Pular para o conteúdo principal

Podcast K7 #07 - Ras Sidney Rocha

ilustração por Muin


Bloco 01 (Raízes e Ser Rastafári)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/110562859/7008050c/PodcastK707_RasSydneyRocha_Bloco01.html

Bloco 02 (Nova Flor e Distorções da Bahia)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/110563528/f82a576b/PodcastK707_RasSidneyRocha_Bloco02.html

Bloco 03 (Cenário Reggae e Poesia)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/110564507/c77410c1/PodcastK707_RasSidneyRocha_Bloco03.html

Bloco 04 (Retorno à África e Espiritualidade)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/110565680/2b33d656/PodcastK707_RasSidneyRocha_Bloco04.html

Problemas para ouvir ou baixar? Entre em contato: elmirdad@yahoo.com.br

ATENÇÃO: Pra baixar, clique no botão azul "Download Now". Pra ouvir, clique na barra cinza acima do botão azul, no primeiro botão à esquerda.

...
Programa #07
Ras Sidney Rocha

Ativista e Músico.

Taurino, natural de Salvador, de maio de 1968, é formado em Teologia e ativista do Movimento Rastafári da Bahia desde 1985, sendo o atual diretor da Associação Cultural Nova Flor, que funciona em Salvador há quatro anos, e é voltada à consolidação do Movimento Rastafári enquanto movimento sócio-cultural, político, filosófico e espiritual.

Ras Sidney Rocha também é músico percussionista e compositor, fundador da banda Kebra Nagast, na ativa desde 2004, mas sua ligação com o reggae tem mais de 20 anos. Escritor e poeta, possui um livro de poemas em via de publicação, intitulado Infinito, que vai sair, de forma independente, até o final de 2009. Por fim, o multi-rasta de Rocha ainda é artesão, especializado em produtos derivados do coco, de colares até porta-jóias, que estão disponíveis só por encomenda, o que lhe rendeu, entre outras coisas, um intercâmbio cultural na França e na Suíça em 2003.

Sidney Rocha indica para ouvir Bob Marley, Peter Tosh, Ijahman, Burning Spear, Jacob Miller, Márcia Griffiths, Rita Marley; ler a Bíblia; assistir O Nome da Rosa, de Jean-Jacques Annaud; e contemplar a vida, a natureza, a nós próprios, a Jah, o criador.

“Eu sou servo de Jah, o Altíssimo, voltado para as coisas do Alto, tentando manifestá-las aqui no mundo”.

“Almejo um mundo mais justo, uma sociedade igualitária e fraterna”.

“Então, Marcus Garvey tem uma frase muito importante: ‘O homem que não conhece o seu passado, sua cultura e sua história é como uma árvore sem raízes’. Infelizmente a maioria das pessoas daqui na Bahia, que são afro-descendentes, por diversos motivos, não conhecem a sua história; por conta disso, discriminam o rasta. Mas esse processo está sendo desmistificado”.

“A gente está muito tranqüilo a cerca dessas pressões, discriminações, até porque as projeções que geralmente as pessoas fazem, é atribuir aos outros seus próprios desejos e sentimentos. Então, o problema não está com a gente, e sim em quem nos discrimina. Mas nos sentimos na obrigação de desmistificar essas coisas, para que tenhamos uma sociedade mais igualitária e justa, e conseqüentemente, uma sociedade onde reine a paz”.

“Infelizmente aqui acontece muita caricatura. Pessoas que tem os cabelos grandes absorvem a denominação de rasta, quando não tem nada a ver com o movimento. Isso tem influenciado de forma muito negativa. E o Rastafári não está só na questão estética”.

“Para mim, a melhor maneira de se conhecer um rasta, é pelas suas ações”.

“É interessante nos concentramos e adentrarmos aos conceitos históricos. As pessoas não esquecem de ressaltar a nobreza da rainha da Inglaterra, por exemplo. Mas quando se trata de um rei etíope, negro, pouco se fala, ou quando se fala, é de maneira pejorativa. Então, é interessante sim ressaltar todos esses títulos, essa linhagem, porque as coisas não acontecessem por acaso”.

“Hailé Selassié é um atributo divino, o poder da Santa Trindade. Aí está uma das grandes confusões. Muitas pessoas vêem Tafari Makonnen como um Deus. E ele sempre disse que não era. Mas ele tinha uma porção divina dentro dele, o poder da Santa Trindade. Como eu tenho, como todos que acreditam em Yeshua. E isso é questão de fé, deve ser respeitado”.

“A minha verdade está me renovando a cada instante”.

“Na maioria das vezes as pessoas vivem muito na superficialidade, baseada no ter. Nós rastas buscamos a nossa essência, ou seja, o ser. Mas isso não quer dizer que não tenhamos. O Movimento Rastafári não faz uma apologia à auto-comiseração, ao contrário do que muita gente fala. E é interessante possuirmos as coisas, e não sermos possuídos por elas”.

“Nós (Associação Cultural Nova Flor) temos um calendário anual, o Reggae em Movimento, composto por: Seminário Mulher em Foco (março), Seminário África Mãe (março), Seminário Um Povo, Uma Luta, Um Destino (agosto), Seminário Rastafári e Consciência Social (dezembro) e Seminário Música Reggae, Veículo de Transformação Social (flexível), além da Biblioteca Marcus Garvey e diversos cursos em fase implantação. Ou seja, temos uma estrutura que proporcionam uma transformação social”.

“O principal inimigo a vencer são os inimigos internos. E a paz só vem a partir de uma percepção interior e espiritual que transcende a tudo”.

“Não basta só falar, nós temos que praticar”.

“O que eu percebo aqui em Salvador é que as pessoas tentam desvencilhar a música reggae do Movimento Rastafári. Não vão conseguir. Há muitos anos que esta tentativa é explícita; os meios de comunicação, salvo exceções, colocam o reggae como se fosse uma coisa solta, como se não tivesse um fundamento”.

“Eu não posso negar o fato que ocorre, não só na Bahia, que a música reggae tem sido tocada com pouca responsabilidade. A maioria dos grupos só toca reggae. É diferente de um grupo rasta, que vive o reggae”.

“Salvo algumas exceções, é incrível: todos os estilos musicais tocam nas rádios, mas o reggae não toca. Quando toca, é nos programas especiais. Então, tem alguma coisa errada, em uma cidade com uma população imensa de afro-descendentes, que tem um público altamente consumidor da música reggae”.

“Alguma coisa tá desarmonizada com essa dita pretensão de que a música reggae vai bem na Bahia. Que bem é esse, que só existem determinados grupos que são colocados em evidência? A gente percebe nitidamente que não é dispensado o mesmo tratamento pra quem faz o reggae mais compromissado com a questão política, social, cultural e espiritual, e outras pessoas que fazem o reggae light”.

“O lugar da minha poesia começa na influência da galera do movimento dos Poetas da Praça. E a minha função é tentar captar as coisas que acontecem na vida e transformá-las em poesia”.

“A África está dentro de cada um de nós. E o mais importante é você estar cônscio de quem você é, de onde você veio”.

“Às vezes eu ouço determinadas citações de África como se fosse apenas um país. A especificidade e diversidade da África é uma coisa incomensurável. E é uma irresponsabilidade muito grande querer falar de África como se fosse uma coisa homogênea, o que não é”.

“Religião é composta, na maioria das vezes, de alguns elementos como: símbolos, a(s) divindade(s), os rituais, as doutrinas ou leis divinas. Ou seja, se a gente analisar, na essência da coisa, Rastafári tem tudo isso, como os símbolos Leão Conquistador da Tribo de Judá e Estrela de Davi, a forma de cultuar do Nyabinghi, a divindade Jah, Hailé Selassié, dentre outros elementos. Rastafári é religião, porque religião é vida”.

- Sobre a afirmação de André Setaro, no K7#06, de que ‘o homem, que passa por um sofrimento, se engrandece’: “Acho que é normal, faz parte do processo de vida do ser humano. E as pessoas que forem sábias, passarão por esses momentos adversos e realmente virão a crescer, a dar bons frutos”.

“Há muita coisa que se fazer, porque tudo se renova a cada instante”.

“Cada um viaja da maneira que achar mais interessante. Eu gosto de viajar de avião, que é mais rápido. Outro viaja de navio, outro de bicicleta, e é cada um na sua viagem”.

“O movimento ou religião Rastafári é uma coisa muito simples, ao mesmo tempo complexa”.

-----

Onde encontrar Ras Sidney Rocha:
www.myspace.com/kebranagastreggaemusic e www.nova-flor.blogspot.com

----

Escute a banda Kebra Nagast, com a música de mesmo nome:

www.4shared.com/file/110566194/22bf9a65/PodcastK707_KebraNagast_KebraNagast.html

- download free autorizado, exclusivo -

-----

Ficha Técnica Podcast K7 #07
Gravado em 05.06.2009, Salvador-Ba.

Direção, produção, entrevista, gravação, edição, montagem, vinhetas e locução: Emmanuel Mirdad.

Trilha sonora: PsiK7 Experiênça 01 a 04, Mirdad - PsiK7 I (2009).

Trilha das aberturas e vinhetas: Lost Mails, The Orange Poem - Psicodelia (2008).

Fotos: 01 - Divulgação; 02 e 03 - Mirdad.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…