Pular para o conteúdo principal

80 anos de Ildegardo Rosa: a despedida e o poema

Ildegardo Rosa, meu pai, o Mestre Dedé


Vinte e dois de outubro, 1 ano atrás. Minha família pode ter a benção de estar presente no dia mais feliz da vida de meu pai, Ildegardo Rosa, o Mestre Dedé, no Rio de Janeiro.

Nesta data, 1 ano atrás, ele fez 80 anos portando uma coroa de pelúcia que eu mesmo coroei em sua vasta cabeça de sergipano. E, no melhor estilo desprendido, quase livre da Matrix e da pedra que nos prega ao chão, vivenciou o "que  rei sou eu?" e fez diversas palhaçadas, contando piadas e causos, dançando, vibrando, e recitando o poema "80 anos" que lhe pedi que fizesse (na sua obra, ele fez o poema dos 30 e dos 60, e concordou que chegar aos 90 seria quase impossível - premonição) semanas antes da comemoração maravilhosa.

Menos de dois meses depois, a pedra virou vento e ele partiu da matéria. Seus 80 anos, na verdade, foi uma inesquecível despedida.

Parabéns, meu pai, felicidades e muito amor! - porque é difícil perder um hábito tão delicioso quanto este de emitir tal frase carinhosa.




Vinte e dois de outubro, 1 ano atrás. Meu pai, o Mestre Dedé, no dia mais feliz de sua vida, lê para a sua família um dos seus últimos poemas. Transcrevo abaixo:


80 Anos
Ildegardo Rosa


Segundo
o calendário dos homens
hoje faço 80 anos.

Catingueiro/ sergipano
dos Campos do Rei Real
que na barriga da mãe
se escondeu na igreja matriz
pra meu avô- cabra macho
escorraçar os cangaceiros de Lampião.

Assim contou minha bisavó.

Esses 80 anos
no acontecer de minha vida
onde o tempo nunca existiu
mas apenas a duração
sempre presente no eterno agora
onde fui uma célula
um feto
uma criança
um jovem
um adulto
agora sou um idoso
e que apenas será
uma lembrança esfumaçada
onde aconteceram
alegrias e brincadeiras
dores e sofrimentos
angústias e prazeres
quedas e subidas
solidariedade e decepção
loucuras e mirações
persistência e barreiras
buscando uma saída, um caminho
nessa ilusão ou talvez um absurdo
que chamamos de vida.

Aqui estou neste agora
neste presente sem tempo
onde ao menos
pude descortinar o Véu de Maya
pelo acontecer do AMOR
que muito dei e muito recebi
O amor dos meus antepassados
O amor dos meus pais
O amor dos meus irmãos
O amor dos meus sobrinhos
O amor da minha amada
O amor dos meus filhos
O amor dos meus netos
O amor daqueles que me amaram
e que ainda muito me amam
e eu a todos amo também

Hoje faço 80 anos
onde eu sou uma ilusão
ou um quase nada
diante da imensidão
do Universo manifesto
emanado da Força Suprema
da qual sou partícipe
na minha existência mutante
nesse enigmático cotidiano
peregrino destemido
em cumprir sua misteriosa missão!

.


Comentários

On The Rocks. disse…
Bela homenagem. Belo poema.

Grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…