Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Wladimir Cazé

foto: Edilson Barreira, interferido por Mirdad


Nos áureos facon'anos da comunicação, Wladimir Cazé era o cabra que carregava uma caixa de sonhos espinhentos; pequenos frascos revolucionários das Edições K, sua breve incursão editorial (veja aqui) com outro sequelado de apreço: o insano Patrick Brock. Aproximei-me de Wlad em 2004, quando ele fez parte do evento Agente Laranja Gueto Cultural (minha primeira incursão na seara da produção), com sua caixa de espetos, tentando vender algo enquanto o rock e a psicodelia (The Orange Poem e convidados) rolavam no finado Tangolomango Bar.

Anos depois, nos aproximamos de novo, a meu convite (de novo), pra tentar montar uma revista literária em Salvador. Poucas reuniões no café do TCA depois (participavam do quarteto de ingênuos também o Mayrant Gallo e o Alan Lobo), a Camelo só ganhou nome e mais nada.

E agora, amigo de blogs, emails e encontros ocasionais, Wladimir Cazé me chega com o seu mais novo livro, Macromundo, recém-lançado em Salvador pela editora Confraria do Vento. Devorei em alguns soluços sua obra poetrante, e não deixei escapar a chance de pilular este agreste poeta dos instantâneos. Deliciem-se, em overdose, favor:

"...

O solo é avesso a remanso
A hora é árida
O céu é flácido
Farelos

------

Era um ovo branco
e abriu-se a porta
que escancara o escuro

------

Pedras como bonecos sem cara
O animal de estimação ameaça

------

Quem pode reclama
a falta que faz
um pouco de luz

------

O sarcedote
detonou o totem

------

Fogos de artifício
coágulo opala
Fugaz espetáculo

------

O suor se antecipa
O rumor estufa a lua
Desce as escadas
além

------

Sentinela a noite
Atalaia os ermos
Guarda o detalhe
que não pulsa ainda

------

E nem a lã ou seda que o céu põe
como ataque incessante de unha
é tatuado em pedra ou em pele

------

Maior que um deserto
morada e masmorra

------

espaços sem luz, sem vento
pedaços de planetas extintos
cavando órbita no espaço oco
mas nada impede o avanço certeiro

------

outro lugar, outro
existir de gente

------

numa esfera de fogo
a esmo, sem rumo
orbitante o homem
vibra, queima e morre

------

O urubu sombrio
cata com o bico
a carne da galinha velha
na monótona mortalha espalhada

------

Uma ave de origami
montada com guardanapo
ganha vida de repente,
no palito de dente empalada

------

O vento sopra
sobre a rocha
onde a concha
dobra o som
dentro: outro
sopro venta.

------

Com as patas para cima,
a barata feminina
sossega, extenuada,
após erótica batalha

------

Eremita dos interiores
de si mesmo,
íncola na caverna

um caracol itinera
degraus de mármore,
moroso, mole.

------

Então eles começam a roer os livros.

..."

Todos estes fragmentos são partes de poemas que estão no livro Macromundo (2010), de Wladimir Cazé, editora Confraria do Vento, com ilustrações de Iansã Negrão e posfácio de Sandro Ornellas. Preço: R$ 20. Compre diretamente com o autor: wladimircaze@gmail.com


foto: Margarida Neide


Wladimir Cazé

Pernambucano de Petrolina/PE, que viveu em Salvador/BA e São Paulo, e hoje está radicado em Vitória/ES, Wladimir Cazé vem publicando poesia e folhetos de cordel desde 2004. Participou do 4º Mayo de Las Letras, em San Miguel de Tucumán, Argentina (2008), do 13º Festival Internacional de Poesía, em Cartagena de Índias, Colômbia (2009) e da 3º Festa Literária de Porto Alegre-FestiPoA (2010).

Integra o coletivo de escritores Corte, que promove recitais e debates sobre literatura em Salvador. O trabalho de Cazé vem ganhando espaço no cenário da poesia brasileira, tendo sido abordado na edição especial “Bravo! Bahia” da revista Bravo!(janeiro de 2010) e nos cadernos de cultura de jornais como o Jornal do Brasil (RJ), Correio da Paraíba e A Tarde, entre outros. Mantém o blog www.wladimircaze.blogspot.com.
Contatos: wladimircaze@gmail.com / (27) 8818-1144.



O INFINITO E O COTIDIANO
NOS POEMAS DE "MACROMUNDO"

“Um corpo estelar corre / ao encontro de outro corpo / cavando órbita no espaço oco.” Com versos como esses (do poema “Valsa”), o livro Macromundo, de Wladimir Cazé (lançamento da editora Confraria do Vento, 2010, 64 páginas, R$ 20,00), acrescenta uma nova dimensão ao primeiro trabalho do poeta, Microafetos, de 2005. Ao drama das coisas ínfimas e dos minúsculos animais tão constituídos de linguagem quanto qualquer pessoa, soma-se agora o comportamento dos grandes movimentos cósmicos, dos corpos inanimados soltos no universo infinito, vazio, silencioso e, portanto, capaz de conter ou espelhar sensações ou experiências humanas.

Nos textos de Macromundo, há traços dos deslocamentos que caracterizam a vida atual e de matérias-primas como o cinema, a fotografia e a pintura, além de uma leitura atenta da poesia contemporânea e de uma revisitação do legado de diversas tradições poéticas brasileiras, desde o modernismo e a poesia dita marginal até a produção poética dos anos 90.

No poema “Porvir”, por exemplo, nota-se a tensão entre tempo e eternidade de Murilo Mendes; em “Caracol”, a visão peculiar da natureza de Manoel de Barros; em “Minuto Último”, o excesso cortado a lâmina de João Cabral. Em todo o livro, o elemento humano se apresenta em harmonia ou em tensão com a natureza; a diluição do humano num mundo de objetos é mostrada através da alternância entre a personificação dos seres inanimados e a despersonificação dos homens.

“Como a poesia não se prende a fins mercadológicos, ela se dispõe a uma reinvenção constante de seus próprios fundamentos, ocupando setores de experimentação que foram de certo modo abandonados por outras linguagens literárias”, reflete Cazé, que preparou, em parceria com o produtor e compositor Heitor Dantas, versões sonorizadas de três poemas de Macromundo (“Caracol”, “Barata” e “Valsa”) – as faixas podem ser escutadas aqui. Na mesma linha de trânsito entre linguagens, além da palavra e da música, Macromundo conta com ilustrações criadas pela designer Iansã Negrão (responsável pelas imagens do primeiro livro de Cazé, Microafetos).

O livro foi lançado no Rio de Janeiro (março), em Porto Alegre (abril), Vitória (maio) e Salvador (maio), este em lançamento conjunto com o livro de microcontos Nem Mesmo os Passarinhos Tristes, de Mayrant Gallo.

.

Comentários

Georgio Rios disse…
O camarada Cazé e sua poética dos micros e macros.Uma formula de sarar qualquer cabeça.Um abraço a ambos.
Mirdad e Cazé

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…