Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever #69 — Signal Hill, MOHICAN, Krobak, Methadone Skies, Threefifty, Treebeard, Musgravite, Nueva Noventa, Tuber e Ylva de Lune


Os EPs do vermelho honesto estão confinados pela noite. O homem das cavernas do retrofuturo, suavemente entre as brasas, propaga a nostalgia da musgravita. E vai postar sobre o deserto superlotado, parte I. Confira o post #69 da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.

Los Angeles | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"The EPs"
(2021)
Ouça aqui

---------

Filadélfia | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"HONEST RED"
(2012)
Ouça aqui

---------

Kiev | Ucrânia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Nightbound"
(2016)
Ouça aqui

---------

Timisoara | Romênia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Retrofuture Caveman"
(2021)
Ouça aqui

---------

Nova York | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Gently Among the Coals"
(2017)
Ouça aqui

---------

Melbourne | Austrália
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Nostalgia"
(2021)
Ouça aqui

---------

São Paulo | Brasil
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Musgravite"
(2016)
Ouça aqui

---------

Santiago | Chile
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"POST"
(2013)
Ouça aqui

---------

Serres | Grécia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Desert Overcrowded"
(2013)
Ouça aqui

---------

Alemanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"I"
(2021)
Ouça aqui

---------


Playlist Música para Escrever #69

Os melhores temas da edição #69 da série “Música para Escrever”, com as norte-americanas Signal Hill, MOHICAN e Threefifty, a ucraniana Krobak, a romena Methadone Skies, a australiana Treebeard, o brasileiro Musgravite, a chilena Nueva Noventa, a grega Tuber e a alemã Ylva de Lune. Os melhores sons de post-rock para inspirar a imaginação e criar o clima propício de introspecção.

Ouça no Spotify aqui [falta 1 música da MOHICAN]

Ouça no YouTube aqui

01) Freelance Forest [Signal Hill]

02) zihuatanejo [MOHICAN]

03) Marching for the Freedom We Have Lost [Krobak]

04) Unanchored [Threefifty]

05) Espejismo [Nueva Noventa]

06) About Hope [Musgravite]

07) The Ratcatcher [Treebeard]

08) Western Luv '67 [Methadone Skies]

09) Cause We Didn't Find Our Way [Tuber]

10) Les Ombres du Monde [Ylva de Lune]

---------

Confira o Música para Escrever #68, especial Áustria, com Cinématique, Doomina, le_mol, Alderaan, Gjoad, felperc, Møuntain, BOG, CEVEO e microtonner, neste post aqui


Confira o Música para Escrever #67, com Her Name is Calla; things falling apart; Sauf les drones; Your Hand In Mine; Burial Ground for Butterflies; Hurry Up, Brothers; Wapentake; Quintessence; At The Grove e Oreana, neste post aqui


Confira o Música para Escrever #66, com LAC, Suffocate for fuck sake, GrimLake, Dûrga, Ennoven, The Metaphor, Clouds Collide, KOLLAPSIN, FORT e MOEWN, neste post aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d