Pular para o conteúdo principal

Seleta dos melhores títulos para livros concorrentes ao Prêmio Oceanos 2017


Foi divulgada a lista dos 1.215 livros que estão inscritos para concorrer ao Prêmio Oceanos em 2017 (veja a lista aqui). Dei uma olhada e selecionei os 43 melhores títulos para livros entre os concorrentes (pra mim, é fundamental ter um bom nome para a obra). Foram eles:

- Vou comer brilhantes para ver se quebro um dente (Paula Cohen)

- Receita para se fazer um monstro (Mário Rodrigues)

- Simpatia pelo demônio (Bernardo Carvalho)

- Idioma de um só (Ricardo Koch Kroeff)

- O latim das moscas (Rodrigo Madeira)

- Teoria geral do desassossego (Guilherme Antunes)

- A solidão mais funda (Ângela Vilma)

- Tentativas de capturar o ar (Flávio Izhaki)

- Perto do coração o mar se levanta (Conceição Bastos)

- Na eternidade sempre é domingo (Santiago Santos)

- Os cactos não voltam pra casa (Ricardo Thadeu)

- É preciso dançar na língua dos predadores (Ana Beatriz Rangel)

- Os homens que os pássaros comem (Francisco Sousa Vieira)

- Os peixes são tristes nas fotografias (Otávio Campos)

- Para ler enquanto escolhe feijão (Edra Moraes)

- Quanto tempo faltará para o abismo? (Mário Cordeiro)

- Elogio do carvão (Marcus Vinicius Quiroga)

- Uma alcatra não tem história (Girotto)

- Que você é esse? (Antonio Risério)

- O mar não sofre coisa morta (Leonardo Paiva Fernandes)

- O invisível pardieiro de pétalas (Alberto de Godoy Azeredo)

- O chão que em mim se move (Carlos Barbosa)

- A invenção do deserto (Samarone Lima)

- Homens imprudentemente poéticos (Valter Hugo Mãe)

- Você me amou feito se tirasse uma foto apenas (Renan Dissenha Fagundes)

- Vamos comprar um poeta (Afonso Cruz)

- Poemas de amor deixados na portaria (Vitor Miranda)

- O grande massacre das vacas (Sérgio Corrêa de Siqueira)

- No escuro da noite em claro (Christovam de Chevalier)

- Nem todas as baleias voam (Afonso Cruz)

- Nua sob escamas (Luciana Queiroz)

- Como se estivéssemos em palimpsesto de putas (Elvira Vigna)

- Ficções de um minimalista nu sob o amor e a morte (Bodan)

- O ser humano na era de sua reprodutibilidade tática (Valério Oliveira)

- O quadro da mulher sentada a olhar para o ar com cara de parva e outras histórias (Luís Afonso)

- O dia em que o mar voltou (Miguel Gizzas)

- O corpo respira relâmpagos (Ricardo Teixeira de Salles)

- #Parem de nos matar! (Cidinha da Silva)

- Livro de orações para o ateu moderno (Pedro Rego)

- Caranguejo overdrive (Pedro Kosovski)

- Batman não foi a Búzios (Cícero Sandroni)

- Há um poema morto na sala (José de Assis Freitas Filho)

- M3S0M4N1UM (Conrado Grassi)


PS: Estou concorrendo com o meu livro de contos Olhos abertos no escuro:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…