Pular para o conteúdo principal

Livro Aeronauta (Mondrongo, 2020), de Ângela Vilma, org. Emmanuel Mirdad


Ahhh, que alegria!!! Tá publicado o livro “Aeronauta”, com as crônicas preciosas da escritora e professora Ângela Vilma, selecionadas por mim (depois de me inaugurar romancista em 2020, este é o meu primeiro trabalho como organizador/editor). Gosto tanto dessa obra, mas TANTO, que o meu desejo é dar de presente para todo mundo que conheço.

Especialmente as mulheres, as professoras, as pessoas que se emocionam e acreditam no amor, no riso, e que não se assustam com as angústias, as dúvidas, as aflições do ser humano, e que gostam de contemplar as memórias de uma brilhante contadora de histórias, para relembrar as suas, reviver a família, os pais, os irmãos, os amores esquisitos, os desencontros e as comédias.


É o material mais humano que já li na blogosfera (a seleção foi feita de posts no blogaço de Ângela, “Aeronauta” também), e que agora é materializado em papel, pela brilhante editora Mondrongo, de Gustavo Felicíssimo.

Comprem, comprem, comprem. Leiam, leiam, leiam. E deem de presente, indiquem, comentem. É bom demais, gente! Ângela Vilma é gigante como cronista, e só conseguiu isso porque é poeta. Lindo demais esse “Aeronauta”, 100% de aprovação, satisfação garantida, comprem aqui (disponível apenas no site da editora Mondrongo).

Tive a honra de escrever o prefácio para o livro, segue abaixo, na íntegra:


Sem medo de andar pelos abismos
Emmanuel Mirdad

Nascido em 04 de julho, uma quarta-feira de 2007, o blog Aeronauta. Uma autora anônima posta versos de Cecília Meireles e começa a arriscar os seus textos: “Agora é tarde: me rendi às tentações do mundo cibernético. Disse que nunca teria um blog, e aqui estou pagando a língua. Não queria, mas descobri que escrevendo sob os auspícios (palavra zombeteira) da internet, eu posso continuar sendo o que sempre fui: aeronauta. Vi que posso continuar sendo do ar. Aliás, depois que cedi à tentação, sinto que aqui estarei mais no ar... E lá vou eu, buscando caminhar nas nuvens, além da terra, tal qual Cecília”.

Depois de três postagens, começam a surgir os comentários. E ela circula em outros blogs, deixa as suas impressões e vai garimpando leitores. E escreve. Publica um texto após o outro na rede social do momento — inéditos oferecidos de graça no seu blog. Vasculha a memória e compartilha as lembranças da infância, as saudades, os aprendizados, as desventuras, os amores. É engraçada, debochada, sem filtros. Gosta de assinar como Aeronauta, apenas. “Este meu nome de batismo aqui vem da poesia de Cecília Meireles. De um personagem que se parece comigo. E que um dia descobre que não é feliz nem triste, humilde nem orgulhoso, pois não é terrestre”. Pfff... discordo! Essa Aeronauta é muito terrestre. É raiz. É árvore. E frutifica: a poeta se torna cronista. E ganha seguidores.

Quem lê, quer outro. Quer mais. Viciamos. Todos. A cada post, mais encanto. Martha, Nilson, Carlos, Mônica, Lívia, Kátia, Lidi, Elieser, Wesley, Tom... são tantos escritores que admiram a Aeronauta. Eu sou fisgado também. A morte da tia Corina, os crótons e a pretensa suicida, os vestidos curtos de ver a calçola cor de rosa; a professora que ama [apaixonadamente] os alunos, o pé de carambola do quintal, a máquina de escrever Drummondina a imitar Clarice; o lirismo do pai, a mãe que jamais trocaria o rádio pela TV, o cinematográfico velório/funeral do avô. 68 posts em 2007. E muitas emoções. “Faço apenas apologia à possibilidade de poder transformar minha infelicidade em alguma coisa”. Oh, Aeronauta, e como você transformou!

