Pular para o conteúdo principal

Leituras 2016

Os 63 livros lidos em 2016

Dentre os 63 livros lidos em 2016, selecionei passagens em 37 livros, com destaque para os contos de Aníbal Machado, Domingos Pellegrini, Conceição Evaristo, Marina Colasanti, Otto Lara Resende, Marcia Denser e Caio Fernando Abreu; os romances de Machado de Assis, Pepetela e Estevão Azevedo; os poemas de Orides Fontela, Ana Martins Marques, Mônica Menezes e Ruy Espinheira Filho; e as crônicas de Ana Cássia Rebelo e Antonio Prata. Além disso, divulguei os lançamentos de escritores baianos como Carlos Barbosa, Ângela Vilma, Rodrigo Melo, Marcus Borgón e Silvério Duque, entre outros. Abaixo, você pode conferir, quais foram os livros lidos, além dos que tiveram passagens selecionadas. Boa leitura!


Todos os contos
(Rocco, 2016)
Clarice Lispector

Poesia completa
(Hedra, 2015)
Orides Fontela
Leia trechos aquiaquiaquiaquiaqui

Melhores contos
(Global, 2001)
Aníbal Machado
Leia trechos aqui

Memórias póstumas de Brás Cubas
(L&PM, 2014)
Machado de Assis
Leia trechos aqui

Nos bastidores do Pink Floyd
(Generale, 2012)
Mark Blake
Curiosidades aqui

Melhores contos
(Global, 2005)
Domingos Pellegrini
Leia trechos aqui

Ana de Amsterdam
(Biblioteca Azul, 2016)
Ana Cássia Rebelo
Leia trechos aqui

Olhos d'água
(Pallas, 2015)
Conceição Evaristo
Leia trechos aqui

O livro das semelhanças
(Companhia das Letras, 2015)
Ana Martins Marques
Leia trechos aqui

A gloriosa família
O tempo dos flamengos
(Nova Fronteira, 1999)
Pepetela
Leia trechos aqui

História secreta de Costaguana
(L&PM, 2012)
Juan Gabriel Vásquez

O leopardo é um animal delicado
(Rocco, 1998)
Marina Colasanti
Leia trechos aqui

As pompas do mundo
(Rocco, 1975)
Otto Lara Resende
Leia trechos aqui

Diana Caçadora & Tango Fantasma
(Ateliê Editorial, 2003)
Marcia Denser
Leia trechos aqui

Tempo de espalhar pedras
(Cosac Naify, 2014)
Estevão Azevedo
Leia trechos aqui

Os dragões não conhecem o paraíso
(Nova Fronteira, 2014)
Caio Fernando Abreu
Leia trechos aqui

O Diabo & Sherlock Holmes:
histórias reais de assassinato, loucura e obsessão
(Companhia das Letras, 2012)
David Grann

Da arte das armadilhas
(Companhia das Letras, 2011)
Ana Martins Marques
Leia trechos aqui

Trinta e poucos
(Companhia das Letras, 2016)
Antonio Prata
Leia trechos aqui

Dois irmãos
(Companhia das Letras, 2006)
Milton Hatoum

Os informantes
(L&PM, 2010)
Juan Gabriel Vásquez

Histórias da Gente Brasileira
Volume 1: Colônia
(Leya, 2016)
Mary del Priore

Troços & Destroços
(Record, 1997)
João Silvério Trevisan
Leia trechos aqui

Morangos mofados
(Nova Fronteira, 2015)
Caio Fernando Abreu
Leia trechos aqui

O chão que em mim se move
(Penalux, 2016)
Carlos Barbosa
Leia trechos aqui

Estranhamentos
(P55, 2010)
Mônica Menezes
Leia trechos aqui

Milênios e outros poemas
(Patuá, 2016)
Ruy Espinheira Filho
Leia trechos aqui

Todo Bob Cuspe
(Companhia das Letras, 2015)
Angeli

A paixão segundo G. H.
(Rocco, 2014)
Clarice Lispector
Leia trechos aqui

O senhor agora vai mudar de corpo
(Record, 2015)
Raimundo Carrero
Leia trechos aqui

O amor das sombras
(Alfaguara, 2015)
Ronaldo Correia de Brito
Leia trechos aqui

A orgia perpétua:
Flaubert e Madame Bovary
(Objetiva, 2015)
Mario Vargas Llosa

A solidão mais funda
(Mondrongo, 2016)
Ângela Vilma
Leia trechos aqui

A senhorita Simpson
(Companhia das Letras, 1989)
Sérgio Sant'Anna
Leia trechos aqui

Um táxi para Viena d'Áustria
(Record, 2013)
Antônio Torres
Leia trechos aqui

Só por hoje e para sempre
(Companhia das Letras, 2015)
Renato Russo
Leia trechos aqui

Jogando dardos sem mirar o alvo
(Mondrongo, 2016)
Rodrigo Melo
Leia trechos aqui

O pênalti perdido
(P55, 2016)
Marcus Borgón
Leia trechos aqui

Melhores contos
(Global, 2002)
Lima Barreto
Leia trechos aqui

Histórias de leves enganos e parecenças
(Malê, 2016)
Conceição Evaristo

Enquanto o mundo dorme
(Penalux, 2016)
Rodrigo Melo
Leia trechos aqui

Os ratos roeram o azul
(Letramento, 2016)
César Gilcevi
Leia trechos aqui

Do coração dos malditos
(Mondrongo, 2013)
Silvério Duque
Leia trechos aqui

As reputações
(Bertrand Brasil, 2016)
Juan Gabriel Vásquez

Cama de gato
(BDA, 1997)
Phil Moreno

O ruído das coisas ao cair
(Objetiva, 2013)
Juan Gabriel Vásquez

Órfãos do Eldorado
(Companhia das Letras, 2008)
Milton Hatoum

Rincões dos frutos de ouro
(Editus, 2005)
Sabóia Ribeiro

Páginas sem glória
(Companhia das Letras, 2012)
Sérgio Sant'Anna

Tardes com anões
7 minicontistas
(Vento Leste, 2011)
Org. Gal Meirelles

Cantares de arrumação:
Panorama da nova poesia de
Feira de Santana e região
(Mondrongo, 2015)
Org. Silvério Duque
Leia trechos aqui

Jeito de matar lagartas
(Companhia das Letras, 2015)
Antonio Carlos Viana

Desordem & outros poemas inéditos
(Mondrongo, 2015)
Gustavo Felicíssimo
Leia trechos aqui

Servir a quem vence
(Mondrongo, 2015)
Astier Basílio
Leia trechos aqui

O livro das palavras mal ditas
(Mondrongo, 2016)
Carollini Assis
Leia trechos aqui

Não se vai sozinho ao paraíso
(Mondrongo, 2016)
Állex Leilla

O encourado
Franklin Carvalho 

O mar e seus descontentes
(Via Litterarum, 2016)
Saulo Dourado

Testemunho transiente
(Cosac Naify, 2015)
Juliano Garcia Pessanha

Sons e outros frutos
(Record, 1998)
Myriam Campello

O evangelho segundo a filosofia
(Record, 2016)
Aurélio Schommer

Finlândia
(Novo Século, 2016)
Scarlet Rose

Casa de Orates
Contos sobre loucura
(Mondrongo, 2016)
Org. Rodrigo Melo

Comentários

Scarlet Rose disse…
Obrigada pelo carinho. Irei aproveitar as dicas de leitura!
Sarah disse…
Ótimas indicações! Vou aproveita-las nessas férias.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"