ou de apenas ter senso crítico, algo que não é bem visto por aqui) e viver em Salvador.

“A Cidade Que Eu Digo Não fala sobre isso, sobre não se sentir feliz nessa cultura”, afirma. “Nunca me senti. Não me sinto parte, essa coisa não fala comigo”, reitera André.

“Eu moro na Cidade Baixa e toda manhã sou acordado pelo carrinho de CD pirata, tocando arrocha. Aí você liga a TV meio-dia, e é só lixo. Isso é só o início do dia. Não tem como não ficar revoltado”, observa.

Para André, a única forma de sobreviver é tentando criar um tipo de zona neutra em torno de si. “A melhor coisa a fazer é tentar viver numa bolha. Feche a janela, ouça sua música, leia seus livros, assista seus filmes. Ou tome remédios – mas isso eu também não quero”, recomenda.

Não sem razão, ele vê relação direta entre o lixo nosso de cada dia e a semibarbárie que parece ter tomado conta da cidade.

“Ninguém percebe que tem tudo a ver esse tipo demúsica e a fechada que você leva no trânsito. O que é que toca na cabeça dessa pessoa? Pink Floyd? Tom Jobim? Não mesmo”, relaciona.

“Não digo que são pessoas ruins. Se você se aproximar, vai ver que tem um ser humano ali igual a você. Só que bestializado”, lamenta.

"Esse disco, para falar a verdade, ia se chamar Bem-Vindo à Idade-Média,  por que não só a Bahia, mas o Brasil parece viver em um retorno a era medieval. Mas depois recuei. Não quis fazer um disco tão monotemático. Como achei que estava em uma boa leva de composições, não quis me prender a um tema só", relata André.

O repertório, com dez faixas, foi selecionado entre a leva de novas composições e antigas, ainda do tempo da Maria Bacana.

"Fiz dez músicas e peguei mais umas dez da época da Maria Bacana. Aí fiz um pente fino para ver o que eu queria falar, que história eu queria contar. Não era mais essa historia de idade média. Foi a vontade de fazer o melhor disco que eu pudesse, com composições novas e antigas".

Baixe / ouça: www.andremendesmusica.com.br

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…