Pular para o conteúdo principal

Livro O limbo dos clichês imperdoáveis (2018), com todos os contos de Emmanuel Mirdad


O limbo dos clichês imperdoáveis
— todos os contos de Emmanuel Mirdad —
2018 | 507 pg | 60 contos
Capa de Sarah Fernandes

O limbo dos clichês imperdoáveis — Todos os contos de Emmanuel Mirdad” é um livro virtual, editado pelo próprio autor e disponibilizado em posts do seu blog, em fotos da página de escritor no Facebook e download gratuito do PDF da obra. São 60 contos, a compreender o período de 2000 a 2018 da produção contística de Emmanuel Mirdad.

O plural, ácido e reflexivo “O limbo dos clichês imperdoáveis — Todos os contos de Emmanuel Mirdad” apresenta uma constelação de personagens complexos, situações extremas, solidão, romance, ironia e prosa poética. Os 60 contos podem ser divididos em três linhagens: 1) reflexivos e poéticos; 2) sobre relações afetivas e sexuais; 3) literatura policial.

Dos livros “Abrupta sede” (2010), “O grito do mar na noite” (2015) e “Olhos abertos no escuro” (2016), todos publicados pela editora baiana Via Litterarum, hoje superados, foram selecionados, revistos, reescritos em várias partes (alguns títulos foram modificados), revisados e finalizados 12, 10 e 30 contos, respectivamente (apenas um conto foi descartado e renegado). Da coluna “Andarilho”, que o autor manteve entre maio e julho de 2000, no jornal “Folha da Pituba” (hoje extinto), foi recuperado o único conto que não havia sido reescrito e publicado em livro ainda. Assim como também foram selecionados e reescritos cinco contos que foram descartados do original do livro “Abrupta sede”. Por fim, foi produzido um conto a partir do começo de outro (necessário para arredondar este), e um poema, lançado no livro “Quem se habilita a colorir o vazio?”, foi devolvido à forma original de conto.

A revisão é de Acácia Melo Magalhães e do próprio autor.

Download gratuito do livro em PDF — Clique aqui ou aqui

Release aqui

Sobre a conclusão do original aqui

Origem do título aqui

Para ler todos os contos (que foram publicados, separadamente, em posts do blog), clique nos seus nomes, abaixo das imagens das páginas do índice.








Receba . 51





Ingênio . 101


Cinzas . 110


Amante . 118

Despedaço . 122


Assexuada . 129

O Reino . 147

Selvagem . 169

Absoluto . 171



Botox . 201


Bonecas . 238



273 . Sereno aceitar

282 . O barão do cagaço

289 . Israel Deodato

292 . Formigas

297 . Maestro

304 . Aqui se paga

306 . A farsa

310 . Impermanência

312 . Agulhas

315 . Catiripapo

316 . Diana & Tereza

322 . O passeio

326 . Armadilha espetáculo

330 . Vingança

338 . O flagra

341 . Derrame

344 . Sem dó

346 . Não escaparás

352 . 1999

356 . Como uma pedra

361 . Entre o nebuloso e o desanuviado

364 . A interferência arruinadora das inutilidades

365 . Quase onze dias

395 . Hoje é sexta-feira 13

398 . Brutalistas


Folhetim . 403





Abacates . 423

Amem . 427

Fábula . 429




Dados . 442

Sobre o autor . 507



Contracapa do livro - Foto e arte por Sarah Fernandes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav