Pular para o conteúdo principal

A importância dos editais

"Aleluia" - Cascadura


A importância dos editais da Secult/BA se traduz no melhor disco lançado no Brasil em 2012: "Aleluia" (foto), da banda baiana Cascadura. Eles foram contemplados no edital de 2009, "Apoio à produção de conteúdo em música", da Funceb, na categoria principal, com R$ 80 mil. Uma soma importante na época, questionada por muitos se uma banda de rock deveria ganhar sozinha esse valor.

Pois bem, contribuinte, a prestação de contas taí, disponível para download gratuito: http://bandacascadura.com/aleluia/ e, por R$ 30, você leva o álbum duplo pela Garimpo Discos.

O nosso dinheiro possibilitou que o brilhante compositor Fábio Cascadura pesquisasse e compusesse canções inéditas inspiradas na cidade de Salvador, até então sumariamente esquecida por sua classe artística. Proporcionou também que a banda voltasse a trabalhar com o excepcional engenheiro de som e produtor Andre Tavares, que deu o melhor de si e criou uma identidade única e harmônica para um álbum com tantas sensações musicais distintas. Proporcionou um acompanhamento claro e detalhado do processo de gravação do álbum via o blog "A Ponte". Proporcionou a corajosa reinvenção de uma das mais importantes bandas de rock da Bahia, com 20 anos de história e na ativa com relevância, após sua mais famosa fase, a Bogary, que lhe trouxe reconhecimento nacional, ao promover o encontro com a percussão, sopro e cordas, o que não seria possível caso não tivesse ganho os R$ 80 mil. Por fim, proporcionou ao público um discaço, o melhor e mais importante (até então) do Cascadura, um trabalho feito com seriedade e compromisso com o dinheiro público e com a cultura do nosso Estado.

Os editais não são o objetivo final, mas são instrumentos importantíssimos para a consolidação, a longo prazo, de uma indústria cultural de relevância na Bahia. Parabéns à Funceb e Secult por disponibilizar o meio e a verba, à comissão que sabiamente selecionou o projeto da banda na categoria principal, e à Piano Forte e banda Cascadura pela seriedade e competência ao materializar uma ideia/projeto no melhor álbum de 2012 e um dos mais importantes dos últimos tempos na cultura baiana.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…