Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Cyro de Mattos no livro Poemas de terreiro e orixás

Cyro de Mattos - foto daqui

Negrinha Benedita
Cyro de Mattos

Por causa
dum frasco
de cheiro
apanhou
de chibata.
Os outros,
assombrados,
não puderam
fazer nada.

Sem andar
dias ficava.
Quando sarou,
falou ao vento
que ia embora.
Pelo mato
foi voando,
escapou
da cachorrada.
Teve sede,
teve fome,
levou espinho
pela cara.
Para trás
não olhava.
Com uma
espada afiada
que lhe deu
uma mão oculta
um dia viu
no quilombo
que, ali, era
sua morada.

Aconteceu
que depois
a cabeça
da sinhá
amanheceu
decepada.
Ninguém viu
como se deu
na escuridão
daquela noite
a revanche
assim marcada.
Por causa
dum frasco
de cheiro
que ela pegou
pra ser cheirada.

--------

África
Cyro de Mattos

Longe, tão longe.
na savana soprando
o espírito de Deus.
A aldeia uma terra
que na semana usa
manhãs de brilho,
ventos, chuvas,
contas, búzios.
Entre os cânticos,
passos, braços,
calor do peito,
suor do corpo,
ancestral laço.

Longe, tão longe
estrelas piscando.
Cachos de prata
descendo da lua
na noite calma.
A natureza plena
como deve ser
vista e tocada.
Temida no claro,
caçada no escuro
sob perfeita ordem.
Menos para o golpe
do capitão branco,
de vilania o portador,
o litoral agitando.

No saque que urdiu
ferro inconcebível
encarnado de sangue
extirpou da mãe
o filho, sem dó.
Homem no porão
(em África venceu o leão)
agora no ferro, preso,
horror e lágrima
dizem que é bicho
recuado no ar fétido,
seu corpo amassado,
marcado sem perdão.

Impagável é esse borrão
que o fez sustentar
com fortes chibatadas
todo o peso terrestre
de uma cena perversa,
voraz em boca enorme.
Do sonho atrás despido,
jogado na cova rasa,
órfão, sem presteza,
sina varada no exílio,
apagado, mais nada.

--------

Orixá
Cyro de Mattos

Ouve a queixa,
aconselha.
Dá remédio,
concede graça.
Abre caminhos,
desfaz quizília.

Resolve desavença.
Consola o triste,
enxuga o magoado.
Conduz essa noite
onde há cantigas
que apagam brasas,
enterram troncos
ao som de dores
vindas nos rastros
doutros tempos.

Rumo que clareia
todas as tormentas.
Sem haver distâncias
entre o céu e a terra.

--------

História do Corre-Costa
Cyro de Mattos

Punhal tecido de pranto
dessa hora desalmada
jamais houve na África,
vagas de sal soluçam
porão na escrava rota.
Um dia, o mar revolto
naufraga amara carga,
salvá-la em troca da alma
da filha e da esposa.
ao príncipe das trevas,
o preço do Corre-Costa,
português embarcadiço
feito senhor de roças.
E ondas do litoral agitado
viram a terra estremecer,
abismo esconder o sol,
treva ficar de emboscada.
Chão recusar dois corpos,
um da filha inocente,
o outro da mulher amada.
Sangue correr na terra nua,
demorado gargalhar de bruxa,
uivar de vento na estrada.
Na mata, açoite inclemente,
passos gemidos na canga,
em pânico fuga das sombras.
Conta minha avó memória
que fúria do Cão só se afasta
das serras e das baixadas
quando abafar na goela
o choro da última alma.

--------

Barraca
Cyro de Mattos

Abará, acarajé,
adum, ajabô
lelé, amalá
arroz de hauçá
caruru, vatapá
xinxim de galinha
aberém, acaçá
bobó de camarão
e ainda mugunzá.

Quem vai querer?
se provar, vai gostar.
Vai voltar e dizer:
— Hum, é bom.
     Danado de bom.
     Mais, bote mais,
     só no céu é melhor.

--------

"O muito sem Deus
no mundo é nada,
o pouco com Deus
é o muito que sobra."


"Gritos como sinais
ecoam na planície,
saltam centelhas
das vozes ligadas
na corrente frenética
embarcada na África
para a Bahia negra
caindo no transe.
Nenhum outro batuque
trepidando na alma
tem mais grandeza
do que esse que faz
as distâncias perto,
joga raios do céu,
bate envolto em magia."


"Preto velho
ensinou,
sim, senhor,
ensinou,
com sua figa,
cachimbo e pó,
o seu patuá,
seu canto manso
e uma fé maior
do possuído tira
o encosto pior."




Presentes no livro “Poemas de terreiro e orixás” (Mazza Edições, 2019), de Cyro de Mattos, páginas 33, 30, 57, 18 e 22, respectivamente, além dos trechos dos poemas “Oxalá” (p. 59), “Nação” (p. 35) e “Preto Domingos” (p. 23), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor