Pular para o conteúdo principal

Tom Correia, o novo curador da Flica 2017

- Foto: Rosana Souza

Flica anuncia novo curador para a edição 2017

A 7ª edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira já tem seu curador. O escritor e jornalista Tom Correia assume este ano a função que foi ocupada em 2016 por Emmanuel Mirdad, um dos idealizadores e coordenador geral da Flica. Já a Fliquinha, a programação infantil de sucesso da Flica, permanece pelo 5º ano consecutivo com a curadoria de Lilia Gramacho e Mira Silva.

Autor de quatro livros individuais de contos e com participação em várias coletâneas, Tom iniciou sua trajetória ao vencer o Prêmio Braskem de Literatura com “Memorial dos medíocres”. Com inúmeros trabalhos em jornalismo literário, a exemplo da grande reportagem “Vidas suspensas”, sobre pessoas desaparecidas em Salvador, a sua relação com a Flica surgiu desde a 1ª edição. Em 2013, ele foi um dos autores convidados e, no ano seguinte, foi mediador da mesa com a escritora baiana Mariana Paiva e o português Gonçalo M. Tavares. “Ter feito parte da festa como público, autor convidado e mediador, além de grande aprendizado me proporcionou uma visão mais ampla da dinâmica da festa. Acredito que isso pode ser um fator importante no momento de compor as mesas desta edição”, afirmou.

- Foto: Rosana Souza

Além da atuação em Literatura, Tom desenvolve atividades paralelas em Fotografia. No início deste ano, ele morou durante dois meses em Lisboa para dar início a “Breve cartografia do silêncio”, projeto de residência fotográfica selecionado por edital de mobilidade artística. Atualmente ele pertence ao conselho diretor do Instituto Sacatar, onde também fez parte de um programa de residência literária. Esta não será a primeira experiência de Tom na função. No final de 2013, ele foi um dos responsáveis pela curadoria do “Jorge +100: a Bahia de Jorge Amado nos dias de hoje”, evento literário que reuniu autores nacionais e locais para debater a literatura contemporânea em Salvador.

Consolidada como um dos maiores eventos literários do país, a Flica tem o patrocínio do Governado do Estado da Bahia, que, desde 2015, vem ampliando sua atuação na festa, com a participação articulada de diferentes secretarias e órgãos para o desenvolvimento de ações relacionadas às áreas de educação, cultura e turismo. A maior parte da programação acontece no Espaço Educar para Transformar, localizado em frente à Câmara Municipal de Cachoeira. Lá, o público pode participar de diferentes atividades, a exemplo de lançamento de livros, exposições, apresentações artísticas, contação de histórias e saraus.

Comentários

Parabenizo e desejo muito êxito ao Tom Correia para tocar essa grande empreitada. Sucesso!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…