Pular para o conteúdo principal

Resenha: Bienal 2009 - Praça de Cordel e Poesia, 20.04

Wesley Correia, Sérgio Silva e Emmanuel Mirdad, por Rodrigo Minêu

Ontem eu tive a oportunidade de apresentar um pouco do meu trabalho (no caso, do livro Deserto Poema) na 9ª Bienal do Livro Bahia, mais especificamente, na Praça de Cordel e Poesia, ao lado dos poetas Wesley Correia e Sérgio Silva.

Não recebi orientação alguma do que fazer, e como não tinha ido ao evento até ontem, não fazia a menor idéia da sistemática da tal praça. Ontem à tarde, preparei uma ordem específica de apresentação dos poemas, e separei o que iria falar de mim e dos contextos que os tais poemas foram escritos. Aí, lá fui eu, ingênuo, achando que seria um bate-papo para gatos pingados interessados no assunto.

Nada disso. Na nossa frente, uma geral do Maracanã, de tudo que é idade, interesse e presença, e que no início de tudo, estava mais interessada em descansar nos "pufs" da praça. E eis que o colega Sérgio, jovem artista tarimbado nas ruas de Salvador, começa a sua eufórica apresentação de declamador teatral. Drummond. Fudeu. Que diabos estou fazendo ali, num calor desgraçado, sentado em um banco cenográfico, sentindo-me um pato de tiro ao alvo? Não sou declamador, não participo de recitais, não gosto de proliferar o que já foi dito. E o mais importante: não tenho poema algum decorado em minha memória de 1 terabyte. Nem faço questão. Porém, reconheço o valor de quem faz isso com tanta paixão e fervor, como o Sérgio fez. É importante que existam e sobrevivam figuras assim como ele.

O que fiz? Implodi meu roteiro. Então, tive que repensar rapidamente toda a minha apresentação. E comecei com Livrai-nos do Botox, Matusalém!, pedindo humildemente desculpas por apresentar meus poemetes. E assim baseei a exibição, contextualizando os versos, em voz forte, sem a teatralidade dos gestos. Acostumei-me com o trânsito das pessoas, dediquei poemas a amigos como Marla Barata e Rodrigo Minêu, e recitei o belíssimo Diálogo, de JIVM, o poema que mais me emocionou até hoje.

E tive sorte. O talentoso colega Wesley não embarcou nesse sistema de representação (pra mim, falho, mas que tem o seu valor que deve ser resguardado), e foi parceiro, apresentando seus belos poemas, contextualizando-os também. E esse gesto bom de louvor à produção salvou-me também.

No final de tudo, adorei a experiência, e senti-me um vitorioso, por ter tido a coragem e a rapidez de mudar tudo que tinha esquematizado, e de ter escolhido os poemas certos nas brechas que Castro Alves, Gregório de Matos e Drummond me deram. Obrigado, Wesley, e sua poesia é massa! Vou ler teu livro. E acho que algumas pessoas gostaram do que fiz. Devo ter tocado ao menos um.

Pra quem desconhece o belíssimo poema Diálogo, aqui vai:

O chocalho, no pescoço
da vaca, anuncia:
- Eu estou aqui!

O relógio, na parede
da cozinha, adverte:
- Não escaparás!

José Inácio Vieira de Melo
A Infância do Centauro (Escrituras - 2007)

.

Comentários

Emmanuel,

adorei pato de tiro ao alvo,rsrsrs. a verdade eu vou te falar, fico super nervoso cada vez que me convidam para estes eventos, suo morno, tenho taquicardia, sinto tremores, depois passa, fica mais confortável. não sei como José Inácio consegue memorizar tanta coisa, fico pensando em que momento ele faz isso. eu não consigo gravar nem meus poemas mais curtos. Sérgio e Edigar Vellame são atores, impossível competir com eles, mas acho que nossa atuação introspecta e mística sacudiu muita gente. fiquei pensando no lance do botox e na história da mulher que sofreu a perda de um grande amor. eu sou estas palavras. vê se me liga.

wesley correia
Mirdad disse…
Grande Wesley, obrigado pela visita!
emmibi disse…
ei.

mto bom te ver, mesmo correndo.

me colocou no esparro né? =p

amei.

não vi Mineu lá. =[

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…