Pular para o conteúdo principal

Seleta: Bjørn Riis

Bjørn Riis - Foto daqui

Conheci o guitarrista, compositor e cantor norueguês Bjørn Riis numa coletânea do canal Wherepostrockdwells (ouça aqui), a pesquisar bandas para a série Música para Escrever. Dentre as dez atrações selecionadas no vídeo, o trabalho de Bjørn Riis se destacou muito para mim. A guitarra é o instrumento que me faz decolar, transcender. E o maior de todos, o único que me fez chorar, é o mestre David Gilmour, inigualável. Pois Bjørn Riis tem o mérito de soar bem próximo à timbragem e acentuação do deus da guitarra, a me conduzir ao infinito também, pelo caminho das gaivotas e sereias, muito melhor que todos os guitarristas que acompanharam as turnês de Roger Waters (e também das milhões de bandas cover de Pink Floyd). Para um fã de Gilmour e floydiano como sou, descobrir este norueguês (e as suas belas composições) foi um presente!

Bjørn Riis é um dos fundadores, guitarrista solo, produtor e principal compositor da banda norueguesa Airbag. Em carreira solo, lançou os álbuns “Lullabies in a Car Crash” (2014), “Forever Comes to an End” (2017) e “Coming Home” (2018). Aproveitei e fiz uma seleta com as 15 melhores canções de Bjørn Riis, presentes nesses três discos. Clique na playlist do YouTube que criei abaixo ou no nome das músicas para escutar no Bandcamp do artista, e deixe rolar:


Não consegue visualizar a playlist? Clique e escute no YouTube aqui

A música "Calm" não foi incluída porque não tem vídeo disponível.


01. Lullaby in a Car Crash

02. Where Are You Now

03. Coming Home

04. Out of Reach

05. The Waves

06. Disappear

07. Winter

08. Drowning

09. Absence

10. Stay Calm

11. Tonight's the Night

12. Forever Comes to an End

13. Daybreak

14. Calm

15. A New Day

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"