Pular para o conteúdo principal

Perdi o meu mestre Hélio Pólvora

Com o mestre na Bienal em 2013. Foto: Edmilia Barros


Meu mestre, um gênio, um intelectual primoroso, um escritor de estilo único, um homem refinado, uma biblioteca de extensos volumes, o grande e hábil escultor do conto, Hélio Pólvora, faleceu hoje de madrugada. Luz, saudades extremas!

A última vez que estive com o mestre, junto com o amigo e também mestre Mayrant Gallo, foi em janeiro passado. Conversamos sobre literatura e cinema, e lhe mostrei a boneca do meu livro O grito do mar na noite, dedicado a ele. Não deu tempo pra lê-lo, mas ele ficou contente com a singela homenagem. Pois a sua obra permanece, e as boas lembranças também. E não há um dia sequer em que eu não revise meu trabalho com a sua esfinge ao meu lado me dizendo: melhora isso aí, Mirdad! - algo que a sua honradez nunca fez com palavras. Mayrant escreveu um belo texto em seu blog relembrando o encontro, leia aqui

De toda a obra do mestre Hélio Pólvora que li, o trecho abaixo é o que mais me impactou, retirado do conto Mar de Azov, que dá nome ao premiado livro lançado em 1986:

"O mar é um animal gigantesco que arqueia o dorso, rouqueja e bufa, rosna e geme ao seu lado, a seus pés. As ondas erguem-se a poucos metros em forma de vagas, cavalgadas por manchas de espuma que não tardam a quebrar — e ele tem a impressão de correr à beira de um túmulo líquido que poderá levantar-se de repente em forma de muralha e sepultá-lo."

Hélio Pólvora eterno! Leia a pílulas que selecionei de sua sensacional coleção de livro de contos aqui.

Saudade enorme, descanse em paz, grande mestre da cultura!

E, dos mestres que tenho, só me restou o amigo Mayrant Gallo, depois de perder Ildegardo Rosa, meu pai, André Setaro e Hélio Pólvora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…