Pular para o conteúdo principal

Datas idênticas 2001-2012: Eu Fui!



Onde você estava nas 12 datas idênticas dia-mês-ano deste século? Fucei nos arquivos, apertei a memória, cavuquei adoidado até que consegui lembrar o que eu fiz nessas datas que significam porra nenhuma. Coincidentemente passei todas as datas na minha cidade natal, Salvador, na Bahia. Olha a besteirada:


01/01/01
Segunda, 2001

O milênio começou numa segunda. A única lembrança que tenho é que, dentro do táxi, voltando pra casa do Reveillon na praia da Barra em Salvador-BA, acompanhado pela namorada da época, vi no celular dela, por acaso, o horário das 01h01min do dia 1/1/1. Havíamos brigado na festa, mas o mundo não acabou.


02/02/02
Sábado, 2002

02 de fevereiro, dia de Iemanjá. Mas nessa época eu ainda não frequentava a melhor festa do verão baiano. Dois dias depois do 1ª show da banda The Orange Poem (no extinto bar Café Cultura, no Rio Vermelho, na quinta 31/01), o dia em Salvador-BA foi dedicado a analisar a banda/show e os próximos passos, com direito a intensa psicologia pra convencer o guitarrista Fábio a dar mais uma chance para o baixista da época e para o pequeno e quente Café Cultura (não adiantou).


Formação da banda the orange poem que fez o primeiro show em 2002


03/03/03
Segunda, 2003

Segunda-feira de Carnaval, último dia da festa pra mim. Não há registro específico desse dia, mas o carnaval de 2003 foi uma farra de cinco noites (começou na quinta 27/02) sem trégua na pipoca da Ondina, em Salvador-BA, na maioria dos dias na companhia do amigo irmão Rodrigo Minêu. Estava solteiro e com 22 anos, ou seja, como escrevi no finado fanzine Bundalêlê, “Carnaval é adolescer sem culpa”.


04/04/04
Domingo, 2004

Mantendo a tradição de exterminar o domingo por conta de estudo ou de trabalho, passei o dia inteiro em casa, em Salvador-BA, estudando para a matéria “Comunicação e Política”, do curso de Jornalismo na Facom/Ufba.


05/05/05
Quinta, 2005

Dia inteiro em Salvador-BA sofrendo com uma gripe pesada. E a quinta 5 acabou com um término; à noite, o namoro da época definitivamente acabou.


06/06/06
Terça, 2006

Em Salvador-BA, pela manhã, prova da matéria “Comunicação e Cultura Contemporânea”, do curso de Jornalismo na Facom/Ufba - era a terceira e última vez que faria essa matéria dada pela professora Itania Gomes. À tarde, visitei a amiga faconiana Marla Barata na casa dela, e a resenha foi até o início da noite, quando vimos o momento cabalístico das 6h6min6s do dia 6/6/6. O mundo não acabou.


07/07/07
Sábado, 2007

Dilúvio em Salvador-BA; dia inteiro hibernando com a namorada da época. E o melhor do sábado 7 foi a noite, no show de estreia da banda Cerveja Café (montada por mim), dos amigos Rodrigo Damati, Marceleza de Castilho e Felipe Dieder, no tosco e extinto Nhô Caldos. Filmei algumas músicas e vários amigos foram ao show, que acabou sendo uma grande noite de rock, chuva e muita curtição.



Registro da farra do 7/7/7

08/08/08
Sexta, 2008

O oito de agosto me persegue desde 1988. Mas, diferente de 1998, a data de hoje não me rendeu um poema. Em Salvador-BA, na franca produção do Prêmio Bahia de Todos os Rocks (1ª edição), pela manhã me reuni com o apoiador Mob Tour, e à tarde, junto com o então sócio Marcus Ferreira (Putzgrillo Cultura), nos reunimos com a assessoria de imprensa do projeto naquela edição. E a sexta 8 terminou no restaurante mexicano Tijuana, pra selar a paz de mais uma briga com a namorada da época.


09/09/09
Quarta, 2009

Pela manhã, em Salvador-BA, trabalhei em casa na edição dos textos do blog do amigo Miguel Cordeiro (que mais tarde formatei em um esboço de livro, que não foi à frente). À tarde, fui trabalhar na rádio Educadora FM, e produzi o programa Especial das Seis dedicado ao disco “Hein?”, da cantora Ana Cañas. E a quarta 9 foi finalizada em casa, na TV, assistindo ao jogo da seleção brasileira contra o Chile, que aconteceu no estádio de Pituaçu, em Salvador (não quis comprar o ingresso por causa da fila gigantesca).



Músicas do Especial das Seis do disco "Hein?" - aperte o play!


10/10/10
Domingo, 2010

De bobeira em casa, navegando na internet, vi o momento singular das 10h 10min 10s do dia 10/10/10. O mundo continuou sem acabar. Típico domingão de sol lascando em Salvador-BA, fui à praia de Aleluia na companhia do casal Marcus Ferreira e Alana Barreto. Pra terminar o domingo 10, acompanhei-os no cinema do Iguatemi para assistir o ótimo “Tropa de Elite 2”.


11/11/11
Sexta, 2011

Um dia após a noite de estreia do Festival Brainstorm (única noite, a da quinta 10/11), acordei pilhado logo cedo para acompanhar a repercussão do evento na internet. Época muito difícil para minha família, com meu pai internado na UTI, levei e busquei mãe e irmã no hospital Jorge Valente, em Salvador-BA. À tarde, reunião Flica 2011 com a Berimbau Filmes, para análise do DVD oficial. E o fim da sexta 11 foi no hospital, contando as novidades do sucesso do Brainstorm para o meu pai (que ainda não estava inconsciente), trazendo mãe e irmã pra casa, capotando logo em seguida, exausto, triste, mas realizado.


12/12/12
Quarta, 2012

No dia em que o empresário Marcus Ferreira completou 29 anos, meu sócio na Putzgrillo Cultura de 2008 a 2012, véspera do 1 ano de falecimento de meu pai, Ildegardo Rosa, e 100 anos de Luiz Gonzaga, passei o dia inteiro trabalhando na prestação de contas da 2ª edição da Flica, a Festa Literária Internacional de Cachoeira. À noite, conferi os shows de Bruce Springsteen e Roger Waters no 121212 Concert ao vivo no Multishow - achei muito fraquinho, chapa branca total, e fui dormir.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…