Quase duzentas postagens em 2008. E a sertaneja registra o encanto perdido da noite de São João, após a morte do pai herói. Também foi escrevente de cartório, que escondia na gaveta um livro e uma caixa de chocolates. A mulher que sempre teve uma certa queda pelo grotesco [“A beleza física não me comove tanto quanto a feiura”], cuja amiga abusiva da infância a fez sentir, até hoje, que é descartável para os amigos. Não é. Afinal, você fez [e faz?] terapia “para descobrir todos os meus abismos, e andar por eles sem nenhum medo”.

Mais de cento e cinquenta posts em 2009. E nos afeiçoamos pelo namorado magrelo e feio, muita empatia pelo namorado gordo, alto e torto, e a alegria pelos amarelinhos, o primeiro livro publicado. Você, que vem de uma família que “todo o amor do mundo nos foi dado sem necessitar de um abraço e de um beijo”, e leva Clarice nos ossos, com uma ternura absoluta por São Paulo, escreve um post que Machado de Assis pensa em ressuscitar só para ter o prazer de ler. Como ainda não morri, e tenho a sorte de degustá-lo quando quiser, peço licença ao bolso do seu editor para transcrevê-lo na íntegra. Recebam a obra-prima da Aeronauta, um spoiler necessário: “Sou uma mulher machadiana, silenciosa e entrada em anos. Minhas mãos não têm mais a suavidade dos vinte, e a conversação que proponho é tímida, reticente, sem qualquer esperança. Ganhei com o tempo um rosto severo, com marcas delimitadas pelo espelho mais cruel. Nele, nem o meu sorriso é como era: quando se abre, uma nuvem se aproxima em confidência íntima, eterna. Meu corpo sem filhos ganhou o contorno dos rios já vividos, sinuosos e vastos, e nas frestas de minha pele habitam peixes como se no aquário estivessem. Veias partidas aparecem nas minhas pernas, condenando-me à mais primitiva das belezas, à ternura das mais antigas pedras. Meus cabelos, como plantas aquáticas, crescem, crescem, e fios brancos despontam, pálidos, errantes. Tudo em mim é natureza se transformando, árvore plena carregada de troncos”.

UAU! Bravo!!! Chega até me esqueço de quando a Aeronauta se revela Ângela Vilma para nós, os seus leitores. Só sei que a cronista-poeta [nessa ordem porque sou mais fã da sua prosa poética que dos versos] publica mais de cem postagens em 2010, gravando uma das nossas piores sinas: “Todos, em algum momento do dia, se curvam, flexíveis, diante da dor. E todos, inexplicavelmente todos, estão definitivamente perdidos”. A perdidaça predileta desse perdidaço aqui nos presenteia com a experiência kafkiana num consultório médico & a homenagem à irmã forte, com dentes pretos e cabelos curtos [“o retrato mais inteiro que tenho do humano, nas suas fissuras comoventes de força, transgressão e afeto”]. Ângela raiz que voa Vilma e vaticina: “Deve ser essa a frustração máxima do homem, e mais ainda do escritor: não ter nunca a totalidade, a unidade de si mesmo”.

Dois mil e onze, a produção começa a diminuir. São menos de cem publicados. Entre tantos, a máxima: “Devia ser essa a ambição de todo homem, em toda e qualquer instância: sair do senso comum”. Armaria! Ensina mais, professora! E eu consigo ouvir as suas gargalhadas que preenchem uma casa, a narrar as suas desventuras na vila desvirtuada do Capão. “Há muita bestagem nesse mundo”. Oxe, e é, é? Só há, ha-ha. Por isso, o belo. Você vem e produz o belo na forma de homenagens aos mortos: Salvo, o carteiro negro; Celeste, a menina-morta mais antiga. E reafirma, contra os que tentam plastificar a existência, que o amor é secreções & odores & pele na pele, na chapa: “Adoro o cheiro de suor dele, o chamado suor vencido, que vem de suas axilas sem desodorante. Gosto de seus pés sujos de andar pelo mato, seus pés grossos e calosos, endurecidos como seixos graúdos. Me apego demais a seu hálito fresco de dentes não escovados”.

Somando as publicações de 2012 e 2013 dá quase 150. E Ângela Vilma cada vez mais afiada: “Para a maioria das pessoas é mais fácil mandar e obedecer de que tentar estabelecer uma relação de confiança com o outro; e confiança e de afeto; e de compreensão”. As mudanças do corpo ao envelhecer, a vida de uma dificuldade pavorosa na cidade, a mais delicada declaração de amor que recebeu de um homem, a professora que quer libertar o aluno do condicionamento [da prisão sem tormentos, sem anseios visíveis de alma, sem inquietações humanas]; são muitos encantos. Que repertório! E, no dia do meu aniversário em 2012, Ângela Vilma publica o texto que mais gosto do Aeronauta: “O poeta da roça”, uma belíssima homenagem ao pai, sertanejo & morto como o meu.

A partir de 2014, a cronista-poeta & professora dá um tempo, uma postagem aqui e acolá, ensaios pela volta que não se firma. Ela desiste do blog, como muitos fizeram. Já o doido-eu, não. Surge 2019. De saco cheio de ler livros, volto a fuçar as crônicas da Aeronauta, a meter a peneira do mestiço e gerar umas seletas para o meu blog [que já gosta de alumiar a excelência do trabalho de artistas com talento]. Gosto tanto desse garimpo que peço permissão à escritora. Ela autoriza. E eu edito um PDF como se fosse um livro. É uma missão: essas preciosidades da sertaneja não podem ficar mais no limbo da blogosfera. Precisamos imprimir em papel, fazer circular, chegar nas pessoas! Porém, o plano de publicar não dá certo. No pandêmico 2020, a sincronia revela o motivo: é preciso acontecer o livro “Aeronauta” na editora baiana Mondrongo, a casa da poesia de Ângela Vilma, que agora acolhe e divulga as suas deliciosas & emocionantes crônicas. E a Aeronauta arremata [exclusivo no blog]: “Só através da literatura saio da inutilidade, e consigo ir além de mim, além de toda a mediocridade, além de toda essa vida sem graça”.

Salvador da Bahia, 29 de novembro na pandemia 2020.
O garimpador desta edição.


Gustavo Felicíssimo, escritor e editor da Mondrongo, escreveu a bela orelha:

“Não posso, como editor, iniciar esse breve texto sem aplaudir o empenho de Emmanuel Mirdad na seleção e organização das crônicas que formam essa obra de Ângela Vilma, isso, deixemos bem claro, sem que ela ao menos desconfiasse. Explico: a autora publicou suas crônicas por anos em um blog que dá título à presente obra. Então, percebendo toda a potencialidade do que ali estava esquecido, visto que há muito a autora não publicava mais nada naquele espaço, ele resolveu revirar o conteúdo e dar ao que foi selecionado a unidade de livro. Tanta dedicação merece, de fato, os nossos melhores elogios.

Quanto às crônicas de “Aeronauta”, sou tentado a dizer que são fundadas em uma estética moderna, a autora atenta aos detalhes aparentemente mais ínfimos do cotidiano, aos fenômenos efêmeros, seus sortilégios mais íntimos, sem deixar de legar-lhes um olhar de poeta e ficcionista ao mesmo tempo.

Aqui, após algumas leituras e reflexões que me colocaram frente a frente com o espanto, ouso afirmar sem medo de tropeçar nas comparações mais tolas, que Ângela Vilma se alinha no plano estético a renomadas escritoras que firmaram seus nomes no panteão da crônica brasileira, como Cecília Meireles, Lygia Fagundes Telles e Clarice Lispector. Todas elas, senhoras de admirável consciência literária e estética.”

Compre o livro aqui

Selecionei trechos do blog Aeronauta aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor