Pular para o conteúdo principal

Lançamento CD Farol de Mou Brasil



Acho o guitarrista baiano Mou Brasil o melhor compositor da atualidade. Não escondo de ninguém essa opinião. Hoje, quinta 04/04, às 19h, na Galeria do Livro do Cine Glauber Rocha, entrada franca, vai rolar o lançamento do álbum Farol, totalmente autoral, com participações de Tiganá Santana, Manuela Rodrigues e Steve Coleman. Vá, compre o CD e confira se não estou certo.

Com 30 anos de carreira, Mou Brasil tinha apenas um disco gravado, fora do Brasil ainda por cima. Assim estava o guitarrista e compositor em 2009, quando o conheci, através do amigo Tiganá Santana. Pra mim foi inaceitável testemunhar composições incríveis sem registro, ainda mais diante desse absurdo com a nossa história musical ter um músico do gabarito de Mou sem álbum lançado no Brasil.

Convenci meu então sócio na Putzgrillo Cultura, o empresário Marcus Ferreira, a topar mais um projeto de CD (o outro tinha sido o 1º de Tiganá), o que não queríamos mais (tínhamos decidido ser produtora de festivais). Argumentei que era uma obrigação nossa para com a renovação da música instrumental baiana.

Escrevemos o projeto (inclusive foi finalizado na noite do meu aniversário de 2009), que concorreu ao edital da Funceb (mais uma vez, como o de Tiganá), e acabou sendo contemplado, com louvor (no mesmo edital em que foram contemplados o Aleluia da banda Cascadura e o ArRede - Tempo sem Nome da banda Radiola). Foi o reconhecimento do Estado da Bahia à brilhante obra de Mou Brasil.

Pois então, no dia seguinte à Cerimônia de Entrega do Prêmio BTR 2010 (emendando projetos é uma doideira só), começamos a gravação no estúdio Coaxo do Sapo, de Guilherme Arantes, lá na Barra do Jacuípe. E, depois de um longo percurso e vários contratempos, o álbum Farol será lançado nesta quinta 4 pelo selo baiano Garimpo Música. Parabéns, Mou, você merece muito mais, meu caro amigo!

Conheça a ficha técnica do CD Farol aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…