Pular para o conteúdo principal

Clipe “My Agony” — Jahgun


Um sentimento de inadequação, de não pertencer a nenhum lugar, de não se encaixar em nenhuma panelinha, e a vontade de viajar sem rumo, para longe das mentiras das redes sociais, é desejo de “My Agony”, o novo single do álbum “Silent Dreams”, do cantor Jahgun, reggae star de Los Angeles. É um roots reggae ao estilo Bob Marley & The Wailers, com backing vocal feminino, batera one drop, escaleta & teclas, e Jahgun com sua voz cristalina, gruvada, cheia de sentimento e emoção, faz de “My Agony” um clamor contra as mentiras de uma sociedade consumida pela positividade tóxica.

My Agony” foi gravada na Bahia e em Los Angeles, produzida por Emmanuel Mirdad (que também é o compositor da música) e Átila Santana (multi-instrumentista que toca as guitarras e teclas da faixa), e conta com a participação especial da lenda-viva do reggae Fully Fullwood, jamaicano do Soul Syndicate, no baixo, e a enciclopédia do reggae Iuri Carvalho na bateria, e a cantora Zanah no backing vocal.

Confira o clipe de “My Agony”, dirigido por Jahgun, gravado na Califórnia:

Veja no YouTube aqui

Directed by Jahgun

Camera 1: Patience Owusu-Ofori (Amma)

Camera 2: Jahgun 

Video produced by William Aragão | Wiin Cine Producer

-----

My Agony
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-22-00006

Ever since I tried to be normal
I feel a useless pain
I don’t fit, I don’t belong here
My spirit wanders among the patterns

It doesn’t work believing in nothing else
While everybody is sleeping
I see my life being wasted for nothing
For everything that’s bad and false

Today I want to fly away
‘cause I’m tired and suicidal
Tonight I’d like more affection
‘cause I’m broken with a silent soul
A poet with a terrible lie:
“I don’t fit, I don’t belong here”

The vice of being oppressor
Changes my sleep with agony
Wants to break my illusion of awakening
Actually the truth is a deception

If you look at social media
Our life is a perfect life
But I recognize that’s all false
And I think this is a boring truth

Today I want to fly away
‘cause I’m tired and suicidal
Tonight I’d like more affection
‘cause I’m broken with a silent soul
A poet with a terrible lie:
“I don’t fit, I don’t belong here”

-----

Jahgun
(voice)

Átila Santana
(guitars, melodica, piano & hammond)

Fully Fullwood
(bass)

Iuri Carvalho
(drums)

Zanah
(backing vocal)

Produced by Emmanuel Mirdad & Átila Santana

Recording, mixing and mastering:
Átila Santana at Ilha de Criação, Salvador, Bahia, Brazil

Single “My Agony
(Surforeggae, 2022)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav