Pular para o conteúdo principal

Podcast K7 #01 - Txhelo Castilho


Bloco 01 (Pinturas e Ilustrações)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/109435230/9540bed9/PodcastK701_TxheloCastilho_Bloco01.html

Bloco 02 (Música e Cinema)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/109436367/65241ae6/PodcastK701_TxheloCastilho_Bloco02.html

Bloco 03 (Paranóia e Êxodo?)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/109437275/2b4f47d9/PodcastK701_TxheloCastilho_Bloco03.html

Bloco 04 (Arte pela Arte e Indicações)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/109438931/1c78b973/PodcastK701_TxheloCastilho_Bloco04.html

Problemas para baixar? Entre em contato: elmirdad@yahoo.com.br

ATENÇÃO: Só clique no botão "Click here to start download" e no "Download Now", e apague o pop-up.

...
Programa #01
Txhelo Castilho

Multifacetado artista.

Leonino, soteropolitano, 26 anos (1982), estudante de cinema da FTC, que caminha pelas diversas artes. Já fez filosofia e design, fundou e tocou na Pangenianos, é guitarrista da banda Cerveja Café, faz pinturas de expressionismo geométrico, canções, textos, curtas, direção de arte e pesquisa a arte como um todo.

Txhelo Castilho indica para ouvir a OSBA no TCA nas quartas, assistir qualquer espetáculo de dança, e contemplar o visual da Baía de Todos os Santos no barzinho em frente da Cruz do Pascoal, no Santo Antônio Além do Carmo, à noite.

“Gosto de conhecer, tenho que experimentar. É fascinante o mundo da arte”.

“Almejo ganhar dinheiro, me sustentar, caminhar no mundo real, trabalhando em alguma vertente artística”.

“Quero produzir o máximo que puder, ter um acervo em todos os campos da arte”.

“A arte é uma das poucas maneiras de se colocar para a eternidade. A vida após a morte são os seus registros artísticos em vida”.

“A pintura foi o meio que fez desenvolver mais o meu olhar para todos os campos artísticos. É uma das únicas coisas que, quando estou fazendo, não penso em nada. É meditativo; quando você se debruça, você não tem nada, nem alegria, nem tristeza. É o nirvana”.

“Não existe técnica definida. Me aventuro com tudo: aquarela, óleo, pastel, arte gráfica, digital”.

“Não sei como conceituar meu trabalho, nem sei exatamente a quanta vai a pintura contemporânea. Acho que o mundo hoje está muito digitalizado e às vezes quando estou pintando, estou me sentindo um primata, fazendo uma arte primitiva, colocando tinta na tela. Mas a desenvoltura artesanal é uma coisa insubstituível, de certa forma”.

“O nosso tempo é muito confuso para ser conceituado ainda”.

“Eu fiquei desestimulado com o mundo da música. A gente não ouve muito a música acadêmica, de pesquisa, própria do nosso tempo. A gente ouve coisas que já estavam prontas séculos atrás”.

“É fácil ganhar dinheiro com música. Só tem que fazer a música do mercado, entrar na dança da vez. Não dá pra querer que o mercado consuma qualquer coisa que você fizer. É como fazer um suco amargo e querer que as pessoas consumam”.

“Essa síndrome de Rock Star que os jovens músicos adquirem é uma falha na educação musical”.

“Hoje em dia o rock é uma coisa difícil pra ouvir com tesão. A música brasileira é muito mais atraente. Querer ser rocker no país do carnaval é meio estranho. Isso é uma coisa própria da classe média”.

“Os gêneros musicais não podem ser reféns de um ou outro compositor”.

“O cinema é uma arte completamente ingênua ainda. O cinema não pode ser refém de contar uma história. O cinearte tem que extrapolar o cinema como a dança contemporânea arrebentou com o balé clássico e a pintura moderna com o renascentismo”.

“O nosso tempo são todos os tempos. É o tempo da confusão, com a informação da produção de tudo que já aconteceu, que acontece. E a humanidade ainda não sabe o que fazer com tanta informação”.

“Não caiu a ficha do poder que se tem com a Internet”.

“O que é a arte no nosso tempo? É difícil de enxergar, é uma confusão muito grande”.

“Não me sinto oprimido pela Bahia. Quando eu produzir algo que tiver êxito comercial, pode ser feito aqui ou em qualquer lugar”.

“O cinema é mendigo do dinheiro do Estado. Isso é irritante mesmo!”

“A Internet é um meio que vai sanar o problema da distribuição”.

“Dança é uma das coisas mais sublime da arte para mim”.

“Sempre há o que fazer com tudo já feito. Ainda que seja botar tudo no liquidificador. E a viagem é refazer”.

-----

Onde encontrar Txhelo Castilho:
www.fotolog.com/pontoelinha e www.myspace.com/cervejacafe

-----

Ficha Técnica Podcast K7 #01
Gravado em 25.04.2009, Salvador-Ba.

Direção, produção, entrevista, gravação, edição, montagem, vinhetas e locução: Emmanuel Mirdad.
Trilha sonora: Curtas e Poemas, Reflexo Pesadelo, Noturno e A Esposa Impossível, Mirdad - Harmonogonia (2008).

Trilha das aberturas e vinhetas: Lost Mails, The Orange Poem - Psicodelia (2008).

Fotos: 01 - ?; 02 - Tiago Expinho; 03 - Txhelo Castilho

.

Comentários

Vitor Andrade disse…
Gostei do espaço. Gosto doce de arte!
Forte abraço!
Mirdad disse…
Obrigado! Fique à vontade! Abs.
Ted Simões disse…
de fuder, man. grandes colocações de txhelo!
abração!
Cebola disse…
Salve Marceleza, expressiva voz de liberdade nas fechaduras egocêntricas do mundo artístico. Merecida estréia!
Abraços
Anônimo disse…
muito bom, parabens!
tem outras pessoas que gostaria de ver aqui como ronei jorge, paquito, bruno carvalho, fabio cascadura, sputter (the honkers). gnt q tem algo a dizer.
abraço
Z, disse…
Muito bom , man !

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…