Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Érica Azevedo no livro Cata-vento de sonhos

Érica Azevedo - foto Átila Azevedo

Coleção
Érica Azevedo

No primeiro choro tremi
das dores que seriam minhas companheiras.

Uma colina [medo após medo] se formava em meus olhos
e encobria sol, mar, flores, sorrisos.

A pele marcada pelo medo desfila
encarcerada em seu próprio corpo.

A pele marcada pelo medo carrega um apelo
e um grito mudo.

A pele marcada pelo medo:
Um par de asas virgens que atravessa os poros
e morre a cada dia.

--------

Currículo
Érica Azevedo

Não tenho corpo de modelo
Nem seios de escultura
Não tenho nariz, bunda, boca e pernas
de porcelana.

Não nasci flor
Não cresci boneca
Nem fui transformada em princesa.

Meu canto
não é de sereia.

Brinco com versos
Transformo minha lágrima e meu riso
em percurso.

Sou mulher
num mundo cheio de espinhos.

Às vezes sou luva,
outras beija-flor.

--------

Velho
Érica Azevedo

As mãos do tempo
Confundem minha memória:
Meus ancestrais ainda dançam açoitados
e cantarolam para desviar as lágrimas.

Minha língua nova
carrega o peso do passado
e grita novos caminhos.

Minhas tribos se misturaram
no aguaceiro do tempo
e pulsam em meu ventre
mostrando que não tenho a idade do espelho.

--------

Silêncio
Érica Azevedo

No Silêncio busco palavras
que não querem nascer.
Prenhe o abismo aborta
os ecos dos espelhos ao redor.

O Silêncio é faca sem lâmina
a ferir pássaros tristes
e acalentar asas feridas:
sentença e dádiva do presente.

Enquanto a caneta repousa, a alma cansa
Amanhã, talvez, haja o encontro
entre a palavra que pulsa no peito
e o papel que teima permanecer em branco.

--------

Acrobacia
Érica Azevedo

Não sei o tamanho da dor
que cabe num poema
Sei que versos se desdobram
enquanto rasgo-me e emendo.

Não importa se a acrobacia
é de palavras apenas
ou de emoções somente:
tardes, letras e sonhos ganham corpos.

A vida é uma linha que segue (mesmo quando finda),
Pouco importa se os dias tiveram sol ou chuva,
Se no caminho houve trovões, arco-íris.

Lágrimas vividas e imaginadas se misturam:
Talvez entre o cais da memória
e a solidão dos olhos e do lápis
dor, sorriso e poeta se percam
(ou se encontrem)
                      [no poema].

--------

"Sapatos enfeitam pés cansados:
o caminho é quase nada.
Há uma navalha nas horas:
A passagem leva quase tudo.

(...)

Aprendeste a segurar pelo rabo o caos?"


"Os olhos não mensuram
a tristeza que o peito [do outro]
acomoda.

No papel desdobram-se as chuvas,
as cinzas e o fogo dos dias:
Um verso doloroso salta
com a espinha dorsal quebrada
e gosto de lágrimas."


"O poema não veio.
O dia chegou ao fim,
A pele recolheu a marca dos dias,
A luta se mostrou perdida."



Presentes no livro de poemas “Cata-vento de sonhos” (Mondrongo, 2019), de Érica Azevedo, páginas 36, 44, 47, 48 e 53, respectivamente, além dos trechos dos poemas Desconcerto (p. 33), Poema triste (p. 31) e Duelo (p. 30), presentes na mesma obra.

Comentários

Alexandra Patrocinio disse…
Os poemas de Érica são navalhas que ao mesmo tempo que abrem feridas, também cicatrizam.

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor