Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Nem mesmo os passarinhos tristes, de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: Cosac & Naify - interferida por Mirdad)


"Disse que ia sair para comprar cigarros... E o fez mesmo. Voltou para casa e está dormindo" (pg. 98)

------

"Sonhou que transava com três mulheres. Mais: que as satisfazia. Acordou, e nem a esposa estava ao seu lado" (pg. 134)

------

"Foi somente quando se deu conta de que não podia mais ser pai e já não era mais filho que ele foi feliz" (pg. 12)

------

"Por distração ou descuido, parado na esquina, o homem perdeu um dos lados do rosto na carroceria de um caminhão. Mas não há infelicidade que não se desmanche, em parte ou em todo: a esposa, em casa, pensou que ele fosse outro e o levou direto pra cama" (pg. 78)

------

"Por vários dias admirou aquela modelo-viva na vitrine. Quando soube que não era viva, não deu a menor importância. Voltaria lá tantas quantas vezes quisesse sua lembrança" (pg. 66)

------

"Aqueles que sentados no bar bebem não bebem porque querem. Bebem porque, colados às cadeiras coladas ao bar, nada lhes resta senão. São sempre os mesmos que vejo quando passo, ontem e hoje, na ida e a volta, e também nos dias posteriores. São sempre os mesmos, e eu o mesmo em movimento à margem deles – o que talvez não represente nenhuma vantagem, pois vou andando para o abraço da morte, tanto quanto eles que, parados, correm" (pg. 59)

------

"Anos mais tarde, quando retornou – fatigado de sonhos, barba branca, ar cansado, dois filhos à frente, outro no braço, uma segunda mulher –, sua mãe, como um antigo retrato à parede, ainda o olhava como antes" (pg. 15)

------

"Não, não queria ser a foto que ele guardaria na carteira... Nem aquela outra que ele poria, mais tarde, em sua mesa de trabalho... Menos ainda a de uma mulher grávida, de expressão fatigada e azeda (...) Melhor seria tomar um trago e dar um trepada" (pg. 76)

------

"A mãe não é somente o lugar de onde se veio. É também para onde não se deve voltar" (pg. 52)


Mayrant Gallo
(Multifoco/2010)


"Vi um bêbado andando em volta de uma árvore.
Parei e perguntei por que fazia aquilo, por que rodava em volta da árvore. Queria ir para casa, disse, e se andasse reto daria voltas e voltas... Depois de um silêncio – ou de um afastamento decisivo – em que seus olhos por pouco não se fecharam, concluiu:
– E a não ir prefiro não ir" (pg. 10)

------

"Quando a mãe do astronauta soviético Yuri Gagarin soube, por sua sobrinha, que o filho estava em órbita no espaço, olhou de lado para a distância e comentou: 'E Valentina sozinha em Moscou com duas crianças...'" (pg. 25)

------

"No circo, às escondidas, o palhaço e a menina... Na vida, depois que ela cresce e se perde, nem ele se arrisca. Mas ela comparece ao cemitério – vestida" (pg. 33)

------

"Mesmo em companhia de tantas pessoas, é sempre doloroso chegar ao parapeito de uma sacada. Lá embaixo, as verdades ferem. Pior ainda é olhar para cima e não perceber, no prédio em frente, à janela, a morte – disfarçada e pura" (pg. 61)

------

"Depois da tempestade, vêm as crianças – que correm, brincam e pulam, olhos que são, literalmente, as últimas gotas de chuva" (pg. 64)

------

"E o menino, ingênuo, pôs sua meia na janela, esquecido de que meses antes, quando se mudaram para aquele apartamento – no décimo-segundo andar –, o pai instalara telas em todas as janelas" (pg. 123)

------

"'Se você pudesse voar, eu não existiria'.
O passarinho voou. Ele não" (pg. 86)

------

"Era um casanova genuíno. Deixava-se um pouco em cada corpo.
Até que desapareceu de todo" (pg. 24)

------

"(...) ninguém jamais está só, não verdadeiramente, embora todos estejam sozinhos – como pregos na parede" (pg. 46)

------

Leia o texto "Carta aos passarinhos tristes", da professora, poetisa e editora Lidiane Nunes, aqui

Comentários

Gostei bastante de "Nem Mesmo os Passarinhos Tristes", li rapidamente, estou a me dever uma nova leitura.
Por vários dias admirou aquela modelo-viva na vitrine. Quando soube que não era viva, não deu a menor importância. Voltaria lá tantas quantas vezes quisesse sua lembrança.

está sublinhado no meu exemplar :)
Mayrant Gallo é muito bom...
É preciso ler mais, falar mais sobre as obras dele.
Eu mesma estou devendo um bom texto mas o tempo está conspirando.

Admiro muito, fã de carteirinha.
Lidi disse…
Mirdad, só hoje, pesquisando na internet, me deparei com o meu texto aqui no seu blogue. Obrigada. Quanto ao Mayrant, é um grande amigo e um grande escritor. Eu também sou fã. Ah, gostei do que fez com os posts dele do Contramão. Deve ter ficado show. :) Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…