Pular para o conteúdo principal

Livro O limbo dos clichês imperdoáveis (2018), com todos os contos de Emmanuel Mirdad


O limbo dos clichês imperdoáveis
— todos os contos de Emmanuel Mirdad —
2018 | 507 pg | 60 contos
Capa de Sarah Fernandes

O limbo dos clichês imperdoáveis — Todos os contos de Emmanuel Mirdad” é um livro virtual, editado pelo próprio autor e disponibilizado em posts do seu blog, em fotos da página de escritor no Facebook e download gratuito do PDF da obra. São 60 contos, a compreender o período de 2000 a 2018 da produção contística de Emmanuel Mirdad.

O plural, ácido e reflexivo “O limbo dos clichês imperdoáveis — Todos os contos de Emmanuel Mirdad” apresenta uma constelação de personagens complexos, situações extremas, solidão, romance, ironia e prosa poética. Os 60 contos podem ser divididos em três linhagens: 1) reflexivos e poéticos; 2) sobre relações afetivas e sexuais; 3) literatura policial.

Dos livros “Abrupta sede” (2010), “O grito do mar na noite” (2015) e “Olhos abertos no escuro” (2016), todos publicados pela editora baiana Via Litterarum, hoje superados, foram selecionados, revistos, reescritos em várias partes (alguns títulos foram modificados), revisados e finalizados 12, 10 e 30 contos, respectivamente (apenas um conto foi descartado e renegado). Da coluna “Andarilho”, que o autor manteve entre maio e julho de 2000, no jornal “Folha da Pituba” (hoje extinto), foi recuperado o único conto que não havia sido reescrito e publicado em livro ainda. Assim como também foram selecionados e reescritos cinco contos que foram descartados do original do livro “Abrupta sede”. Por fim, foi produzido um conto a partir do começo de outro (necessário para arredondar este), e um poema, lançado no livro “Quem se habilita a colorir o vazio?”, foi devolvido à forma original de conto.

A revisão é de Acácia Melo Magalhães e do próprio autor.

Download gratuito do livro em PDF — Clique aqui ou aqui

Release aqui

Sobre a conclusão do original aqui

Origem do título aqui

Para ler todos os contos (que foram publicados, separadamente, em posts do blog), clique nos seus nomes, abaixo das imagens das páginas do índice.








Receba . 51





Ingênio . 101


Cinzas . 110


Amante . 118

Despedaço . 122


Assexuada . 129

O Reino . 147

Selvagem . 169

Absoluto . 171



Botox . 201


Bonecas . 238



273 . Sereno aceitar

282 . O barão do cagaço

289 . Israel Deodato

292 . Formigas

297 . Maestro

304 . Aqui se paga

306 . A farsa

310 . Impermanência

312 . Agulhas

315 . Catiripapo

316 . Diana & Tereza

322 . O passeio

326 . Armadilha espetáculo

330 . Vingança

338 . O flagra

341 . Derrame

344 . Sem dó

346 . Não escaparás

352 . 1999

356 . Como uma pedra

361 . Entre o nebuloso e o desanuviado

364 . A interferência arruinadora das inutilidades

365 . Quase onze dias

395 . Hoje é sexta-feira 13

398 . Brutalistas


Folhetim . 403





Abacates . 423

Amem . 427

Fábula . 429




Dados . 442

Sobre o autor . 507



Contracapa do livro - Foto e arte por Sarah Fernandes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"